Construído com ajuda do povo, Erastinho é o primeiro hospital oncopediátrico do Paraná | Fábio Campana

Construído com ajuda do povo, Erastinho é o primeiro hospital oncopediátrico do Paraná

Solenidade contou com a presença do governador Ratinho Junior

Bem Paraná – Depois de um ano e meio de obras e de uma série de campanhas que contaram com intenso engajamento da sociedade, o Erastinho, primeiro hospital oncopediátrico do Paraná, idealizado pelo Hospital Erasto Gaertner, foi inaugurado ontem em Curitiba. A unidade atenderá exclusivamente crianças e adolescentes com câncer com capacidade anual de até 17 mil consultas, 500 cirurgias e mais de 85 mil procedimentos.

Conforme dados do Ministério da Saúde, a cada ano uma média de 178 jovens morrem no Paraná vítimas dos mais diversos tipos de neoplasias. Considerando apenas os atendimentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), temos ainda 4.021 hospitalizações por ano. Enquanto o número de óbitos tem registrado queda, contudo, as internações devido a neoplasias estão se tornando mais frequentes (em 2019, por exemplo, foram 4.600).

“No Paraná esperamos registrar 600 novos casos de câncer em crianças e adolescentes por ano. Com o Erastinho, estaremos preparados para atender pelo menos 50% desse número de pacientes que serão diagnosticados. Com certeza o Erastinho está vindo para contribuir, e muito, com a melhoria do atendimento e do tratamento de crianças e adolescentes no nosso estado”, afirmou Mara Albonei Pianovski, diretora do Hospital Erastinho e atual chefe do Serviço de Pediatria do Hospital Erasto Gaertner.

Ao todo o projeto, lançado em 2015, exigiu investimento de R$ 30 milhões. Boa parte desse montante (R$ 22 milhões) foi obtido através de um convênio firmado com o Governo do Paraná, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SESA). O restante do valor para a conclusão da obra, entretanto, veio com a ajuda da sociedade civil e de parcerias entre os diferentes poderes, com a realização de eventos, projetos e doações espontâneas.

Além disso, a obra do hospital respeitou os parêmetros internacionais de sustentabilidade e de promoção da saúde, dentro do conceito Green Hospital. Com isso, o Erastinho se tornou a primeira instituição brasileira a conquistar, simultaneamente, as certificações LEED for Healthcare e WELL Building Certification, selos que atestam o menor impacto ambiental nos serviços e a possibilidade de otimizar recursos na operação do edifício, visando a práticas sustentáveis.

Por conta disso o hospital, construído pela RAC Engenharia, pode ainda ser alçado à condição de único oncopediátrico do país a contar com a inédita dupla certificação internacional, um lastro de excelência no uso das edificações para a promoção da saúde e da redução de impacto no meio ambiente.

Crise do coronavírus pode impactar nos casos de câncer

A cada ano, quase 11 mil vidas são ceifadas no Paraná por conta do câncer. E com a crise do coronavírus, o temor de oncologistas é que haja um aumento no número de óbitos e casos graves de neoplasias, devido aos casos de abandono do tratamento e na redução/retardo nos diagnósticos de câncer, conforme aponta o doutor Bruno Roberto Braga Azevedo, presidente da regional do Paraná da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO).

“O paciente oncológico, na grande maioria das situações, não pode ficar em casa, esperando sair a vacina [contra a Covid-19] para retomar o tratamento. Não gozamos desse tempo para ficar aguardando e observamos que o paciente parou de ir do consultório”, afirma o especialista, num alerta que é ainda reforçado pelo oncologista e professor do curso de Medicina da Universidade Positivo, Luiz Antonio Negrão Dias.

“O câncer possui no tempo um fator progressivo, uma corrida contra o relógio, principalmente quando é no pâncreas ou pulmão. Enquanto os pacientes estão isolados, a doença está progredindo com risco de que o diagnóstico possa ser retardado a ponto de determinar a diferença entre cura ou não do câncer. Não temos como prever isso agora e muito vai depender da agilidade de diagnóstico e tratamento após a pandemia”, informa.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*