13 milhões de parasitas | Fábio Campana

13 milhões de parasitas


Quando mais tenta escapar da reação negativa por ter chamado servidores de parasitas, mais o ministro Paulo Guedes se enrola. Agora, diz que pertence a “uma linhagem” de servidores, incluindo sua mãe. Ou seja: por serem parentes de Guedes não podem ser “de uma linhagem” de parasitas e mesmo se forem, não podem ser chamados dessa forma publicamente. E se ele não consertasse, poderia ser expulso dessa “linhagem”.

Para quem não tem ideia: hoje, são 13,2 milhões de brasileiros (ativos, inativos, civis e militares), que representam apenas 6,35% da população brasileira – e são os chamados parasitas do ministro Paulo Guedes. Desses, são 2,1 milhões federais, 4,6 milhões estaduais e 6,5 milhões municipais que gastaram R$ 1.129,0 bilhões em 2018 correspondentes a 16,53% do PIB. Esse percentual representou 50,97% da carga tributária que foi de 32,43% em 2017.

Na história do Brasil, a nação sempre foi refém de seus parasitas considerados trabalhadores “de primeira classe”. Tem direitos intocáveis, estabilidade de emprego, greves remuneradas, acionamento judicial sem perda de emprego, regime próprio de aposentadoria (não usam o INSS), planos de saúde (não usam o SUS), dentre outros privilégios impensáveis para os de “segunda classe” (iniciativa privada).

Quando mais tenta escapar de ter chamado servidores de parasitas, mais o ministro Paulo Guedes se enrola. Agora, diz que pertence a “uma linhagem” de servidores, incluindo sua mãe. Ou seja: por serem parentes de Guedes não podem ser “de uma linhagem” de parasitas e mesmo se forem, não podem ser chamados dessa forma publicamente. E se ele não consertasse, poderia ser expulso dessa “linhagem”.


7 comentários

  1. Fernando
    sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020 – 19:56 hs

    São Parasitas mesmo !!
    Só lhes interessam, anuênio, quinquênio, direito a greve sem qualquer sansão, isonomia, estabilidade e a conta é nossa !!!
    Quando vamos à uma repartição pública solicitar um serviço público conhecemos o que isto representa…aquele cartaz atrás da cadeira informando que desacato a funcionário público é crime…
    E os patrões, são os políticos que foram nomeados para tomar conta deste bando…evidente que não são todos, sobram uma dúzia…ou pouco mais.
    São Parasitas mesmo e pronto !!!

  2. claudinei Wach
    segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020 – 6:48 hs

    Tem algum equivoco ai: eu uso o SUS sim… não tenho regalias… afim quem tem regalias são eles que tem auxilo a tudo… exemplo os deputados do Paraná com o reembolso de diárias..

  3. airton
    segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020 – 9:51 hs

    É muito mimimi.

    Por óbvio que temos bons servidores públicos, entretanto, é obvio também que temos muitos parasitas, muitos mesmo.

  4. indignado 3
    segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020 – 11:09 hs

    No Brasil quem mente é aclamado, quem fala a verdade é odiado. Falta pouco para mudar esta realidade.Os mentirosos serão vencidos pela verdade

  5. Gustavo Reis
    segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020 – 13:52 hs

    Os parasitas são a elite do funcionarismo publico que o ministro citou,
    que é a caterva das estatais e do judiciário;
    salários fura teto e mordomias de juízes, promotores do MP.
    Essa onda usando o funcionarismo foi criado pelo Lula ladrão pra criar tumulto.

  6. indignado 3
    segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020 – 14:19 hs

    Quem comenta algo que vai contra este blog,
    não é divulgado, Melhor não ler mais este espaço, que só divulga se for contra o Bolsonaro.

  7. quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020 – 11:38 hs

    Filho de P
    P de Parasita
    O Parasita Mor falando dos Parasitas.
    Tenha Vergonha na cara Senhor G…..
    Para ele quanto mais gente trabalhando no uber é que tá bom. Socorro!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*