Estudantes, professores e centrais sindicais voltam às ruas | Fábio Campana

Estudantes, professores e centrais sindicais voltam às ruas

Estudantes, professores e centrais sindicais voltam às ruas hoje, pela terceira vez, para protestar contra o bloqueio de verbas imposto pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) para a área da educação. As informações são do UOL.

O ato foi convocado pela UNE (União Nacional dos Estudantes) e tem adesão de entidades como a Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) e o CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação).

“Estamos indo de novo às ruas porque o dinheiro das universidades continua bloqueado. Vamos continuar reivindicando a verba da educação”, diz Iago Montalvão, presidente da UNE.

Apesar de o desbloqueio ser a principal reivindicação dos estudantes, segundo Montalvão, pautas como a defesa da ciência e da autonomia universitária também fazem parte do ato.

Segundo ele, a UNE vê risco de privatização das universidades públicas por meio do Future-se, programa do MEC que quer aumentar a captação de recursos privados nas universidades federais.

“O Future-se é um projeto que foi proposto sem o devido diálogo com a comunidade acadêmica e com propostas com as quais nós temos discordâncias. Ele inflama ainda mais essa mobilização”, afirma.

Primeiro projeto do governo Bolsonaro para o ensino superior, o Future-se prevê a contratação de OSs (Organizações Sociais) para a gestão das universidades, atuando desde a administração financeira dessas instituições até no ensino.

Para a UNE, essa proposta representa um risco de privatização e de retirada da autonomia das universidades.

“Não ficou claro qual é o papel dessas OSs nas universidades e que tipo de gestão elas fariam. Nossa preocupação é que essas OSs tirem a autonomia universitária para criar uma administração paralela dentro das universidades”, pontua Montalvão.

A entidade aposta na repercussão de declarações recentes de Bolsonaro como combustível para a adesão aos protestos de hoje. Exemplos disso, segundo Montalvão, seriam as falas do presidente sobre Fernando Santa Cruz, opositor do regime militar que foi morto durante a ditadura, e a demissão de Ricardo Galvão do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

“Quando ele fala do Fernando Santa Cruz, quando ele demite o Galvão do Inpe, são pautas que levantam preocupações em setores novos da sociedade. Essas pessoas podem vir agora para a rua pela primeira vez, inclusive”, diz Montalvão.

Até as 17h de ontem, mais de 140 cidades haviam confirmado a realização de atos, segundo um levantamento da própria UNE.

Em Brasília, a Força Nacional foi autorizada a fazer a segurança dos entornos do prédio do MEC, na Esplanada dos Ministérios. A autorização consta de um decreto assinado na semana passada pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

A UNE recorreu à Justiça para impedir a autorização, que defende ser ilegal.


5 comentários

  1. Parreiras Rodrigues
    terça-feira, 13 de agosto de 2019 – 11:34 hs

    Premente a necessidade de se abrir a caixa preta da UNE.

  2. Jorge
    terça-feira, 13 de agosto de 2019 – 20:06 hs

    As quadrilhas da esquerda , hipocritamente, esquecem que foram Lula e Dilma que levaram o país a esta situação.
    O governo é obrigado a cumprir a lei de responsabilidade fiscal.

  3. ESTAMOS DE OLHO
    quarta-feira, 14 de agosto de 2019 – 10:17 hs

    TEM QUE FECHAR A TORNEIRA MESMO DESTES VERMELHOS
    DE UNIVERSIDADES,E INVESTIR EM NOSSAS CRIANÇAS DE
    ENSINO BASICO,PARA SE TORNAREM ADULTOS CULTOS E
    NAO DOUTRINADOS POR IDEOLOGIA DE ESQUERDA,PODEM
    CHORAR A VONTADE .

  4. Neto
    quarta-feira, 14 de agosto de 2019 – 10:34 hs

    Hipocrisia absoluta. Sabem que a educação vai mudar e que os pseudo professores terão que mostrar produtividade. Chega de universitários não saberem interpretar textos ou não conseguirem resolver uma equação de 2º grau. Sala de aula, leitura, pesquisas sérias e que façam nosso país evoluir. Isso que o governo exige e todos nós, brasileiros sérios também.

  5. SERGIO SILVESTRE
    quinta-feira, 15 de agosto de 2019 – 10:21 hs

    Tudo balela. Chegou a hora de trabalhar.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*