Discurso de Roberto Alvim, que ecoa o nazismo, precisa ser debatido com urgência | Fábio Campana

Discurso de Roberto Alvim, que ecoa o nazismo, precisa ser debatido com urgência

artigo de Arnaldo Bloch, n’O Globo

No seu delirante discurso de ontem sobre o que considera o “renascimento da arte” no Brasil, o secretário especial da Cultura do governo Bolsonaro, Roberto Alvim, não se limita a plagiar espantosamente Joseph Goebbels, o gênio do mal da propaganda hitlerista. Além do trecho que começou a viralizar na madrugada de hoje (lado a lado com palavras do ideólogo alemão), Alvim, num tom triunfalista medonho, traz à tona vários outros elementos que, há 90 anos, constituíram, no que toca à cultura, o nascimento do fascismo europeu e de sua forma germânica, o nazismo.

A ideia, ventilada por ele, de que o povo precisa ser salvo de uma “cultura doente” (primeiro sintoma, ele diz, de uma doença social) ecoa claramente a noção nazista da “arte degenerada”, a ser expurgada. Parecido com o afã purificador que, em Berlim, incluiu até uma exposição de pinturas de grandes mestres modernos destinada a fomentar, no grande público, o horror a tudo que respirasse liberdade, crítica, transgressão, pluralidade.

A noção dos “mitos fundantes” nacionais, mencionados por Alvim (como se não tivessem sido jamais visitados por nossas artes, no país de Oswald, de Mário e da Tropicália), em muito lembra os ideais evocados pelo Führer, de uma Alemanha calcada em raízes pátrias profundas, carreadas por uma linhagem que remontaria à Antiguidade Clássica.

Na versão brasileira, contudo, Alvim acrescenta ingredientes do teofascismo, tendência política emergente tanto no fundamentalismo islâmico quanto na onda neopentecostal. Ele o faz ao vincular seu projeto de “arte da nova década” não só à família, mas à fé cristã da imensa maioria do povo brasileiro: Alvim crê numa pretensa revolução dos já proverbiais homens de bem contra o mal, esse alvo móvel representado por tudo o que foge à bitola equestre dos luminares das trevas que conduzem o Brasil à Nova Idade Média.

Um escritor, nas redes, ao referir-se ao secretário, comenta que a cultura brasileira jamais será a preconizada por “este palhaço”. O problema é que a ascensão dos fascismos é sempre precedida pela impressão de que se trata de um bando de pândegos. É justamente dessa incredulidade que o monstro se vale para fixar suas garras na jugular do cidadão incauto.

Por isso o discurso de Alvim, que em outra conjuntura mereceria o lixo dos fundos da História, é uma peça que deve ser ouvida, transcrita e estudada, como sintoma de um evento maior que precisa ser debatido com urgência e intensidade proporcional à agressão que representa. Toda atenção é pouca.

Creiam: no fundo musical do discurso não são as Bachianas Brasileiras, mas a abertura de Lohengrin, ópera de Richard Wagner.


3 comentários

  1. Valdi
    sexta-feira, 17 de janeiro de 2020 – 11:27 hs

    Falar nao quer dizer nada,quer mais NAZISMO do esses deputados e senadores e STF,massacrando o POVO brasileiro isso é pior q o NAZISMO.

  2. roberto
    sexta-feira, 17 de janeiro de 2020 – 19:13 hs

    Plagiar não pode. Debochar a religião pode. Mas a constituição não garante a liberdade de expressão?????…. Por que as vezes pode e as vezes não pode. Só tem jornalista ignorante neste país.

  3. Antonio Alves
    terça-feira, 4 de fevereiro de 2020 – 9:00 hs

    Valdi e Roberto, debochar da religião é uma necessidade da democracia. Plagio é uma imoralidade, quer plagiar, arque com as consequências.

    Esses moralistas são saco de bosta. Vão estudar.

    Parem de ler Olavo e comecem por Fustel Coulange ou Cícero para entenderem o início da religião e da família, depois, mais bem preparados, vão poder começar opinar sobre “família” e “religião”.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*