Novembro Vermelho | Fábio Campana

Novembro Vermelho

Uma das maiores ameaças a saúde humana é bem pouco conhecida pela maioria das pessoas. O câncer de boca é o quinto tumor mais frequente entre os homens e o sétimo entre as mulheres. Somente na região sul do Brasil, a cada 100 mil pessoas 15 serão diagnosticadas com câncer bucal, segundo estatísticas do Instituto Nacional do Câncer. Esse desconhecimento deve diminuir a partir de agora com a Lei de autoria do deputado Ademar Traiano (PSDB), que institui o Novembro Vermelho, que dedica o penúltimo mês do ano a divulgação de ações destinadas a prevenir esse tipo de tumor.

Segundo Traiano, a inspiração para propor essa Lei veio de casa. “Tenho um filho e uma nora que são dentistas e eles me alertaram sobre a importância da prevenção desse tipo de doença”, diz.

Quem mais batalhou por uma Lei para a prevenção desse tipo de câncer foi Ana Paula Prestes Virmond Traiano, a nora do presidente da Assembleia, que teve de enfrentar um câncer que conseguiu curar. Como é odontóloga, com pós-graduação e mestrado nas áreas de diagnóstico oral (Estomatologia e Radiologia), professora e coordenadora clínica da Faculdade Guairacá, de Guarapuava, decidiu colocar essa bagagem profissional e pessoal a serviço de auxiliar as pessoas.

“Levei ao meu sogro a proposta de um projeto de lei especial para a prevenção do câncer bucal, sugerindo um mês dedicado a chamar a atenção dos paranaenses para os riscos desse tipo de câncer, que é de responsabilidade do cirurgião dentista diagnosticar”, conta Ana Paula. O câncer bucal, segundo dados do Inca (Instituto Nacional do Câncer), a segunda maior causa de mortes no Brasil. Dentre as neoplasias malignas com maior incidência está o câncer de boca, que afeta os lábios, a língua e as mucosas da cavidade oral, podendo atingir ossos, músculos e outros tecidos da região. A prevenção pode salvar muitas vidas.


Um comentário

  1. Genildo
    terça-feira, 5 de novembro de 2019 – 11:28 hs

    Novembro vermelho é moleza quero é ver enfrentar 4 anos vermelhos da forma que os funcionários do executivo estão fazendo.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*