Constantino também é demitido do Correio do Povo e da Rádio Guaíba | Fábio Campana

Constantino também é demitido do Correio do Povo e da Rádio Guaíba

Rodrigo Constantino continua como colunista da Gazeta do Povo, onde sustenta um blog “sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda politicamente correta”. O motivo de sua demissão foi a defesa do estuprador no caso Mariana Ferrer.

Após ser desligado da Record e da Jovem Pan, Rodrigo Constantino também teve nesta quinta (5)  seus contratos com a Rádio Guaíba e jornal Correio do Povo suspensos.  O jornalista havia sido contratado pela Rádio no último mês para ser comentarista do programa “Boa tarde, Brasil”, já no Correio do Povo, Rodrigo escrevia colunas semanais desde o mês de setembro.

A onda de demissões de Constantino que começou pela Jovem Pan aconteceu em decorrência de comentários que ele fez sobre o caso de Mariana Ferrer. Em live realizada em seu canal no YouTube, Constantino afirmou que se a situação tivesse ocorrido com a sua filha, ele não denunciaria o estuprador e colocaria a menina de castigo.

“Se minha filha for estuprada nessas circunstâncias, ela vai ficar de castigo feio. Eu não vou denunciar um cara desse para a polícia”, afirmou o comentarista.

“Se a minha filha chegar em casa, e eu dou boa educação para que isso não aconteça, mas se ela chegar em casa e disser: ‘Fui estuprada’. [Vou pedir para ela ] Me dar as circunstâncias”, afirmou Constantino.

“Fui em uma festinha, eu e três amigas, tinham 18 homens, bebemos muito e eu estava ficando com dois caras, e eu acabei dormindo lá e eu fui abusada. Ela vai ficar de castigo feio e eu não vou denunciar um cara desses pra polícia, eu vou dar esporro na minha filha”, exemplificou o comentarista na tentativa de justificar sua fala.

Ele ainda argumentou que “existe mulher decente ou piranha”. “Não pode falar essas coisas mais hoje em dia. Homem que faz uma coisa dessas não é decente, mas não existe também a ideia de mulher decente?”, questionou. “As feministas querem que não. Porque feminista é tudo recalcada, ressentida e, normalmente, mocreia, vadia, odeia homem, odeia união estável, casamento”, acrescentou. As informações são do Bem Paraná.


4 comentários

  1. Parreiras Rodrigues
    sexta-feira, 6 de novembro de 2020 – 10:56 hs

    Ele e o Alexandre Garcia são, na Gazeta, o que se chama nas redações de pena de aluguel. Incrível o capachismo de ambos.

  2. Veredicto
    sexta-feira, 6 de novembro de 2020 – 11:19 hs

    Este jornalista é um louco varrido, da esquerda radical e mal amado. Merece um processo daqueles da família da vitima.

  3. Edson Luiz
    sexta-feira, 6 de novembro de 2020 – 12:37 hs

    Santo Deus….agora que alguns enxergam o absurdo desse sujeito, vem alguns quererem dizer que se.trara de alguém de esquerda.
    Acorda!

    Vai tomar um remedinho vai!

  4. Ras Tafari
    sexta-feira, 6 de novembro de 2020 – 14:12 hs

    Tem gente que se acha demais e este é um deles. Infelizmente falou sem pensar e agora está pagando pelo que disse. Se foi mal interpretado o problema é dele, porque podia ter pensado nas repercussões antes de dizer o que disse. Quem deve estar adorando tudo isto é o estuprador inocentado, como empresário pode empregar este mais novo desempregado . Um horror. Indesculpável.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*