Jornalismo, ou meu último desejo você não pode negar | Fábio Campana

Jornalismo, ou meu último desejo você não pode negar


Desmonte orquestrado faz a democracia balançar

Norma Couri

Paixão insaciável, o melhor ofício do mundo, segundo Gabriel García Márquez, no Brasil o jornalismo foi demolido nos poucos meses em que se tornou alvo preferencial do governo. Aprendemos a respeitar um jornalismo que já derrubou um presidente americano com o bloquinho de papel e a caneta de dois repórteres do Washington Post, no caso Watergate, em 1974. Aqui, o desmonte é orquestrado: primeiro, tira-se o diploma; agora, cassa-se o registro dos jornalistas. Sem substituto, a democracia balança no ar.

Alberto Dines foi o primeiro ombudsman brasileiro ao inaugurar, nesta Folha, em julho de 1975, a coluna “Jornal dos Jornais”, que durou 114 edições, até setembro de 1977. Foi o primeiro a denunciar as ameaças que levaram Vladimir Herzog à morte sob tortura no DOI-Codi, e a perseguição a Zuzu Angel, que buscava o corpo do filho Stuart , morto em 1971 no Centro de Informações da Aeronáutica, no Galeão. A imprensa? Censurada.

A jornalista Norma Couri lê carta em homenagem ao marido durante cerimônia de sepultamento do também jornalista Alberto Dines, em Embu das Artes (SP) – Jorge Araújo – 23.mai.18/Folhapress
Como prenunciou Octavio Frias de Oliveira (1912-2007), então publisher da Folha, “você vai arrumar muitos inimigos”. Dines não arredou pé e viveu 65 dos seus 86 anos de vida focado na imprensa.

Implantou um novo padrão de jornalismo ao comandar o Jornal do Brasil por 12 anos, até 1973; ganhou o prêmio Maria Moors Cabot na Universidade Columbia, onde foi professor em Nova York; lançou revistas da editora Abril em Portugal; e escreveu 15 livros. Em 1996, foi pioneiro ao criar o site Observatório da Imprensa, que em 1998 ganhou uma versão televisiva semanal, no ar por 20 anos. Ao morrer, em 2018, deixou uma preciosa biblioteca, projetos para mais cem anos, matéria-prima para o resgate do orgulho da profissão.

A ideia da criação de um Instituto Alberto Dines é uma espécie de antídoto ao veneno do desprezo pelos valores da civilidade que atropela os princípios éticos do jornalismo —base para reestruturar corações e mentes de jovens profissionais. Uma cátedra, um prêmio de jornalismo investigativo, o germe do gosto pela entrevista, a liberdade de pensar e produzir.

Se uma pessoa ao morrer leva junto uma biblioteca, não podemos perder mais esta quando estamos a ponto de decorar livros inteiros antes que sejam queimados, proibidos, num revival de “Fahrenheit 451”.

“Última profissão romântica” antes da era da internet, o jornalismo e seus princípios se evaporaram. Foram para o espaço da memória junto com calandras, rotativas, linotipos, flans, clichês, laudas de 20 linhas, telexes, máquinas de escrever e seus carbonos de cor lilás —e que hoje soam mais ficção científica do que as páginas de Ray Bradbury.

A competição pelo “furo” ficou para trás, mas os jornalistas “hightech” não precisam perder a essência, fragmentada em milhares de blogs, sites anônimos, notícias apócrifas e fake news, paraíso dos mitômanos.

Uma frase de 1682, pendurada no escritório de Dines, ensina: “A principal obra-prima da natureza é escrever bem”. Essa arte, junto com as decorrentes resumidas no slogan de uma velha livraria carioca —“Quem não lê, mal fala, mal ouve, mal vê”— contaminou a imprensa brasileira, que virou deserto de notícias em 62,6% dos municípios do país.

Se em Washington dava água na boca o Newseum, museu pela liberdade da imprensa que infelizmente fechou suas portas no último dia de 2019, não temos algo semelhante por aqui. Mas não podemos ter um instituto, pedra fundamental para a dignidade da profissão?

* O título deste artigo é uma referência à música “Último Desejo”, de Noel Rosa, composta em 1937; o último desejo de Alberto Dines foi a criação de um instituto para o jornalismo

Norma Couri
Jornalista, mestre em jornalismo na Universidade Columbia (EUA) e doutora em história social na USP; foi casada com o jornalista Alberto Dines até a sua morte, em 2018


5 comentários

  1. FCarraro
    sábado, 4 de janeiro de 2020 – 17:09 hs

    O jornalismo não foi demolido nos poucos meses em que se tornou alvo preferencial do governo; ele próprio veio se auto demolindo nos últimos tempos, em tentativa insana de destruir o governo democraticamente constituído. Fato que a guerra foi proposta pela própria imprensa, ao se intitular dona absoluta da verdade e no afã de com inverdades conseguir seu objetivo, sucumbe, esquecendo que o leitor, o ouvinte, evoluiu, deixando de ser massa de manobra, tornou-se ser pensante com capacidade de análise própria e livre.

  2. domingo, 5 de janeiro de 2020 – 11:32 hs

    Eu Reconheço o Papél da Imprensa em um Pais,,,Mas no Brasil Infelismente..Algums.se Bandearam Por Interesses..Escusos..e Atacam Aqueles Que Não Concordam Com Eles..Dai Nao Deixam o Presidente Eleito Democratimente..Governar..e os Ataques a Ele e Sua Familia São Diários,,,,,Dai Não Tem Cristo Que Aguente Ficar Quieto Né……………………………………………………………………………..

  3. Mustafah
    domingo, 5 de janeiro de 2020 – 19:38 hs

    A imprensa não está sendo destruída pelo governo, mas por ter se vendido a governos passados e a sua ideologia, ter se Furtado da vigilância enquanto roubavam bilhões e hoje fazer combate cerrado num permanente 3* turno contra um governo que mal começou.

  4. segunda-feira, 6 de janeiro de 2020 – 12:24 hs

    ParabénsSr Mustafah..Que Fantástico Raciocinio..e Colocação…..Cocordo Plenamente Com a Sua Mensagem,,,,

  5. YARA RANDS
    segunda-feira, 6 de janeiro de 2020 – 14:05 hs

    Olá, Combativo Jornalista Campana!

    O jornalismo é imprescindível a Humanidade. Aos contrários, principalmente os governos de plantão, LEMBREM-SE: Quatro anos passa rápido. Aliás, já dizia o mestre político: Políticos limitados culturalmente em cargos majoritários é igual mamoeiro: Produz no máximo duas safras!
    Yara RANDS/Joinville-SC

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*