Governo do Paraná reforça cuidados e apoio aos caminhoneiros | Fábio Campana

Governo do Paraná reforça cuidados
e apoio aos caminhoneiros


Da AEN

O Governo do Estado adotou uma série de ações para facilitar o trabalho dos profissionais do transporte rodoviário de cargas. As medidas são para garantir a saúde dos caminhoneiros, evitar a proliferação do coronavírus no Paraná e garantir o abastecimento de produtos.

Decreto assinado pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior estabeleceu as 33 atividades essenciais que precisam manter o funcionamento mesmo com a orientação para se evitar a circulação. Basicamente, serviços de interesse público. Entre eles está o transporte e entrega de cargas em geral.

Além disso, a normativa prevê que serviços de alimentação como restaurantes e lanchonetes localizados nas rodovias devem permanecer abertos. O mesmo vale para empresas de manutenção dos veículos, como mecânicas, socorros e borracharias.

“Criamos um ambiente favorável para atender esses profissionais neste momento difícil, mostrando que o Paraná se preocupa com essa atividade tão importante para a população”, afirmou o governador.

DESDE O INÍCIO – Secretário da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex reforçou que o Estado está ao lado dos caminhoneiros desde o início da crise do coronavírus no País. Ele contou que entrou em contato com o Ministério da Agricultura para pedir que os pátios de carregamento colaborassem com a distribuição de insumos e alimentação, além de permitir a higienização dos profissionais.

“Fomos prontamente atendidos pela ministra Tereza Cristina. Por determinação do governador Ratinho Junior, defendemos os caminhoneiros desde sempre”, ressaltou o secretário. “Também não fechamos estradas em momento algum”, completou.

PEDÁGIO – O Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná (DER-PR), por sua vez, emitiu ordens de serviço que garantem outros benefícios aos trabalhadores. As praças de pedágio se tornaram centrais sobre o Covid-19, reforçando inclusive as informações sobre locais de alimentação e manutenção dos veículos.

Sandro Alex explicou que a Rodonorte criou um ponto de apoio aos caminhoneiros em São Luiz do Purunã, incluindo atendimento médico. A concessionária administra os trechos entre Curitiba e Apucarana e entre Ponta Grossa e Jaguariaíva.

Já a Caminhos do Paraná, responsável pelas ligações de Ponta Grossa, Araucária e São Luiz do Purunã com Guarapuava, garantiu a isenção do pagamento da tarifa para profissionais da saúde. “Tudo isso sem qualquer ônus para o Paraná”, destacou o secretário.

As concessionárias também disponibilizam álcool gel 70% em postos de serviço ao usuário e praças de pedágio. Ainda por determinação do DER, os locais passam por higienização e desinfecção constantes, assim como os veículos de apoio destinados a ajudar a população.

Medidas adotadas também pela empresa responsável pelo ferry boat na travessia entre Guaratuba e Caiobá, no Litoral do Estado.

PORTO – Já quem entra na faixa portuária, silo público, pátios de caminhões nos Portos do Paraná, em Paranaguá e Antonina, conta com estações de higienização. São pias e banheiros móveis, com sabão antisséptico e álcool em gel para lavagem de mãos.

Estão sendo adquiridos pela Portos do Paraná 20 mil litros de álcool em gel; 144 litros de sabonete de clorexidina 2% (usados em ambientes hospitalares); 5 mil pares de luvas; 10 mil unidades de máscaras cirúrgicas; 21 tendas e cabines elevadas; 200 metros lineares de grade isolamento, 32 chuveiros, 60 pias.

“A comunidade portuária sabe do importante papel que desempenha para servir a população brasileira neste momento de crise”, disse o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. “Por isso, redobramos os cuidados com quem está na linha de frente e que trabalha, diariamente, para manter o abastecimento de casas, mercados, indústrias e hospitais”, acrescentou.


2 comentários

  1. johan
    quarta-feira, 25 de março de 2020 – 18:36 hs

    Caro Fábio, todas as medidas adotadas pelo governo garantem a tranquilidade da população, que observa que está sendo assistida pelos governantes. Gostaria de aproveitar e sugerir ao governador a medida de postergar o recebimento dos impostos estaduais calculado por cada empresa no período, que essa cobrança seja efetivada com prazo de 90 dias após o encerramento dessa crise provocada,e o montante dividido em 12 parcelas mensais. Por outro lado, gostaria de lembrar que o parque industrial paulista foi montado na década de 20 e 30, quando o estado entrou em guerra contra a união. Nesse período os empresários paulista, num esforço de guerra impuseram algumas derrotas a união, por outro lado consolidou sua industria metal-metalúrgica mecânica. Agora o Paraná em estado de guerra contra esse vírus provocado, poderia por apoio do estado do paraná, incentivar as industrias que trabalham com produtos e equipamentos médicos de urgência, como respiradores. O governo convoca os empresários do setor, fornece-lhes recursos, para que de imediato passem a produzir esses material. É uma sugestão para ampliar o parque industrial paranaense. Atenciosamente.

  2. francisco cianfarani
    sexta-feira, 27 de março de 2020 – 9:48 hs

    Ontem assisti um pronunciamento do Senhor Governador do Estado, SR. Ratinho Junior, na televisão. Sua fala dava a impressão que seu Governo está com atenção voltada também para a saúde das empresas paranaenses. Por outro lado, centenas de empresas Paranaenses têm créditos de ICMS, represados pelo Estado do Paraná, os quais não podem ser compensados com o ICM devido no mês, tendo de satisfazer uma regra criada implantada pela Secretaria da Receita Estadual, que faz que esses créditos oriundos da Lei Kandir, perdurem décadas para ser compensados. Agora seria uma boa hora para que o Estado como disse o Senhor Governador que irá apoiar as empresas paranaenses no pagamento do ICMS estadual, a compensarem senão no total, mas num percentual três vezes maior do atual, colaborando assim com a saúde das empresas detentoras desses creditos

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*