Vingativa, Globo transforma jogo do Athletico em 'fantasma' | Fábio Campana

Vingativa, Globo transforma
jogo do Athletico em ‘fantasma’


Cosme Rímoli Do R7

Ninguém verá Athletico e Fluminense. A Globo entrou na justiça. E travou a MP 984. Usa o clube como exemplo, para quem ousar desafiá-la. Globo consegue travar na Justiça, MP da democratização do futebol, por enquanto

A emissora que, há décadas, teve o monopólio de transmissão do futebol no Brasil, está lutando como pode contra a democratização, a modernidade no esporte. Procurando a justiça até para ir contra os clubes, enfrentando até a Medida Provisória 984, do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Ela permite que, como na Europa, o clube mandante seja o responsável pela transmissão de suas partidas. Mesmo que o adversário tenha contrato com uma emissora. A MP foi promulgada em 18 de junho de 2020. Está em pleno vigor. Tinha 60 dias e foi prorrogada por mais 60 dias, como manda a Constituição, para que dê tempo para ser analisada pela Câmara dos Deputados e Senado. E deixe de ser provisória, se transformando em um parágrafo da Lei Pelé, a que rege o futebol no país. Foi assim que o Flamengo, sem contrato com a Globo, se tornou dono de seus jogos como mandante, nas partidas decisivas do Campeonato Carioca.

A concorrente Turner, que conseguiu romper o monopólio na tevê fechada, e tem contrato com sete clubes no Brasileiro, tenta usar a MP para mostrar os jogos de : Athletico, Bahia, Ceará, Coritiba, Fortaleza, Internacional, Palmeiras e Santos.

Mas advogados da emissora conseguiram, por enquanto, barrar as transmissões. A Globo, vingativa, ainda processa a emissora norte-americana.

E a vingança segue forte contra quem ousar ‘desafiá-la’, mesmo usando a legislação do país.

O clube não tem contrato de pay-per-view com a Globo. Considera os valores oferecidos baixíssimos.

E decidiu criar a sua plataforma de streaming, a Furacão Play.

Usar a Medida Provisória 948.

Transmitir seus jogos como mandate, como fez o Flamengo, no Carioca.

Mas a Globo acionou seu grupo de advogados.

Conseguiu que a 15ª Vara Cível da Comarca de Curitiba impedisse a transmissão dos jogos da equipe do Paraná. E impôs uma multa de R$ 2 milhões por partida que a Furacão Play ‘ousar’ mostrar.

A medida já impediu a transmissão da partida contra o Palmeiras, na quarta-feira.

Amanhã, será a mesma coisa, diante do Fluminense, na Arena da Baixada.

E a Globo foi muito vingativa.

Para mostrar seu poder, ela transformará a partida em fantasma.

Ninguém a verá.

O público está impedido de ir ao estádio, por conta da pandemia.

A Turner segue travada na justiça de exercer a MP 984 e não pode mostrar o jogo.

A Furacão Play, a mesma coisa.

E a Globo decidiu não mostrar o jogo na tevê aberta.

Foi além.

Avisou a direção do Athletico que, se o clube insistir em tentar usar a medida presidencial para transmitir seus jogos no pay-per-view, como mandante, como autoriza a legislação, tomará uma providência drástica. Rescindirá o contrato na tevê aberta. Ou diminuir o pagamento já combinado.

“É preciso ter bem claro que, a prevalecer a manobra do réu, em frontal violação aos contratos já celebrados, a autora reavaliará a conveniência de manutenção dos contratos já celebrados e a possibilidade de interrupção de todos os pagamentos ainda pendentes de acordo com esses contratos ou sua eventual redução”, diz a ação aprovada na 15ª Vara Cível da Comarca de Curitiba.

Violência, ameaça.

A Globo está usando o Athletico como exemplo. Para os clubes que ousarem enfrentá-la. Não tomou a mesma providência com o Flamengo, pela força popular do clube de maior torcida no país, e seu principal aliado há décadas. Equipe que mais mostra jogos ao vivo há décadas.

A atitude da Globo é revoltante. A emissora promete tomar a mesma atitude com outros clubes que a enfrentá-la. E usar a Medida Provisória do presidente da República. É algo lastimável. E que só depende da Câmara e do Senado. Basta a MP virar lei. Aí, o império do monopólio ruirá de vez.

A Globo já faz pressão em Brasília para travar a MP. Mas ela deverá ser votada. Ainda em 2020. A transmissão do futebol tem de ser democratizada…


5 comentários

  1. roberto
    domingo, 23 de agosto de 2020 – 9:29 hs

    Qual o nome do juiz que julgou a causa?

  2. Larry de Camargo Vianna Nascim
    domingo, 23 de agosto de 2020 – 9:31 hs

    Tomara que esta porcaria quebre de uma vez. Assim vamos ter sossego.

  3. Marcos
    domingo, 23 de agosto de 2020 – 11:29 hs

    Por que um clube pequeno do tamanho do hathlético vai brigar com a Globo?
    Estava na cara que ia se dar mal, o pior que a Globo ajudou o distinto público hathletichano a não ver a derrota em plena baixada para o fraquíssimo Fluminense.
    O Metralia é patético!

  4. Palhares
    domingo, 23 de agosto de 2020 – 13:27 hs

    Podia fazer uma campanha para todos torcedores dos Times envolvidos , não assistirem mais esta rede de emissora!
    E se as emissoras concorrentes aproveitarem a oportunidade ainda saem ganhando com esta situação#
    Simples assim!

  5. Coxa branca
    domingo, 23 de agosto de 2020 – 19:15 hs

    Dá-lhe Globo! Uhuuuu!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*