Sem refúgio, guerrilheiros paraguaios fugiram para o Uruguai | Fábio Campana

Sem refúgio, guerrilheiros paraguaios fugiram para o Uruguai

Três paraguaios acusados de integrar o grupo guerrilheiro Exército do Povo Paraguaio (EPP) e que perderam o status de refugiados políticos no Brasil fugiram para o Uruguai. Anuncio Martí Méndez, Juan Francisco Arrom Suhurt e Víctor Antonio Colmán Ortega, acusados de envolvimento no sequestro de Maria Edith de Debernardi, nora do ex-ministro da Fazenda Enzo Debernardi, em 2001, tentam agora obter refúgio do governo de Tabaré Vázquez, um dos últimos redutos da esquerda na América do Sul. As informações são de Laryssa Borges na Veja.

O Radar revelou que, em decisão sigilosa em meados de junho, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, havia determinado a prisão dos paraguaios, mas a Polícia Federal não os encontrou para cumprir a ordem de detenção.

Os três alegavam que eram perseguidos políticos e, com esse argumento, haviam conseguido há 15 anos a condição de refugiados, ainda no governo Lula. Na última semana, no entanto, o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) do governo Bolsonaro derrubou o benefício, alegando que eles não passavam de criminosos comuns.


Um comentário

  1. Bertoldo
    terça-feira, 30 de julho de 2019 – 20:03 hs

    Uau e agora como ficam os defensores dos Direitos Humanos, gente que defendia com unhas e dentes o trio de guerrilheiros paraguaios? Vão dizer o quê, que os caras eram inocentes e bonzinhos? Se realmente fosse inocentes não fariam como fez aquele terrorista italiano que também passou uma boa temporada entre nós, daí fugiu daqui e se ferrou de vez. Agora o Uruguai ficou com o dever garantir o homizio para o trio de guerrilheiros.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*