Relação entre governadores e Bolsonaro está estremecida | Fábio Campana

Relação entre governadores e Bolsonaro está estremecida

Por Julia Duailibi, G1

O pedido de socorro das secretarias de Fazenda dos estados de R$ 15,66 bilhões ao governo federal chega num momento de relações estremecidas da maioria dos governadores com o presidente Jair Bolsonaro.

O presidente chegou a questionar ações tomadas pelos estados, como as de restrição de circulação das pessoas, afirmando que elas poderiam afetar a economia e, portanto, o seu governo. Ele sugeriu que as medidas tinham componente político.

Os governadores rebatem e afirmam que as decisões têm amparo técnico e estão em consonância com as medidas de segurança epidemiológica que vem sendo adotadas por diferentes países.

O aporte do governo federal de R$ 15,6 bilhões mensais foi solicitado pelas secretarias estaduais pelos próximos três meses como forma de socorro na área da saúde devido ao novo coronavírus e para enfrentar as repercussões econômicas do vírus no país.

Estados preveem queda de 20% na arrecadação
Os estados preveem uma queda de 20% em arrecadação em função da Covid-19, por meio da queda nas receitas com ICMS, royalties, participações especiais e Fundo de Participação estadual.

O valor do aporte foi fechado na noite desta quarta-feira (18) em reunião do Comsefaz (Comitê Nacional de Secretários de Fazenda, Finanças, Receita ou Tributação dos Estados e do Distrito Federal). No encontro, foram elaborados dois ofícios que serão enviados nesta quinta ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

São demandados R$ 14 bilhões por mês, sem prazo definido, para mitigar a queda de receita e outros R$ 5 bilhões, durante três meses, para a saúde, totalizando os R$ 15,6 bilhões.

“Esse montante é o valor inicialmente solicitado pelos Estados, que se refere ao segundo item de sugestões da Carta do dia 16 de março, sob a designação de ‘liberação de emergência de recursos livres para reforço da capacidade financeira dos estados’, e deve ser considerado pela União na sua avaliação de soluções fiscais que viabilizem a travessia da crise”, diz o ofício enviado ao ministro Paulo Guedes, fazendo uma referência à Carta elaborada pelos Estados no começo da semana.

Na última segunda-feira, o Comsefaz divulgou o documento solicitando medidas urgentes por parte do governo federal para lidar com a pandemia.

Entre as medidas, os governadores pedem:

– suspensão por 12 meses dos pagamentos de amortização e juros de dívidas com União e bancos públicos;

– aprovação imediata das medidas contidas no Plano Mansueto;

– plano de ajuda para recuperar as finanças dos estados;

– linhas de crédito do BNDES para o custeio da saúde;

– investimentos e abertura de linha de crédito subsidiada pelos bancos públicos para o pagamento de precatórios.

O Comitê Nacional de Secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz) afirma que a suspensão dos pagamentos de amortização e juros devidos à União e a bancos públicos “poderá importar no reforço de caixa da ordem de R$ 3 bilhões por competência mensal”.


3 comentários

  1. Gustavo Reis
    quinta-feira, 19 de março de 2020 – 12:28 hs

    Os secretários de fazenda estão chorando, mas deviam estar preocupados com os contribuintes, postergando o pagamento de impostos, inclusive as prefeituras, para evitar uma explosão da inadimplência.
    As pessoas não vão ter dinheiro pra pagar IPTU, ISS, IPVA, Imposto de renda, etc
    Vai cair o nível de emprego e consumo drasticamente.

  2. PEDROCA DO SUDOESTE
    quinta-feira, 19 de março de 2020 – 17:16 hs

    Os governos Estaduais e o Federal, deveriam em pensar, em como irão socorrer os pequenos empresários neste período. Tudo correto, fazer com que a população fique em casa. Só está vendendo os postos de combustíveis ,farmácias e supermercados. Os impostos continuam, os salários também. Ninguém fala a curto prazo em fazer carência para pagar impostos. Vai ser uma quebradeira.

  3. JM
    sexta-feira, 20 de março de 2020 – 9:27 hs

    Na minha opinião, esse coronavírus já encheu, fecham tudo, mas até agora não vim ninguém falar em fechas motéis. Outra coisa igrejas católicas, não tem pessoas, mas as outras???????

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*