Escritório de PHX move ação de Deltan contra Gilmar Mendes | Fábio Campana

Escritório de PHX move ação de Deltan contra Gilmar Mendes

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná, moveu uma ação contra a União alegando ter sofrido “reiteradas ofensas” do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. No processo por danos morais, em que pede R$ 59 mil de indenização, Dallagnol alega ter sido insultado em entrevistas e manifestações do ministro em Plenário. A ação de Deltan foi movida pelo escritório do advogado Pedro Henrique Xavier. PHX acrescenta que o valor da indenização será destinado às obras do hospital “Erastinho”, para tratamento de câncer infantil, vinculado ao Hospital Erasto Gaertner, em Curitiba. Com informações de Leonardo Lellis na Veja.

A ação menciona uma entrevista que Gilmar Mendes deu à Rádio Gaúcha, em que ele criticou os membros da MPF após a divulgação de diálogos de Deltan pelo site The Intercept Brasil. Na ocasião, o ministro mencionou que os procuradores haviam formado uma “organização criminosa”, formada por gente “muito baixa, desqualificada”.

Deltan também aponta ter sido ofendido durante sessões de julgamento do Supremo. Em uma delas, indica que ele e seus colegas da força-tarefa foram chamados de “cretinos”, “gentalha”, “covardes”, gente “desqualificada” e “despreparada”. Em outro julgamento, o procurador aponta ter sido chamado de “gângster no comando da investigação”

O pedido de indenização explica que ele é dirigido contra a União porque Gilmar, pode ser ministro do STF, é considerado agente público e as manifestações foram dadas no exercício de sua função. Caso perca, o ministro será cobrado pela União em uma ação de regresso.“Ficaremos muito atentos para que, em caso de sucesso, exigirmos que quem que pague isso não seja o erário”, afirmou Pedro Henrique Xavier.

A União já foi condenada a indenizar em R$ 20 mil o juiz Marcos Josegrei da Silva, responsável pela Operação Carne Fraca, em Curitiba. No caso, ele apontou ter sido chamado de “estrupício” e “analfabeto voluntarioso” pelo ministro Gilmar Mendes. A Nesta ação magistrado também foi representado pelo advogado Pedro Henrique Xavier.


8 comentários

  1. Palpiteiro
    sexta-feira, 13 de dezembro de 2019 – 9:54 hs

    A ação é contra a viúva, União Federal, por causa da bolsa dela que paga as contas de todos os funcionários públicos, especialmente os super-ricos como procuradores e juízes. No fundo é o medo, o medo, o medo….

  2. Intruso
    sexta-feira, 13 de dezembro de 2019 – 10:29 hs

    Isso parece com o que aconteceu com o Juiz Federal Marcelo Cesca..

  3. adriano
    sexta-feira, 13 de dezembro de 2019 – 10:33 hs

    grande mestre, orgulho ter sio seu aluno!

    Adriano Silveira

  4. Luiz
    sexta-feira, 13 de dezembro de 2019 – 12:14 hs

    Acho q ele pediu pouco. Já q é doação ao Erastinho tinha q pedir 1 milhão. Tirar as calças deste mau caráter.

  5. Rogério
    sexta-feira, 13 de dezembro de 2019 – 12:40 hs

    Valor irrisório, tinha que multiplicar por dez, e sair do bolso do semideus togado, que acha que pode tudo, que ainda entrou no stf por indicação política, do FHC, portanto sem sequer prestar concurso público.

  6. jorge
    sexta-feira, 13 de dezembro de 2019 – 20:27 hs

    Gilmar Mendes tem que ser destituído e preso. É o santo protetor dos corruptos ricos

  7. johan
    domingo, 15 de dezembro de 2019 – 18:55 hs

    Caro Fábio, esse tipo de ação deve ser sustentada pelos representantes do Procurador DELTAN, e manter todos os recursos de lei, com o intuito de demonstrar à sociedade que o elemento atacante-ministro, com ataques dessa natureza não contribui com valores positivos para os brasileiros. Com essa medida irá provocar um desgaste a pessoa e a imagem do atacante-ministro, desnudando o rei, demonstrando toda a sua pequenez, que também diminui o STF, ao mesmo tempo em que ocorrerá o esfarelamento, e que o mesmo sairá do ambiente como um ministro-anão. Atenciosamente.

  8. antonio
    segunda-feira, 23 de dezembro de 2019 – 14:15 hs

    De novo a notícia. É a terceira vez que leio nessa coluna.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*