No Centro Cívico, a esquerda pede vacina, a direita pede ditadura | Fábio Campana

No Centro Cívico, a esquerda pede vacina, a direita pede ditadura

Hoje, no Dia do Trabalho comemorado no Centro cívico, duas manifestações expressaram a circunstância de uma país dividido. De um lado, a direita com seu discurso de ódio a pedir ditadura militar e tudo que poderia vir se Jair Bolsonaro empalmasse o poder de forma absoluta.

De outro, a esquerda. Forças sindicais e democráticas a pedir vacinação contra Covid19 para todos e em caráter de urgência urgentíssima, diante da pandemia que ceifou mais de 400 mil vidas e afundou o Brasil na crise econômica, social e política que colocou 14,4 milhões de trabalhadores na rua.

Os bolsonaristas gritava em uníssono “Bolsonaro, eu autorizo”, somo a responder a uma fala do presidente que, em 14 de abril, disse que esperava “um sinal do povo” para agir, insinuando sua vontade de fechar as instituições democráticas e baixar o porrete em quem denuncia as suas mazelas.

A esquerda nominou seu ato de “Caminhada Solidária”, pois reuniu nove sindicais de trabalhadores e membros de várias correntes de opinião que se unem pela resistência democrática. Comemorou o Dia do Trabalho e pediu socorro pela preservação de vidas. Exigiu vacinas, antes que a tragédia chegue à proporções “indianas.”

Os bolsonaristas com seu padrão agressivo que lembra as esquadras do fascismo de Mussolini, tentaram provocar incidentes. A caminhada da esquerda não entrou nas provocações. Mas o fato aponta para conflitos futuros.

Embora o STF tenha declarado inconstitucional qualquer manifestação que peça golpe militar, manifestantes da direita grotesca entoaram seus motes “Intervenção militar com Bolsonaro no poder” e “Presidente Bolsonaro acione as Forças Armadas (FFAA)”.


2 comentários

  1. Marcos Villanova de Castro
    domingo, 2 de maio de 2021 – 9:31 hs

    Fábio,

    Nos conhecemos há mais de 50 anos e, espero que vc saiba, gosto muito de você, independente de, politicamente, termos posições divergentes. Até aí tudo bem, divergir, quando se utiliza argumentos baseados na verdade dos fatos permite que ambos os lados conhecer o acesso de suas próprias posições. Mas quando se usa de argumentos falsos, a divergência sadia deixa de existir. É o caso de sua coluna de hoje. Dizer que nas manifestações de ontem a Direita “pediu a Ditadura” não é verdade. O que ela pediu foi o voto impresso, auditável. Ninguém me disse isso. Eu participei da manifestação. Pode haver algo mais anti ditadura que pedir eleições confiáveis? Sinceramente é uma decepção pra mim, e acredito que para muitos de seus leitores, ler mais uma coluna sua em que a verdade dos fatos é substituída por uma narração mentirosa.

  2. Marcos Villanova de Castro
    domingo, 2 de maio de 2021 – 9:44 hs

    Correção: (…) permite que ambos os lados CONHEÇAM o AVESSO de suas posições.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*