Reforma da Previdência acaba com abono salarial de 1 milhão de paranaenses, diz Romanelli | Fábio Campana

Reforma da Previdência acaba com abono salarial de 1 milhão de paranaenses, diz Romanelli

Estudo do Dieese divulgado nesta sexta-feira, 19, aponta que mais de um milhão de trabalhadores paranaenses ficarão sem abono salarial do PIS/Pasep com a aprovação da reforma da Previdência. A proposta já passou em primeiro turno na Câmara dos Deputados, volta em agosto ao plenário da Casa e ainda precisa ser votada em dois turnos no Senado. Dos 1.472.411 paranaenses que recebem o abono hoje, 68,3% deles perdem o direito. O impacto pode chegar a R$ 683 milhões no Estado.

O Paraná é o quarto estado com maior perda, fica atrás apenas de Santa Catarina (71,8%), São Paulo (70,1%) e do Rio Grande do Sul (68,5%). No País, 12,7 milhões de trabalhadores serão afetados. “As pessoas que trabalham no dia a dia é que vão pagar a conta da reforma da Previdência. Se fala muito de combater os privilégios, mas na verdade a conta é paga mesmo pelo trabalhador geral, aquele que atua no setor urbano”, disse o deputado Romanelli (PSB) que já pontuou a questão em artigos na imprensa.

“Essa nova paulada acaba com boa parte do pagamento do abono salarial em estados que desenvolvem a política do piso do salário mínimo regional: Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro”, completa. No Rio de Janeiro, 54% dos trabalhadores vão deixar de receber o abono.

Piso regional – No Paraná, o salário mínimo varia entre R$ 1.306,80 e R$ 1.509,20 divididos em quatro grupos. Conforme a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), os mais atingidos pelo corte são os que compõem os grupos 2, 3 e 4 de faixa salarial. São trabalhadores do setor de serviços administrativos, serviços gerais, de reparação e manutenção e vendedores do comércio em lojas e mercados, produção de bens e serviços industriais e técnicos de nível médio.

O estudo do Dieese, a pedido da Federação dos Trabalhadores da Indústria Química e Farmacêutica de São Paulo, usa dados da Rais (Relação Anual de Informações Sociais) que considera a remuneração média no ano. O abono salarial atende os trabalhadores de baixa renda e funciona como um 14º salário. Hoje, quem tem carteira assinada e recebe até dois salários mínimos (R$ 1,9 mil) por mês tem direito ao abono, cujo valor é de um salário mínimo (R$ 998). A reforma reduz esse valor para R$ 1.364,43.

O Paraná tem 466 mil trabalhadores com renda mensal de R$ 1096,66. Já os trabalhadores que recebem entre 1,37 e 2 salários mínimos chega a 1.005.928, de acordo com a Rais/Dieese. “A Caixa Econômica Federal pagou 1.596.839 benefícios do abono salarial em 2018 no Paraná, um montante de R$ 1 bilhão. Dessa forma, a perda de R$ 683 milhões, um dinheiro significativo que hoje movimenta o consumo e a economia do Estado”, disse Romanelli.

O economista do Dieese, Sandro Silva, afirma que o impacto no Paraná é superior porque os salários são maiores. “Analisando a tabela chama atenção o percentual de alguns estados, muito acima do total (53,6%), entre eles o Paraná (68,3%), em virtude de ter uma remuneração média maior, em parte consequência da implantação e evolução do piso regional”, disse Silva ao site porem.net.


6 comentários

  1. otário esclarecido
    sexta-feira, 19 de julho de 2019 – 23:15 hs

    12,7 milhões perderão o abono salarial …

    “A proposta de reforma da Previdência aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados pode cortar o acesso de 12,7 milhões de trabalhadores ao abono salarial.

    A exclusão atingirá 54% dos 23,7 milhões dos atuais beneficiários do programa, que assegura hoje o valor de um salário mínimo anual aos trabalhadores que recebem, em média, até dois salários mínimos de remuneração mensal de empregadores que contribuem para o PIS/Pasep.

    Já a proposta de Bolsonaro inviabilizava o recebimento do abono para 94% dos trabalhadores atualmente beneficiados, mas o relator da proposta, Samuel Moreira (PSDB-SP), subiu a linha de corte para R$ 1.364,43.

    Estadão – 18/07/2019

  2. povobrasileiro
    sábado, 20 de julho de 2019 – 15:10 hs

    Certamente esta economia feita as custas do povo trabalhador irá para a Embaixada dos Estados Unidos, onde teremos o primeiro embaixador chapeiro da história do Brasil. Eu achava que ser embaixador era uma coisa séria, agora vi que basta saber fritar hambúrguer e ser filho do Bolsonaro. Este Presidente é irresponsável e despreparado. Hj me pergunto o que é pior para o Brasil, um Presidente Corrupto ou um Presidente despreparado. Fico com o primeiro.

  3. Jorge
    domingo, 21 de julho de 2019 – 13:38 hs

    Tem muito “povobrasileiro” que não tem coragem de mostrar a cara (dizer seu nome verdadeiro) pois é covarde e canalha

  4. Francisco
    segunda-feira, 22 de julho de 2019 – 9:46 hs

    Isto é só o começo para os “pobres” metido a besta ficar de pé aplaudindo a reforma da previdência acreditando que não vai ser afetado e acreditando que os mais ricos que vão sofrer. Digo mais uma vez a Reforma é importante e necessária, mais de forma que comece pelos salários e gratificações dos políticos.

  5. Francisco
    segunda-feira, 22 de julho de 2019 – 13:41 hs

    Verdade Senhor Jorge…………………….. tem que assumir os comentários

  6. Bertoldo
    segunda-feira, 22 de julho de 2019 – 17:11 hs

    Que horror, deixei de receber um abono porque o meu salário mudou de faixa, ele subiu, é um horror não é mesmo? Estes “esclarecidos” que condenam esta perda com certeza absoluta nunca receberam este abono porque sempre ganharam muito além do salário-mínimo e meio que aqueles que sempre receberam este rendimento. Adoro gente que fala como se entendesse como vive o povo mais pobre.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*