Prefeitos citam prejuízos na proposta que extingue municípios | Fábio Campana

Prefeitos citam prejuízos na proposta que extingue municípios

Prefeitos citaram possíveis prejuízos com a aprovação das propostas que tramitam no Congresso Nacional e que preveem a extinção de cidades com menos de 5 mi habitantes. O assunto foi tema de audiência pública realizada na Assembleia. O prefeito de Barra do Jacaré, Adalberto de Freitas Aguiar (PP), disse que a medida não tem fundamento lógico. “Nosso município é totalmente agrícola e estamos caminhando bem. Temos uma arrecadação que gira em torno de R$ 1,2 milhão, folha de pagamento que estava alta, mas baixamos para 49%, uma das menores da região Norte e investimos 23% em saúde”, explicou, ao complementar que também estão fazendo pavimentação com emenda do Estado e com os recursos próprios.

Freitas Aguiar, que recentemente esteve em Brasília para tratar do tema, argumenta que o que causa o prejuízo não é o fato dos municípios não atingirem os 10%, mas sim o governo federal não repassar aos municípios o que é deles de direito.

O prefeito de Santa Lúcia, Renato Tonidantel (MDB), também acredita que a extinção irá prejudicar muito as cidades. “Nossa cidade se desenvolveu de forma extraordinária após sua emancipação e retroagir agora e voltar a pertencer a Capitão Leônidas Marques seria ruim ao desenvolvimento local”, disse o prefeito da cidade que tem quase 4 mil habitantes.

O presidente da Câmara de Vereadores da cidade, vereador Izael Dutra (PDT), que sugeriu a realização do evento deputado Romanelli, prevê que a proposta não tem clima para prosperar em Brasília

“Quando recebemos essa notícia, imediatamente conversamos com o deputado Romanelli, que sempre foi um municipalista e defensor dos municípios para que ele convocasse uma audiência para debater esse tema. Ele prontamente atendeu nosso pedido e hoje promoveu esse importante debate”, explicou o vereador da cidade que tem perto de 3 mil habitantes e seria incorporada ao município de Andirá.

União – Presidente da Associação Municipal do Norte do Paraná (Amunop), prefeito de Sertaneja, Jamison Donizete (PSD), afirmou ser totalmente contrário a proposta porque é nos pequenos municípios que a população reside e é lá que a atividade pública é feita.

“Não acreditamos que essa propositura seja a solução dos problemas que o país enfrenta. A Assembleia está de parabéns por essa brilhante iniciativa de discutir a nível estadual esse tema e dar a oportunidade para nos manifestarmos.”. A Amunop representa 20 municípios, dos quais oito podem ser extintos com a possível aprovação da PEC.

A cidade de Jussara tem pouco mais de 7 mil habitantes e não seria afetada pela proposta, mas o prefeito Moacir Luiz Pereira Valentin, o Tatinha (PSDB) não vê com bons olhos a PEC. Ele que também preside a Associação dos Municípios do Médio Noroeste do Paraná (Amenorte) e representa 11 municípios, dos quais dois (Guaporema e São Manoel do Paraná) podem ser extintos.

“Será que Indianópolis que incorporaria São Manoel do Paraná e Rondon que agregaria Guaporema teria condições de atender com saúde, segurança e demais serviços essa população?”, indagou.

“Sabemos que as cidades de pequeno porte possuem estrutura para manter suas comunidades”, disse ao ressaltar que o apoio e a luta dos deputados são fundamentaist nessa luta.

Para o prefeito de Marumbi, Adhemar Francisco Rejani (PMB) a medida seria um retrocesso. “Nossa cidade perderia na saúde, na educação e na agricultura. Porque o munícipio sede não teria condições financeiras de dar um tratamento bom à nossa comunidade”, disse ao citar o fato de a cidade possuir um hospital municipal e atender os demais munícipes.

