Carrefour perde R$ 1,75 bi em valor de mercado | Fábio Campana

Carrefour perde R$ 1,75 bi
em valor de mercado


Ações caíram 4,34% no período

Empresa não usou “Black Friday”

Lá fora, perdeu US$ 330 milhões

O Carrefour Brasil perdeu R$ 1,75 bilhão em valor de mercado na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo) desde o assassinato de João Alberto Freitas, conhecido como Beto. No meio da última semana, chegou a perder mais: R$ 2,46 bilhões na 4ª feira (25.nov.2020). Recuperou parte das perdas (R$ 710 milhões)

O homem negro foi espancado até a morte na última 5ª feira (19.nov.2020) em uma das unidades da empresa em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Assista. Naquela data, a empresa valia R$ 40,28 bilhões pela cotação do mercado. Caiu para R$ 38,58 bilhões nesta 6ª. O valor das ações passaram de R$ 20,29 para R$ 19,41 no mesmo período.

Durante esta 6ª feira (27.nov.2020), a empresa não utilizou o termo “Black Friday” em suas promoções. As ações da empresa caíram em momento de euforia do Ibovespa. Desde a morte de Beto, na 5ª feira (19.nov), recuou 4,34%. No mesmo período, o principal índice da B3 subiu 3,7%.

Num 1º momento, o mercado não reagiu negativamente à morte do homem negro, tanto que o CRFB3 (ações do Carrefour na B3) subiu 0,49% na 6ª feira da semana passada (20.nov). A repercussão negativa foi registrada depois do fim de semana, quando o caso ganhou peso nas redes sociais e no noticiário.

O Carrefour Brasil passou por outras polêmicas nos últimos anos. Em 2018, um cachorro foi morto em uma loja em São Bernardo do Campo. Em agosto deste ano, funcionários de uma loja no Recife (PE) cobriram com guarda-sóis o corpo de 1 promotor de vendas (funcionário de empresa terceirizada) que havia morrido em serviço por conta de 1 infarto.

No Rio de Janeiro, a funcionária de 1 hipermercado da rede foi demitida depois de reportar aos seus superiores ter sido vítima de racismo e de intolerância religiosa em seu local de trabalho, na zona oeste da capital fluminense.

A morte de Beto reacendeu a irritação dos internautas contra a varejista de origem francesa. O caso tomou proporções internacionais: Washington Post, Le Monde e El País publicaram matérias sobre o assassinato.

O valor das ações no mercado internacional caíram US$ 330 milhões desde o fato. Considerando o dólar de R$ 5,33 (fechamento de 6ª feira), o valor perdido foi similar: R$ 1,8 bilhão.

Use o cursor para visualizar os valores no gráfico abaixo:

A empresa se comprometeu a adotar políticas conscientizadoras contra o racismo depois do episódio.

BOLSONARO E RACISMO
No dia seguinte a morte de Beto, o presidente Jair Bolsonaro expressou pouco depois das 23h de 6ª feira (20.nov.2020) o que pensa sobre percepção de preconceito contra negros no Brasil. Disse ser “daltônico” e que “todos têm a mesma cor”.

Divulgada nesta 5ª feira (26.nov.2020), pesquisa PoderData mostrou que no grupo das pessoas que avaliam o trabalho do presidente Jair Bolsonaro como “ótimo” ou “bom”, 44% acham que João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, não foi espancado e morto por ser negro. O número está 17 pontos percentuais acima da percepção geral sobre o caso (27%).

Durante esta 6ª feira (27.nov.2020), a empresa não utilizou o termo “Black Friday” em suas promoções.

As ações da empresa caíram em momento de euforia do Ibovespa. Desde a morte de Beto, na 5ª feira (19.nov), recuou 4,34%. No mesmo período, o principal índice da B3 subiu 3,7%.

Num 1º momento, o mercado não reagiu negativamente à morte do homem negro, tanto que o CRFB3 (ações do Carrefour na B3) subiu 0,49% na 6ª feira da semana passada (20.nov). A repercussão negativa foi registrada depois do fim de semana, quando o caso ganhou peso nas redes sociais e no noticiário.

O Carrefour Brasil passou por outras polêmicas nos últimos anos. Em 2018, um cachorro foi morto em uma loja em São Bernardo do Campo. Em agosto deste ano, funcionários de uma loja no Recife (PE) cobriram com guarda-sóis o corpo de 1 promotor de vendas (funcionário de empresa terceirizada) que havia morrido em serviço por conta de 1 infarto.

No Rio de Janeiro, a funcionária de 1 hipermercado da rede foi demitida depois de reportar aos seus superiores ter sido vítima de racismo e de intolerância religiosa em seu local de trabalho, na zona oeste da capital fluminense.

A morte de Beto reacendeu a irritação dos internautas contra a varejista de origem francesa. O caso tomou proporções internacionais: Washington Post, Le Monde e El País publicaram matérias sobre o assassinato.

O valor das ações no mercado internacional caíram US$ 330 milhões desde o fato. Considerando o dólar de R$ 5,33 (fechamento de 6ª feira), o valor perdido foi similar: R$ 1,8 bilhão.


Um comentário

  1. sábado, 28 de novembro de 2020 – 16:40 hs

    Eu achei que a causa morte do cidadão fosse por afixia e não espancamento até a morte.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*