Coadjuvante | Fábio Campana

Coadjuvante

Em Curitiba, o PT lançou o desconhecido Paulo Opuszka e boa parte do partido demonstra que prefere votar em outro candidato, de outra sigla. Camila Lanes, do PCdoB, é a alternativa mais citada. Antes disso tentou ir à reboque do MDB, acenando com a improvável candidatura do ex Requião para prefeito.

Em declínio eleitoral, o Partido dos Trabalhadores perdeu 60% das prefeituras que conquistou em 2012 e a expectativa para este ano é ainda pior. Os analistas acham que o PT tem tudo para ser coadjuvante do PSOL e do PCdoB nos grandes centros urbanos.

O exemplo mais claro é a candidatura de Guilherme Boulos à prefeitura de São Paulo, com apoio do PT que não terá candidatura própria. O único nome possível seria o de Fernando Haddad, mas ele aparece em terceiro lugar nas pesquisas domésticas. Em Salvador, até o candidato do PCdoB aparece à frente do candidato do PT, que é partido do governador da Bahia, Rui Costa.

O mais grotesco é o que acontece em lugares em que os petistas fazem qualquer coisa para sobreviver. É o caso de Itapuã Paulista, em São Paulo, onde foi registrada no TRE a chapa da petista Sirlene Almeida Camargo tendo como vice o PM Aguinaldo Domingues da Cruz, do PSL. A coligação conta com apoio do DEM, MDB, PDT e PTB. Agora, a ex-legenda do presidente Bolsonaro quer determinar a anulação do acordo.


2 comentários

  1. PitBull
    sexta-feira, 25 de setembro de 2020 – 17:16 hs

    KKK …cadê a Crazy

  2. sexta-feira, 25 de setembro de 2020 – 21:06 hs

    kkkkkk… cadê o Betinho

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*