Após apagão no Amapá, governo teme cortes em outras regiões | Fábio Campana

Após apagão no Amapá, governo teme cortes em outras regiões

Ministério de Minas e Energia investiga causas do apagão em 13 das 16  cidades do Amapá | Amapá | G1A decisão do governo federal de realizar uma campanha contra o desperdício de energia veio depois de o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, alertar o presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira (30).

O ministro informou que o sistema elétrico do país está no limite, com a possibilidade de haver cortes seletivos caso a falta de chuva continue e reduza ainda mais o nível dos reservatórios do país.

Os cortes seletivos são interrupções do fornecimento de energia programadas pelas distribuidoras – a pedido dos órgãos que operam o sistema – em alguns horários e regiões do país, para garantir o abastecimento nos horários de pico.

Depois do apagão no Amapá, que deixou boa parte do Estado mais de 20 dias sem energia e sujeita a rodízio, o ministério e órgãos como a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) Aneel e o Operador Nacional do Sistema (ONS), estão sendo cobrados pela falta de planejamento para os próximos meses. As informações são do G1.

Na conversa com Bolsonaro ficou decidido que o governo irá fazer uma campanha contra o desperdício de energia.

O ministro comunicou ao presidente a decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de antecipar a volta do sistema de bandeiras, com a adoção imediata da vermelha. A medida estabeleceu uma cobrança extra nas contas de luz a partir desta terça-feira (1º) e tenta frear o consumo doméstico.

A preocupação do governo e das agências do setor é com o aumento do consumo acarretado pela maior demanda de energia da indústria nos últimos meses, sinal de recuperação da economia. Além disso, o consumo doméstico não diminuiu.

Segundo especialistas, caso o Brasil cresça 3% em 2021, a demanda por energia tende a crescer 6%.

No final da semana passada, o diretor-presidente da Aneel, André Pepitone, conversou com especialistas do setor sobre a possibilidade de retomar, ainda em dezembro, o sistema de bandeiras, com adoção da bandeira vermelha.

Nas conversas, Pepitone ouviu que o melhor seria não esperar janeiro, por conta de o sistema estar “no limite”, já com as usinas térmicas disponíveis ligadas.

O diretor-presidente da Aneel e o ministro das Minas e Energia ouviram de especialistas do setor sugestões de como ampliar a oferta de energia nos próximos meses, sem depender da ocorrência de chuvas, que tendem a ser mais escassas.

 


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*