Prefeitura de Curitiba faz apelo à população e autoridades | Fábio Campana

Prefeitura de Curitiba faz apelo à população e autoridades

Entrevista coletiva nessa sexta-feira

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca, e a secretaria municipal da Saúde, Márcia Huçulak, fizeram apelo à população e a autoridades para combater o coronavírus. Em entrevista coletiva, nessa sexta-feira (dia 20), eles pediram que a sociedade evite aglomerações e solicitaram à Secretaria de Estado da Saúde e prefeituras da Região Metropolitana de Curitiba que suspendam as cirurgias eletivas.

Huçulak, porém, não antecipou se haverá mudança na bandeira. Curitiba está em bandeira amarela e pode adotar a laranja, com maiores restrições. “Não tem como dizer se vai ficar amarela ou se vai para laranja”, declarou a secretária. A decisão sobre a bandeira será anunciada no fim da tarde dessa sexta-feira. As informações são do Bem Paraná.

TSUNAMI
“A partir de quinta, sexta-feira houve aumento abrupto de casos, um tsunami de casos”, disse Huçulak. “Não é a segunda onda. Nunca baixamos muito o número de casos. Todas as capitais nunca baixaram muito. Não conseguimos fazer uma baixada completa. A gente entende que a sociedade está cansada”, disse. “No feriado, vimos movimento muito grande. As pessoas perderam o medo do vírus. As pessoas estavam se cuidando mais antes”, lamentou.

GRECA
O prefeito Rafael Greca afirmou que parte da população se descuidou e provocou o aumento de casos. “Não há outra explicação para o aumento da pandemia. Todos nós abrimos a guarda. A sociedade abriu guarda. Descuidou da sua obrigação sanitária, de usar máscara, lavar as mãos, passar álcool em gel. Mas sobremaneira de não promover eventos, de não provocar aglomerações. A gente compreende que são nove meses. Compreende que jovens e igrejas querem se reunir, compreende que famílias querem se ver e amigos querem se encontrar. Mas não podemos abrir a guarda. O alerta permanente tem que valer”, disse. “Não estou no mundo para pontar culpados”, ponderou. “As medidas restritivas só serão tomadas se houver abusos”, completou.

LEITOS
“A rede privada chegou ao limite. Ontem transferimos pacientes da rede privada para o SUS”, contou a secretária da Saúde de Curitiba. Para ela, é preciso suspender as cirurgias eletivas nesse momento e usar esse espaço (centros cirúrgicos e ambulatórios) para leitos exclusivos para Covid-19. “Faço esse apelo à Região Metropolitana, porque essa população está vindo para Curitiba”, afirmou. “Estamos nesse esforço para reverter leitos”, disse.

NÚMERO DE CASOS
Desde o começo de novembro, principalmente após o feriado de finados, a pandemia de Covid-19 vem dando sinais que retomou a força na capital paranaense. Curitiba não só bateu recorde de novos casos de Covid-19 em um único dia na última quinta (19) com 1381 confirmações da doença, como também registrou o maior número de casos ativos desde o ínicio da pandemia: 8.415. Os casos ativos indicam o número de pessoas com potencial de transmissão e com possibilidade de piora. O boletim ainda indicou nove novas mortes por complicações do coronavírus.

Levantamento da Secretaria de Estado da Saúde, atualizado nesta quinta (19) revelou que Curitiba está com seis das nove UTIs dos SUS exclusivas para Covid-19 lotadas. Os seis hospitais com lotação de 100% nas UTIs em Curitiba são: Hospital Erasto, Hospital das Clínicas, Hospital São Vicente Centro, Hospital Evangélico, Hospital do Idoso e Hospital do Trabalhador.

A capital também está com duas enfermarias exclusivas para o tratamento de coronavírus com todos os leitos ocupados: Hospital de Clinicas e Hospital do Trabalhador. Segundo a Prefeitura de Curitiba, a taxa de ocupação dos 283 leitos SUS exclusivos para covid-19 está em 87%.

Todos os pacientes que são internados com quadro de síndrome respiratória aguda grave vão para os leitos exclusivos covid-19 e não apenas os casos confirmados da doença. No momento restam 38 leitos livres.

A CRONOLOGIA DAS BANDEIRAS
09/06 – Bandeira Amarela
15/06 – Bandeira Laranja
01/08 – Medidas restritivas impostas pelo governo do Paraná
15/07 – Bandeira Laranja
18/08 – Bandeira Amarela
07/09 – Bandeira Laranja
27/09 – Bandeira Amarela
* as regras das bandeiras foram sendo flexibilizadas pela secretaria Municipal de Curitiba ao logo da pandemia

O SIGNIFICADO DE CADA BANDEIRA
Bandeira Amarela (nível 1): sinal de alerta constante e demonstra que a situação está fora da normalidade. Nesse estágio, todos os estabelecimentos que estiverem funcionando devem adotar as medidas de precaução anunciadas e orientadas, cumprir todas as orientações do protocolo de responsabilidade sanitária e social.

Bandeira Laranja (nível 2): risco médio de alerta, onde haverá restrições ao funcionamento de serviços e do comércio e áreas que propiciam a aglomeração de pessoas.

Bandeira Vermelha (nível 3): risco alto e de alerta total, havendo restrição à circulação


Um comentário

  1. Mario Neto
    sexta-feira, 20 de novembro de 2020 – 18:47 hs

    O Greca só faz proselitismo político, pois, ao invés de proibir o retorno as aulas, acabou por liberá-las. Ai é fácil pedir “ajuda” para a população. Já teve covid e vive sem máscara, sob o argumento que já pegou uma vez. Tem que parar de ficar cantando o hino de Curitiba e governar a cidade corretamente.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*