Bolsonaro cumpre missão de 'eliminar a esquerda', escreve Wajngarten | Fábio Campana

Bolsonaro cumpre missão
de ‘eliminar a esquerda’,
escreve Wajngarten

O secretário de Comunicação Social da Presidência da República, Fabio Wajngarten, publicou longa análise na qual diz que os resultados das eleições municipais mostram que Jair Bolsonaro cumpre sua promessa de “eliminar a esquerda” no país.

Para Wajngarten, o fato de o PT e outros partidos de esquerda terem obtido resultados modestos se deve ao trabalho de Bolsonaro para combater essas agremiações.

O secretário comete algumas imprecisões na análise, como quando cita candidatos que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não teria apoiado. “[O PT] ficou sozinho no discurso e fez surgir outras ‘lideranças’ como Boulos e João Campos –dois candidatos que Lula não apoiou”.

Na realidade, Lula apoiou Guilherme Boulos (Psol) em São Paulo e até gravou um vídeo fazendo essa declaração explícita de voto.

Num outro trecho, Wajngarten chama os partidos do Centrão de “base governista”. Eis o que escreveu o secretário: “Outro aspecto a ser realçado é que os partidos da base governista do Centrão –PP, PSD, Republicanos e outros– tiveram excelente desempenho eleitoral, derrubando a supremacia do MDB e PSDB no comando do número de prefeituras brasileiras”. As informações são do Poder360.

Nem todos os partidos citados se dizem oficialmente “da base governista”. Uma dessas legendas, o PSD, de Gilberto Kassab, sempre faz questão de frisar que não tem desejo de receber cargos do governo e que votará conforme suas convicções no Congresso. O ministro das Comunicações, Fábio Faria, é filiado ao PSD, mas sempre que pode Kassab diz que essa participação na Esplanada é em caráter pessoal, e não partidário.

O secretário de Comunicação do Planalto também aproveita para minimizar o papel do prefeito reeleito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), que seria apenas um “ventríloquo” do governador paulista, o também tucano João Doria:

“No discurso de vitória eleitoral, ele se tornou ventríloquo do governador João Doria, repetindo os motes de que a ciência e moderação devem prevalecer em São Paulo. Com a previsão de que “restam poucos dias para o negacionismo”.

O chefe da Secom não menciona na sua análise o fato de o presidente da República ter declarado apoio explícito a 61 candidatos nas eleições municipais, mas só 15 terem sido eleitos. Todos os outros 46 fracassaram nas urnas mesmo com o endosso de Bolsonaro.

É raro Wajngarten se pronunciar sem que o conteúdo não esteja em linha com o que pensa Jair Bolsonaro. Ou seja, até este momento, essa análise do secretário de Comunicação é o que há de mais completo a respeito do que pensa o Planalto dos resultados das eleições municipais.

ÍNTEGRA

Eis o que escreveu Fabio Wajngarten na sua conta no Twitter:

“Urnas fechadas e apuração encerrada, levo a vocês uma reflexão sobre as eleições. Segue o fio Dedo indicador apontando para baixo (costas da mão). 

“A principal delas é que o PR @jairbolsonaro está cumprindo sua promessa política de “eliminar a esquerda” no país. Os resultados das urnas municipais comprovam isso.

“O PT foi varrido das capitais e teve seu pior desempenho eleitoral desde 1985, assim como os partidos de esquerda. PT não ganhou em nenhuma capital.

“No Rio, São Paulo e Belo Horizonte, as três maiores capitais do país, o PT ficou de fora do segundo turno. E em Recife apostou tudo na candidatura de Marília Arraes, com apoio ostensivo de Lula, e perdeu.

“A esquerda ganhou somente em cinco capitais – PDT e PSB duas e PSOL uma – e comanda apenas 7,6 milhões de brasileiros, o equivalente a 15,6% da população das capitais.

 “Caiu também no vazio a proposta petista de tornar a eleição municipal um mote eleitoral de “anistia para Lula”. Partido ficou sozinho no discurso e fez surgir outras “lideranças” como Boulos e João Campos –dois candidatos que Lula não apoiou.

“O PT não ficou nem entre os 16 primeiros partidos no ranking que comandam a população brasileira.  O PSDB é o partido que governa mais brasileiros, com 34,1 milhões de pessoas.

 “Outro aspecto a ser realçado é que os partidos da base governista do Centrão –PP, PSD, Republicanos e outros– tiveram excelente desempenho eleitoral, derrubando a supremacia do MDB e PSDB no comando do número de prefeituras brasileiras.

“O PP com 685 prefeitos eleitos e o PSD com 540, superaram os 520 do PSDB e o DEM com 463 cidades, desbancando-os do topo da lista. O MDB perdeu 252 prefeituras e o PT nem aparece entre os dez primeiros colocados em número de prefeituras –perdeu 68 delas em relação a 2016.

 “O que se pode concluir, e reproduzir, é que o resultado da eleição municipal mostrou muito mais uma vontade popular de reafirmação de uma postura de “centro-direita” do que uma manifestação de oposição ao governo Bolsonaro.

 “Mesmo a vitória de Covas deve ser relativizada. Ele se reelegeu com menos votos do que a abstenção mais votos brancos e nulos. Juntos esses três fatores totalizaram 3,6 milhões (40,61%) de eleitores que não quiseram escolher nenhum candidato. Boulos perdeu para abstenção!

“No discurso de vitória eleitoral ele se tornou ventríloquo do governador João Doria, repetindo os motes de que a ciência e moderação devem prevalecer em São Paulo. Com a previsão de que “restam poucos dias para o negacionismo”.

 “Ibope e DataFolha erraram suas previsões em 3 capitais importantes: São Paulo, Recife e Porto Alegre. As previsões se mostraram favoráveis aos candidatos de esquerda, mas nas 3 cidades a vantagem dos vitoriosos foi bem superior à prevista pelos institutos.

 “Na capital paulista, a previsão do Datafolha era vitória de Covas com uma diferença de 10 pontos percentuais e foi quase o dobro disso. Em Recife, os institutos cravaram empate numérico de 50% a 50% e as urnas deram a vitória de Campos com 13 pontos percentuais de diferença.

“Em Porto Alegre, o empate técnico previsto pelo Ibope se transformou numa vantagem de quase 10 pontos percentuais para Melo.

 “Ou seja, a eleição municipal de 2020 é mais uma demonstração de que o PR [Jair Bolsonaro] está levando o país para o rumo certo. Varrendo o PT do mapa político do país, derrotando as esquerdas e reafirmando que o Brasil quer outro direção, que apenas começou com a eleição dele em 2018”.


3 comentários

  1. Gaudério do Piquiriguaçu
    segunda-feira, 30 de novembro de 2020 – 19:09 hs

    Outros já tentaram a mesma coisa urbi et orbi, ao longo de décadas. Sem sucesso. É como enxugar gelo.

  2. pitbull
    segunda-feira, 30 de novembro de 2020 – 22:36 hs

    Sr.Fabio, quem eliminou os PTralhas não foi Bolsonaro, foi a inteligência do povo brasileiro que tá de saco cheio de roubalheira.
    E se outros partidos entrarem nessa vão ser eliminados da mesma forma

  3. rodrigues
    terça-feira, 1 de dezembro de 2020 – 9:44 hs

    O povo que não é bobo eliminou a extrema direita babosenta…….

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*