Carne estava muito barata e patamar não voltará ao que era, diz ministra | Fábio Campana

Carne estava muito barata e patamar não voltará ao que era, diz ministra

A alta do preço da carne – que chega a até 26% desde janeiro, dependendo o corte – indica um novo padrão, segundo avaliação da ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Em entrevista ao portal Poder 360, Cristina declarou que o produto “ficou por três anos com valor muito baixo” e em 2019 chegou a um novo patamar que não deve voltar à média anterior. As informações são de Veja.

“[O preço da carne] vai ter uma estabilização, não vai ter mais essas puxadas. Mas não tem perigo de voltar ao que era. Mudou o patamar. Já tinha mudado o da soja, do milho. A carne ficou por três anos com valor muito baixo. Isso faz com que o mercado sinta mais essa subida”, afirmou a ministra.

Na mesma entrevista, Cristina nega qualquer possibilidade de que falte carne para venda no país: “o risco de desabastecimento é zero”, declarou.

Além de fatores conhecidos como o aumento da demanda dos chineses, a ministra aponta fatores climáticas para justificar a inflação.

“Tivemos uma seca um pouco prolongada neste ano, com pastos não de muita qualidade para fazer o acabamento do gado. Geralmente, o que o produtor faz é dar ração para o gado para fazer o acabamento. Neste ano, com o valor da arroba, não fechava a conta, então a maioria não conseguiu fazer isso e houve um retardamento da oferta de boi gordo”, disse.

A médio prazo, porém, a ministra acredita em reação do setor e benefícios aos consumidores com aumento de produção. “O produtor vinha tendo muitos problemas, querendo até trocar de atividade, porque estava tendo prejuízo. A produção vai aumentar. Podemos diminuir o tempo de abate, tendo animais mais jovens no peso ideal”, disse.


6 comentários

  1. sexta-feira, 29 de novembro de 2019 – 16:34 hs

    Preço estava com valor muito baixo?
    Baixo para quem?
    Só pode estar maluca!!!

  2. Observador intrigante
    sábado, 30 de novembro de 2019 – 8:10 hs

    Vamos virar veganos

  3. Aristides
    sábado, 30 de novembro de 2019 – 9:59 hs

    Pra ela que come carne patrocinada pelo povo, realmente ´estava muito barata. Assim como os combustíveis que não se preocupam com o valor já que trafegam com carros oficiais. Essas declarações é um abuso contra os 51 milhões que votaram no Bolsonaro.
    Só mudou os pintos, as bundas continuam as mesmas.

  4. Intruso
    sábado, 30 de novembro de 2019 – 16:24 hs

    A culpa é da Lei KANDIR que permite que os nossos alimentos de nutrição animal vão para o exterior sem pagamento de impostos.. ESTÁ FALTANDO soja, milho e outros cereais para tratamento de animais e aves!!!!

  5. Parreiras Rodrigues
    domingo, 1 de dezembro de 2019 – 9:41 hs

    A gasolina era subsidiada.Isto é, recebia aportes de outras fontes. Hoje, se tabela conforme a movimentação do mercado internacional. Existem alternativas de transporte, de locomoção. Somos um povo atrasado. Os automóveis são excessivamente usados para transporte individual.

    Quanto ao preço da carne, estava defasado sim. Conversei com três pecuaristas amigos meus, um de cada Mato Grosso, outro de Rondônia. Disseram que estavam trocando seis por meia duzia.

  6. domingo, 1 de dezembro de 2019 – 11:25 hs

    ENVIEM TUDO PRA CHINA EM TROCA DE DÓLARES E NÓS COMEMOS CAPIM…EITA BRASIL QUE NAO MUDA HEMMMMMMMMMM

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*