João Arruda prevê percorrer Linha Verde em 25 minutos | Fábio Campana

João Arruda prevê percorrer
Linha Verde em 25 minutos

O candidato a prefeito de Curitiba, João Arruda (MDB), apresentou nesta quarta-feira (29) a proposta de reestruturação da Linha Verde, com a eliminação dos semáforos e nove obras de intervenções, entre trincheiras e viadutos. “Vamos diminuir o tempo do trajeto de uma hora para 25 minutos. Isso vai impactar de forma positiva na vida dos trabalhadores de Curitiba e da região metropolitana que precisam usar a Linha Verde, de automóvel ou de ônibus. Será um grande avanço para a mobilidade urbana da capital e mais tempo para os curitibanos poderem passar com a família”, explicou João Arruda.

A proposta integra o plano estratégico do MDB para reestruturação e renovação urbana, elaborado pelo arquiteto e urbanista, Luiz Forte Netto. “A Linha Verde, além de ser uma obra que demorou tempo demais para chegar ao estágio atual e ainda não foi concluída, se tornou um gargalo que dividiu a cidade em duas. Precisamos intervir rápido para resolver esse problema e não ficar dormindo no ponto como faz o Ippuc atualmente”, disse João Arruda.

A Linha Verde, uma das vias estruturais da cidade no sentido Norte-Sul, tem 22 quilômetros e vai do Atuba ao Pinheirinho, passando por 23 bairros. “Não possível continuar com tão poucas passagens para pedestres e com os semáforos do jeito que foi feito, prejudica tanto pedestres quanto motoristas. Precisamos de uma Curitiba que integre centro e periferia, mas também entre os próprios bairros, superar essa visão de Curitiba apenas do centro”, completou.

Forte Netto aponta que as obras podem ser realizadas num cronograma de quatro anos, pois a cidade tem experiência com obras estruturais dentro do prazo planejado, diferentemente da Linha Verde. “A média de obras para as transposições tem sido de uma a cada gestão, como ainda serão necessárias nove, no ritmo atual serão necessários 36 anos para realizá-las! O orçamento da prefeitura pode direcionar os recursos necessários para a obra ser realizada em quatro anos, sem necessidade de financiamento. Só depende de vontade política”, destacou o urbanista.


Um comentário

  1. Marcos
    quarta-feira, 30 de setembro de 2020 – 22:46 hs

    O Arruda insiste com o Forte Neto que é do tempo das diligências.
    Não dá, precisamos de idéias novas do século 21. Ele mantém as idéias retrógradas do tio maria louca.
    Patético.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*