Bancos reduzem recomendação da Sanepar. Há sinais de privatização | Fábio Campana

Bancos reduzem recomendação da Sanepar. Há sinais de privatização


Ao mesmo tempo que o governo Ratinho Jr recebe pressão para liberar o aumento das tarifas da Sanepar, a Ágora Investimentos rebaixou a recomendação para venda das ações Sanepar (SAPR11) após a Agepar (Agência Reguladora do Paraná) revisar os marcos regulatórios para 2021. O preço-alvo é de R$ 22. Em tudo isso, a oposição percebe forte cheiro de privatização da estatal nos bastidores do governo. Acredita que tudo não passa de uma encenação programada com a participação do governo.

“A proposta de revisão de 2021 busca convenientemente mudar certas regras, destacando o risco de regulação estadual, uma “dor” histórica para o Paraná que achávamos que era coisa do passado”, afirmam os analistas Francisco Navarrete e Ricardo França.

Entre as propostas, está a retirada do benefício fiscal com o juros sobre o capital próprio, além da substituição do IGP-M (Índice Geral de Preços) pelo IPCA (Índice de Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) para atualizar seu RAB (base de ativos regulatórios) na cesta de inflação anual.

Além disso, a Agepar decidiu recentemente que poderia recontar totalmente o RAB a cada 2 revisões, “um risco único entre as concessionárias listadas”, afirmam.

“O ativo não parece barato mesmo negociando a 0,66x EV/RAB 2021 (nível justo segundo as estimativas do BBI é de cerca de 0,60x), sendo que a fase final da revisão, para refletir o RAB final nas tarifas, será em maio de 2022, um ano eleitoral”, afirmam.

Informa o portal Infomoney que o Bradesco BBI reduziu a recomendação para a unit (ativos mobiliários compostos) da estatal paranaense de saneamento Sanepar de neutra para underperform (desempenho abaixo da média do mercado), com preço-alvo de R$ 22, uma queda de 3% em relação ao fechamento de R$ 22,65 da véspera.
Em um relatório bastante enfático, os analistas apontam que a agência reguladora estadual Agepar está a um passo de tornar a Sanepar “ininvestível”, destacando que a proposta de revisão de 2021 convenientemente busca alterar certas regras, destacando o risco de regulamentação com base no estado, “uma dor histórica para o Paraná que pensávamos ser coisa do passado”.

A Sanepar pode perder o benefício fiscal dos proventos de juros sobre o capital próprio, além de ver o IGP-M sendo substituído pelo IPCA para atualização do valor de ativos de base regulatória (RAB, na sigla em inglês). Além disso, apontam os analistas, a Agepar decidiu recentemente que poderia reavaliar totalmente o RAB duas vezes, um risco único entre as concessionárias listadas, apontam.

Em 29 de dezembro, o regulador estadual decidiu reduzir pela metade o reajuste tarifário anual de 2020 para 5,11% (de 9,62%) e aplicá-lo em fevereiro de 2021, representando apenas o repasse aos consumidores finais da inflação dos últimos 12 meses + mudanças no custo não controlável, excluída a 4ª parcela do diferimento da revisão de 2017.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*