Marin desembarca no Brasil | Fábio Campana

Marin desembarca no Brasil

Poder360

O ex-presidente da CBF José Maria Marin, 87 anos, desembarcou na manhã deste domingo (05) no Brasil depois de passar quase 5 anos detido na Suíça e nos Estados Unidos. Ele havia sido condenado no Fifagate.

Marin viajou de Nova York para Orlando (na Flórida) no sábado (04). De lá, embarcou à noite no voo 8707 da companhia aérea Azul. Ele veio desacompanhado e chegou por volta de 7h30 no aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), cidade que fica a 94 km de São Paulo.

A ideia agora é que fique em sua residência, em São Paulo. É possível que nesta semana também se submeta a 1 check-up de saúde completo.

“A equipe de defesa de José Maria Marin está muito feliz que ele tenha retornado para casa, depois de quase 5 anos. Nós estamos muito gratos aos promotores e à juíza Pamela Chen, da Corte Federal do Brooklyn, em Nova York, por terem concordado com a redução da pena. Desejamos a José Maria Marin que ele agora desfrute da convivência de sua família, com saúde e alegria”, disse ao Poder360 o advogado Julio Barbosa, que esteve à frente do time que defendeu Marin durante o processo.

O ex-presidente da CBF foi detido em 27 de maio de 2015 num hotel em Zurique, na Suíça. Ele e outros dirigentes do futebol mundial estavam sendo investigados por corrupção na condução de várias entidades esportivas. O processo de apuração já corria desde 2011, conduzido pelo FBI, a Polícia Federal dos EUA.

As principais suspeitas eram sobre ilegalidades nos processos de escolha das sedes das Copas da Rússia (2018) e Qatar (2022). Também havia à época suspeita de tráfico de influência no acerto de contratos de marketing e direitos de transmissão.

Marin ficou numa prisão na Suíça por 5 meses até ser deportado para os EUA. Ao chegar em território norte-americano, pagou uma fiança de US$ 15 milhões. Ficou então 2 anos em prisão domiciliar num apartamento que mantinha há muitos anos na Trump Tower, complexo de lojas e residências na 5ª Avenida, em Nova York. Tinha restrições severas para sair do imóvel. Podia ir duas vezes por semana a uma igreja nas proximidades e assistir à uma missa.

Em 22 de agosto de 2018, Marin foi finalmente condenado a 4 anos de prisão. A sentença proferida pela juíza Pamela Chen determinava que ele pagasse uma multa de U$ 1,2 milhão e devolvesse U$ 3,3 milhões por prejuízos causados.

Entre os crimes imputados a Marin estavam os de organização criminosa, fraude bancária e lavagem de dinheiro durante os anos em que foi presidente da Confederação Brasileira de Futebol, de 2012 a 2015. Ele foi acusado de participar de atos irregulares em atividades relacionadas aos torneios Copa Libertadores da América, Copa do Brasil e Copa América.

Além da multa, Marin foi demandado na Justiça dos EUA a devolver US$ 44 milhões para a Concacaf (Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe), US$ 37 milhões para a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) e US$ 4 milhões para a Fifa (Federação Internacional de Futebol).

Durante os últimos anos o advogado Julio Barbosa conseguiu reduzir o valor de todas esses pedidos de ressarcimento para apenas US$ 2 milhões.

Os 4 anos de pena iriam até o início de 2021. A Justiça de Nova York decidiu aceitar o pedido da defesa e a pena foi reduzida em 30 de março de 2020, quando Marin recebeu sua sentença de liberdade.

O benefício foi concedido por razão humanitária (“compassionate release”) e por causa do “elevado risco de sua saúde ser comprometida por causa do surto de covid-19”, escreveu a juíza Pamela Chen. O ex-dirigente da CBF já havia cumprido 80% de sua pena. Estava num presídio da Pensilvânia.

Por causa de trâmites burocráticos, Marin acabou saindo da prisão apenas em 2 de abril de 2020. Neste domingo (05), desembarcou de volta ao Brasil.

DECISÃO DA JUSTIÇA

Eis a decisão, em inglês, da Justiça dos EUA sobre a liberação de José Maria Marin:

U.S. District Court
Eastern District of New York

Notice of Electronic Filing

The following transaction was entered on 3/30/2020 at 12:49 PM EDT and filed on 3/30/2020

Case Name: USA v. Webb et al

Case Number: 1:15-cr-00252-PKC-RML

Docket Text:

ORDER granting [1325] Motion to Reduce Sentence as to Jose Maria Marin: The Court grants Defendant Jose Maria Marin’s motion [1325] for compassionate release, pursuant to 18 U.S.C. § 3582(c)(1)(A), for the reasons stated in his motion, including his advanced age, significantly deteriorating health, elevated risk of dire health consequences due to the current COVID-19 outbreak, status as a non-violent offender, and service of 80% of his original sentence. Although Defendant has not exhausted his administrative remedies in the manner prescribed by Section 3582(c), because the government is consenting to the requested sentencing reduction, the Court deems Section 3582(c)’s exhaustion requirement as having been met. See United States v. Monzon, 99cr157 (DLC), 2020 WL 550220, at (S.D.N.Y. Feb.4, 2020) (noting that “Second Circuit has not yet answered the question of whether § 3582(c)[‘s exhaustion requirement] is jurisdictional,” and, though not resolving the jurisdictional question, denying Section 3582(c)(1)(A) request where government opposed the request and defendant failed to exhaust administrative remedies). A Second Amended Judgment will be filed. Ordered by Judge Pamela K. Chen on 3/30/2020. (Abdallah, Fida).


2 comentários

  1. Intruso
    domingo, 5 de abril de 2020 – 17:43 hs

    Não entendi pq teve q ser a justiça EUA.. Q delito ele comteu lá??
    Ou seria pela soma de grana envolvida no tema??

  2. pitbull
    segunda-feira, 6 de abril de 2020 – 11:19 hs

    Mais uma PRAGA para engrossar a extensa lista de corruptos e soltos no Brasil

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*