Anvisa libera medicamento Remdesivir contra a covid-19 | Fábio Campana

Anvisa libera medicamento Remdesivir contra a covid-19

O uso do medicamento Remdesivir, cujo registro foi aprovado nesta sexta (12) para auxiliar o tratamento da covid-19, é restrito a hospitais.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anuncia neste momento a concessão do primeiro registro de um medicamento com indicação em bula para auxiliar o tratamento contra a covid-19, o remdesivir, e o registro da vacina da AstraZeneca. Este imunizante já tinha a autorização para uso emergencial no Brasil e está sendo envasado nacionalmente pela Fiocruz, que deverá passar a produzi-lo no país nos próximos meses. A decisão permite a entrega do produto que tem etapa de fabricação no país.

A gerente de avaliação de segurança e eficácia da Anvisa, Renata Soares, disse que o medicamento rendesivir é indicado ao tratamento da covid-19 em pessoas acima de 12 anos e que pesem ao menos 40 quilos que apresentem pneumonia com necessidade de suplemento de oxigênio. “O tratamento deve ser feito por cinco a dez dias”, diz. Segundo ela, o medicamento já foi aprovado por agências reguladoras dos Estados Unidos, Suiça e Europa. “Os dados demonstram que o tratamento com o rendesivir pode prevenir uma progressão da doença causada pelo coronavírus, em pacientes com pneumonia que requerem administração suplementar de oxigênio, através de menor tempo de recuperação”, afirmou. A conclusão da agência vem da análise de três estudos clínicos com o medicamento.

A agência também forneceu o chamado registro definitivo condicional à vacina da AstraZeneca. Argumentou que há confirmação de segurança e eficácia, mas ainda está pendente de novas informações que podem ser acrescentadas posteriormente com termos de compromisso. A avaliação da Anvisa é que os riscos superam os benefícios, apesar de ainda haver algumas incertezas nos estudos. Os dados sobre eficácia das novas variantes de preocupação, por exemplo, precisam ser enviados entre maio e junho. “Apesar de dados terem sido gerados em pesquisas científicas, precisamos observar e analisar esses dados”, explica Gustavo Mendes, gerente geral medicamentos e produtos biológicos . “Nós estamos acompanhando empenhados em analisar estes dados.” Há necessidade ainda de acompanhar a segurança e eficácia em longo prazo, em idosos, em intervalos mais curtos em prevenir formas graves da covid-19.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*