Após Hong Kong, Bélgica e Holanda relatam possíveis casos de reinfecção de coronavírus | Fábio Campana

Após Hong Kong, Bélgica e
Holanda relatam possíveis casos
de reinfecção de coronavírus

Profissionais da saúde de Hong Kong com equipamentos protetores contra a Covid-19Um dia após cientistas de Hong Kong terem anunciado um caso de reinfecção pelo coronavírus Sars-CoV-2, um canal de televisão holandês relatou dois novos possíveis casos de reinfecção, um na Bélgica e um na Holanda.

A divulgação do caso na Holanda foi feita por uma virologista do governo, Marion Koopmans. No entanto, a própria especialista disse que, para confirmar que se trata de uma recontaminação, os pesquisadores devem ser capazes de demonstrar que os códigos de RNA do vírus são diferentes.

Para confirmar a reinfecção, é preciso fazer uma análise do genoma dos dois vírus e comparar a sequência do RNA —molécula “prima” do DNA, com uma única fita— para ver se são de fato duas linhagens diferentes. As informações são da Folha.

“O importante é saber qual a frequência de casos [de reinfecção] na população. A infecção [pelo coronavírus Sars-CoV-2] possui uma impressão digital, um código genético. As pessoas podem estocar por um bom tempo em seu organismo o vírus e excretar um pouco do material genético viral de tempos em tempos”, afirmou Koopmans.

Ela disse que o paciente holandês com aparente reinfecção é uma pessoa de idade e com sistema imunológico debilitado.

No caso de Hong Kong, o paciente, um homem de 33 anos, foi infectado em 26 de março e se recuperou da Covid-19 em 14 de abril. A segunda infecção, assintomática, foi detectada em um teste feito em aeroporto em 15 de agosto, quando ele voltava de uma viagem à Espanha. Ele apresentou anticorpos neutralizantes no sangue, adquiridos na primeira infecção, em exame sorológico.

A análise genética do material coletado nos dois períodos revelou uma sequência de RNA diferente, com pelo menos 23 nucleotídeos (elementos que compõem o material genético dos seres vivos) distintos.

Já o caso da Bélgica foi reportado pelo virologista Marc Van Ranst na noite de segunda-feira (24) e também está sob investigação. A informação divulgada é que o paciente não desenvolveu anticorpos suficientes no primeiro contágio, três meses atrás.

Em todo o mundo, investigações de casos suspeitos de reinfecção intrigam cientistas, que se debruçam em pesquisas para compreender não só como o organismo reage a uma segunda contaminação, mas também o processo de evolução e mutação do vírus na população.

Os primeiros casos reportados de possível reinfecção em fevereiro, no Japão, parecem casos de pacientes que continuaram a expelir material genético viral após um longo período de tempo.

Um estudo coreano avaliou pessoas que, após isolamento de 14 dias, foram acompanhadas e continuaram a eliminar o vírus nas vias aéreas respiratórias, mas possivelmente não transmitiam mais o vírus.

O estudo de Hong Kong foi o primeiro a efetivamente comprovar duas infecções distintas em um mesmo paciente. Os autores concluem que houve duas contaminações por linhagens distintas, mas estudos mais aprofundados serão necessários para compreender melhor a circulação do vírus e se esses casos podem influenciar no desenvolvimento de uma vacina.

Para Natália Pasternak, doutora em microbiologia pela USP e presidente do Instituto Questão de Ciência, não há motivos para pânico com esses anúncios. “Na verdade, o que aconteceu é perfeitamente compatível com uma resposta imune protetora, e compatível com o que buscamos em vacinas”, escreveu em seu Twitter, ao explicar que uma segunda infecção assintomática é um sinal de provável proteção do corpo ao desenvolvimento da doença, mesmo que não impeça completamente a transmissão.

Outros especialistas reforçam essa ideia. A OMS (Organização Mundial da Saúde) não comentou os dois casos europeus, mas citou o exemplo de Hong Kong para reforçar o pedido de cautela. “Não precisamos tirar conclusões precipitadas, mesmo que este seja o primeiro caso de reinfecção documentado”, disse Maria Van Kerkhove, médica à frente da organização no combate ao coronavírus.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*