Pastor e deputado coletam apoios a partido de Bolsonaro durante culto | Fábio Campana

Pastor e deputado coletam apoios a partido de Bolsonaro durante culto


No domingo (20), o pastor Emerson Patriota, da Igreja Presbiteriana Central de Londrina, no Paraná, conclamou os fiéis que assistiam ao culto a assinarem a ficha de apoiamento à criação do partido Aliança pelo Brasil, legenda que o presidente Jair Bolsonaro tenta tirar do papel. Do altar, o pastor informou que havia um ônibus do partido no estacionamento da igreja e  um espaço do templo destinado à coleta de assinaturas e apresentação do programa partidário aos fiéis interessados. As informações são de João do Frey na Gazeta do Povo.

A organização da atividade partidária dentro do templo religioso foi responsabilidade do deputado federal Filipe Barros (PSL), um dos principais apoiadores de Bolsonaro no Congresso Nacional. Londrinense, Barros frequenta a Igreja Presbiteriana Central de Londrina.

“Nós assumimos o compromisso com o Filipe Barros de, como igreja, orar por ele, por sua missão. É muita luta, trevas contra a luz de Cristo e nós temos que cobri-lo com orações”, afirmou o pastor ao pedir aos fiéis apoiassem a criação do partido.

Barros defende a ação realizada na igreja. Segundo ele, a participação dos cristãos na política é natural e qualquer objeção a isso é “preconceito”, “cristofobia” e “tentativa de impedir que os cristãos participem da vida política”.

O deputado afirmou não haver nenhuma ilegalidade no ato e disse que já está em contato com outros pastores para fazer eventos de coletas de assinatura para o Aliança pelo Brasil em outras igrejas do Paraná.

Recentemente, o deputado foi umas das principais vozes do movimento “Tirem o PT do altar”, que foi capitaneado por católicos de Londrina. Questionado sobre uma possível incoerência de posicionamentos ele explicou que a Igreja Católica proíbe esse tipo de manifestação, já a Presbiteriana, não. “Na minha igreja a gente acredita que é papel do cristão participar da vida política”, afirmou.

A formalização da Aliança pelo Brasil ainda no começo deste ano é fundamental para Filipe Barros conseguir lançar sua candidatura à prefeitura de Londrina. Da ala bolsonarista do PSL, ele rompeu com o comando do partido para ficar do lado do presidente Jair Bolsonaro e, caso a nova legenda não esteja instalada ainda no primeiro semestre de 2019, ele não terá espaço para disputar as eleições de outubro pelo PSL e deverá rever os planos ou procurar uma nova sigla.

Ajuda dos cartórios
No convite aos fiéis para se filiarem à Aliança pelo Brasil, o pastor Patriota informou que funcionários de um cartório de Londrina estavam na igreja para ajudar nos trâmites burocráticos do apoiamento ao partido. Filipe Barros confirma essa informação. Segundo ele, a presença desses funcionários foi liberada por um ato do Tribunal de Justiça do Paraná.

De fato, uma decisão assinada em 17 de janeiro pelo corregedor-geral de Justiça do Paraná, desembargador José Augusto Gomes Aniceto, permite que “notários paranaenses, quando solicitados, possam dirigir-se aos eventos destinados à criação de partidos políticos, para realizarem reconhecimento de firma nas fichas de apoiamento disponibilizadas por cada partido”.”


6 comentários

  1. quinta-feira, 30 de janeiro de 2020 – 11:45 hs

    É o final dos tempos. Esqueceu de pedir o dizimo para pedir para os fiéis assinarem a ficha do partido político.

  2. skeleton
    quinta-feira, 30 de janeiro de 2020 – 16:04 hs

    Só faltou o pastor dizer que Alá é grande. E morte aos infiéis, ou seja, aos desafetos do boçal. Ou àqueles que não querem se filiar ao partido.

  3. quinta-feira, 30 de janeiro de 2020 – 16:43 hs

    VAMOS NOS FILIAR SIM PARA O BEM DO BRASILLLLLLLLLLLLLLL

  4. Veredicto
    quinta-feira, 30 de janeiro de 2020 – 18:12 hs

    Certo. Certíssimo. Se está dentro da lei por que não agir abertamente?. Se temos o pastor da nossa igreja, se temos o padre da nossa igreja, se temos o prefeito de nossa cidade, se temos o vereador do nosso bairro,se temos o professor dos nossos filhos, por que então não ter o Presidente da República que queremos?Sou cristão de origem católica onde ainda estão muitos de meus familiares e todos pensamos da mesma forma. Parabéns deputado Filipe Barros.

  5. luis
    sexta-feira, 31 de janeiro de 2020 – 10:59 hs

    Propaganda antecipada? Será que esse ônibus não caracteriza isso? Alias esse tipo de propaganda será declarada ao TRE ou não é necessário. Esse tal Barros não vai ser candidato esse ano a prefeito em algum lugar? Estamos em ano eleitoral! A criação de um partido não pode ser amparada por privilégio de exposição antecipada aos olhos dos eleitores! Se nada for feito esperem só para ver, pois onde passa um boi passa uma boiada!

  6. Recruta Zero
    sexta-feira, 31 de janeiro de 2020 – 13:39 hs

    Ueee ! Se o partido do trambique continua no altar católico de Londrina não há qualquer razão para a crítica dirigida contra a igreja evangélica ! O que faz a CNBB ? E os seguidores da Teologia da Libertação ?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*