Brasil piora no ranking de percepção da corrupção | Fábio Campana

Brasil piora no ranking de percepção da corrupção

O Brasil caiu uma posição no ranking mundial de percepção da corrupção, feito pela Transparência Internacional. É a pior colocação desde 2012. As informações são do Jornal Nacional.

Todo ano, a Transparência Internacional faz um levantamento em 180 países. Os pesquisadores ouvem empresários, estudiosos e executivos sobre a atuação do setor público.

Nesse ranking mundial de percepção da corrupção, o Brasil vem caindo há cinco anos. Em 2019, descemos mais um degrau: estamos na 106ª posição. Em 2019, países como Equador, Etiópia e Vietnã, que tinham colocação pior do que a nossa, conseguiram ultrapassar o Brasil nessa classificação.

É a pior colocação desde 2012. Numa escala de zero a cem pontos, quanto menor a nota, maior é a corrupção percebida num país.

“Significa que 2019 foi um ano de poucos avanços e muitos retrocessos na luta contra a corrupção no Brasil. De certa maneira, uma frustração de expectativas, porque, nas eleições de 2018, o combate à corrupção foi o tema central”, afirmou Bruno Brandão, diretor da Transparência Internacional no Brasil.

Segundo o resumo do relatório, alguns episódios contribuíram para essa percepção. No Poder Judiciário, a Transparência Internacional citou que a “decisão do presidente do STF” de suspender investigações que usavam dados do Coaf, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, praticamente paralisou, durante metade do ano, o sistema de combate à lavagem de dinheiro do Brasil”.

Em relação ao governo federal, a organização ressalta que houve “um aumento das tentativas de interferência política do Palácio do Planalto nos órgãos de controle, com substituições polêmicas na Polícia Federal e Receita Federal, e nomeação de um procurador-geral da República fora da lista tríplice” apresentada pelo Ministério Público.

Sobre o Congresso Nacional, o texto afirma que “foram aprovadas leis na contramão do combate à corrupção, como, por exemplo, a que enfraqueceu ainda mais a transparência de partidos e o controle do uso de recursos públicos em campanhas eleitorais”.

Já a aprovação da Lei de Abuso de Autoridade, segundo a Transparência Internacional, abriu espaço para que pessoas poderosas, investigadas por corrupção, possam retaliar juízes, promotores e investigadores. O relatório cita ainda do fim da prisão após condenação em segunda instância.

Mas houve também alguns avanços no caminho do combate à corrupção, por exemplo: “a ampliação do efetivo da Polícia Federal com 1.200 novos agentes”, e “a recomposição das equipes dedicadas à Lava Jato em Curitiba, Rio e Brasília”.

A Transparência Internacional diz que “as reações da sociedade e das instituições brasileiras conseguiram barrar retrocessos significativos”. O documento lembra que “após forte reação, o plenário do STF reafirmou, por ampla maioria, a competência do Coaf para compartilhar seus relatórios de inteligência financeira com os órgãos de investigação, sem necessidade de prévia autorização judicial”.

Segundo o estudo, o país menos corrupto do mundo é a Dinamarca e o mais corrupto é a Somália.

Bruno Brandão, diretor executivo da Transparência Internacional no Brasil, diz que o combate à corrupção passa por reformas ambiciosas que possam tornar mais transparentes as ações do setor público e o sistema de financiamento político nas eleições.

“São os países mais democráticos historicamente aqueles melhores posicionados no ranking. Os autoritários estão lá embaixo. Por isso, é tão importante a liberdade de imprensa na sociedade civil, uma imprensa que cobre uma sociedade que atue. É essa a receita básica do combate à corrupção pela democracia”, afirmou.

A equipe do Jornal Nacional entrou em contato com as assessorias do Senado, da Câmara, do Supremo Tribunal Federal e da presidência. Mas não teve resposta.


2 comentários

  1. Marcos
    sexta-feira, 24 de janeiro de 2020 – 9:53 hs

    A conta vai para o Congresso Nacional e o STF que, constantemente, agem na contra mão do povo de bem deste país.

  2. QUESTIONADOR
    sexta-feira, 24 de janeiro de 2020 – 10:59 hs

    -Jornal Nacional não é base para nada…esqueçam Rede Globo de Televisão…o negócio deles são aquelas novelinhas exaltando a promiscuidade, tráfico de drogas…BBB…é isso…até no YT tem coisa muito mais interessante de se ver do que canal aberto…ainda mais RG…chega né!!! Já deu!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*