Área de anexos


14 comentários

  1. skeleton
    quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020 – 12:52 hs

    Querem fazer de exceções, regra. A maioria dos municípios pequenos vive é do FPM e mais nada, nem o IPTU resolve. A realidade dos municípios pequenos e superavitários é exceção neste oceano de municípios paupérrimos. Entendo o choro de prefeitos e vereadores, já se veem desempregados.

  2. Gustavo Reis
    quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020 – 12:56 hs

    Não surpreende;
    um deputado das cavernas faz um encontro na Assembleia para dar vazão á choradeira e gritaria deste monte de prefeitos e vereadores PARASITAS e inuteis, tentando garantir seus empregos, que consomem os nossos impostos, e são totalmente dispensáveis, em cidades deficitárias.
    Sugestão; façam um PLEBISCITO com a população, para ver se ela está de acordo em manter estes parasitas.

  3. Valdir bassai
    quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020 – 13:28 hs

    Que desespero dessa turma que ficam só esperando o dinheiro chegar do governo para fazerem a festa deles e a população… População só na eleição.
    Tem que diminuir o número de municípios sim e esses políticos que são contra comecem a preparar seus currículos e vão trabalhar.

  4. emilson pupo
    quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020 – 13:58 hs

    Sou a favor da extinção de municípios com atém 5 mil habitantes, é só cabide de emprego para políticos. As custas do contribuinte.

  5. PEDROCA DO SUDOESTE
    quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020 – 15:45 hs

    Óbvio que a matéria não passará no Congresso Nacional.Mas, os municipios precisam criar mecanismos para melhorar sua arrecadão própria. Outra coisa, precisam enxugar suas estruturas administrativas, tanto no Executivo,como no Legislativo, tirar super salários de certos prefeitos, vices,e algumas secretarias desnecessárias. Enfim, precisam ter estruturas enxutas. Isso é possível fazer.

  6. Gustavo Henrique
    quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020 – 15:57 hs

    O maior prejuízo é manter esse monte de vereadores, assessores, vice prefeito, prefeito, pagar água, energia, gastos com veículos, para bancar essa turma de imprestáveis!

  7. Orlando
    quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020 – 16:47 hs

    Todo o orçamento destes pequenos municípios são consumidos em salários de prefeito, vice-prefeito, vereadores, secretários e comissionados. Este orçamento deveria ir para os munícipes. E só fechando estas prefeituras isso aconteceria.

  8. geraldo pereira dda silva
    sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020 – 7:43 hs

    Gera prejuízo para os bolsos deles e suas cúpulas. Não tem calculadora?

  9. Rogério
    sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020 – 9:45 hs

    Se fizerem um a consulta a população, garanto que mais de 90 % são favoráveis a extinção destes municípios, chega de politicagem pra arrumar emprego pra prefeitos e Vereadores

  10. sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020 – 12:50 hs

    OS PEQUENOS MUNICIPIOS SAO CURRAIS ELEITORAIS DE DEPUTADOS E SENADORES,,,SÓ DESPESA COM CABO ELEITORAL

  11. jorge
    sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020 – 13:44 hs

    Tem que acabar com esta sangria do povo brasileiro. São safados espertalhões assaltando o povo brasileiro

  12. jose eduardo Valle Goncalves
    sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020 – 14:39 hs

    Pelo visto a maioria não quer saber mais de políticos vadiando, devem ser absorvidos os municípios pequenos sim. Romanelli faz proposta eleitoreira, não esta enganando mais. FORA

  13. Clovis Santos
    sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020 – 19:19 hs

    Atraso….foto do atraso desse Estado e desse país

  14. Fernando
    sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020 – 23:25 hs

    Para a população não muda nada pois nunca há recurso para nada…dependem de FPM, emendas…empréstimo a fundo perdido.
    Muda mesmo para o legislativo e executivo municipal e até estadual que toma uns votos…cambada !!!
    Vão trabalhar…ir a câmara uma vez por mês prá nada é melhor que puxar enxada todo dia…
    Basta…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*