Goura quer um projeto inovador para Curitiba | Fábio Campana

Goura quer um projeto
inovador para Curitiba

O deputado Goura prepara seu programa de governo centrado na ideia de superação do projeto que está em vigência desde 1970 e que, segundo ele, já não responde às necessidades que se acumularam desde então pelas mudanças profundas na vida urbana e pelo próprio crescimento de Curitiba. “Em termos de inovação, a gente está estagnado. Curitiba vive desse eco do que ela foi nos anos 70, 80. Da inovação que foi legítima em termos urbanísticos, mas que não foi acompanhada nas décadas seguintes”, observa.

“Somos uma cidade que não tem uma política de compostagem de tratamento de resíduos sólidos. Nenhuma política para mobilidade ativa, não só para os ciclistas, mas os pedestres, as pessoas com deficiência”, afirma. “Uma cidade que reforçou suas desigualdades sociais nos últimos anos. A gente não só tem que ter um projeto de uma Curitiba menos desigual, que seja verdadeira nas suas propostas ecológicas, de sustentabilidade, sob pena de provocarmos um esgarçamento ainda maior das relações sociais”, diz o deputado.

A avaliação é de Goura (PDT), para quem a cidade precisa retomar a formulação de políticas criativas que façam frente às necessidades atuais da população, ainda mais em um cenário de pandemia e aprofundamento das desigualdades sociais.
“Eu acho que a cidade está parada no tempo. A gente vive com contratos com direcionamentos com essas grandes empresas que dominam a cidade há décadas. Reconhecida como referência em urbanismo a partir dos anos 70, as administrações públicas de Curitiba “pararam no tempo”, vivendo dos “louros” do passado, sem conseguir avançar, e sem capacidade de inovação para enfrentar os desafios do presente e do futuro.”


4 comentários

  1. ímpio
    segunda-feira, 21 de setembro de 2020 – 18:01 hs

    Um dia ouvi uma coisa muito, muito interessante que se aplica bem às propostas do deputado, diz assim, o chão do inferno está cheio de almas bem intencionadas. Infelizmente o progresso não pode parar, então ideais como as do deputados não passam de boas intenções, principalmente após o término desta praga. Precisamos retomar com toda força possível o tempo perdido, depois podemos pensar em projetos mais “criativos”. Vamos viver tempos de pós-guerra.

  2. Veredicto
    terça-feira, 22 de setembro de 2020 – 11:57 hs

    Pelo visto o candidato leu o livro Os Escolhidos de Gaia, onde suas teorias de aplicam:
    Um mundo utópico que só na imaginação dos sonhadores tem acolhida.
    A propósito. a autora do Livro chama-se Marcela Mariz e foi publicado pela editora Gutemberg.
    Nas na sua capa tem um aviso interessante aos leitores:
    ” Não venha para o Mundo Perfeito”.
    Por que será?

  3. marcia flores
    terça-feira, 22 de setembro de 2020 – 12:31 hs

    Está mais do que provado que esta pandemia é fruto de uma sociedade que em nome do progresso não tem compromisso com preservação e sustentabilidade.Uma mentalidade predatória e extrativista que está nos levando para o buraco.

  4. Rodrigo Santana Rocha
    sábado, 26 de setembro de 2020 – 14:13 hs

    Ótimo.
    Mas, a cidade toda precisa de reformas. Ainda mais para quem tem mobilidade reduzida.
    Calçadas estão em péssimo estado de conservação. Rampas de acessibilidade, estão quase todas ruins. Calçadas, inclusive na frente do hospital do trabalhados são péssimas até para que anda normal. Imagine que precisa de muletas. Pior. Pense num cadeirante.
    Nem preciso citar os outros bairros. Precisamos urgente de reformas em toda a cidade para evitar acidentes, como foi meu caso. Estou a um 1 ano e 4 meses dependendo de muleta para andar por conta de um acidente em uma calçada do centro.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*