Empresários se manifestam contra reajuste salarial dos servidores | Fábio Campana

Empresários se manifestam contra reajuste salarial dos servidores

Não é comum ver os empresários interferindo diretamente nas questões salariais do funcionalismo público. Mas essa prudência foi derrubada pela Associação Comercial do Paraná que divulgou uma carta aberta à população paranaense e aos poderes públicos do estado, posicionando-se em relação à situação fiscal do Paraná. A entidade destaca no texto que “o Paraná, como grande parte dos Estados brasileiros, segue uma trajetória insustentável de aumento das despesas públicas com a folha de pagamento de salários e proventos, tudo em detrimento de investimentos em infraestrutura”.

Na carta, a Associação destaca ainda que “não é momento de reajuste de vencimentos no setor público, pois essa conta o Estado e a Sociedade não têm como pagar. Não há como aumentar a carga tributária, pois ela mesma provoca a baixa de arrecadação, em virtude da diminuição que esse aumento causa na produção, no consumo e nos investimentos”.

Imaginem os maus bofes do funcionalismo que luta por reajustes salariais e neste momento protesta no Centro Cívico.


24 comentários

  1. Rogério
    quarta-feira, 10 de julho de 2019 – 20:54 hs

    Quatro anos sem reposição da inflação, aumento de impostos, IPVA , água , luz, ICMS, onde foi parar o dinheiro do aumento de impostos, cadê a reforna, corte de cargos comissionados, isso nem pensar, se não tem dinheiro pra pagar os funcionários do executivo, ninguém deveria receber, Alep, MP, TCE e judiciário estao recebendo em dia.

  2. ANDERSON DA ROSA
    quarta-feira, 10 de julho de 2019 – 22:07 hs

    Algumas coisas a pensar. Não é um aumento de salários como muitos tem insistido em noticiar. É reposição de perdas salariais que se acumulam há anos. A perda de poder de compra do funcionalismo e da população em geral tbm reflete no comércio, com números cada vez mais magros.
    Numa outra ótica é preciso pensar que é necessário buscar outras formas de arrecadação diferentes de aumentar impostos. Uma melhor administração do bem público, diminuir bençãos a empresas que não geram empregos diretos e indiretos, diminuição de cargos comissionados, diminuir carga tributária, podem ajudar mais do que simplesmente torcer mais o torniquete.
    O que talvez a associação comercial devesse auxiliar nessa batalha, não é estimular a desvalorização dos servidores, mas sim cobrar das mãos que seguram a caneta, essas mudanças que podem inclusive ajudar o comércio e ajudar a gerar mais empregos.
    Uma visão efetiva de melhoria de longo prazo passa por conversa e união de esforços, e não no detrimento de uma classe ou simplesmente subir taxas para resolver crises. Este é o pensamento antigo é que trouxe o Brasil para este buraco. E só sairemos dele unindo esforços ao invés de apontar culpados. Devemos buscar soluções que atendam ambos os lados. Isso é possível numa sociedade comprometida em melhorar e crescer como um todo.

  3. Djair
    quarta-feira, 10 de julho de 2019 – 22:21 hs

    Esses mesmos empresários que reclamam são aqueles que o goverbo vai anistiar uma dívida de 55 bilhões de impostos, demagogos e hipócritas. Empresários lixos do Paraná!

  4. José carlos
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 1:21 hs

    Os mesmos que defenderam Beto Richa, tidos deveriam estar na cadeia, foram beneficiados corruptos.

  5. xiru de palmas
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 7:14 hs

    Totalmente tendenciosa tendo em vista que o vice governador sr Pianna é do sistema “S”

  6. Genildo
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 8:12 hs

    Não merece nem comentário……o vídeo fala por si. A diferença com que a ACP e o Governador Ratinho trata quem lhe pode trazer publicidade e marketing. Aos trabalhadores, do setor privado ou público, só quero mesmo o voto de vocês………🤬🤬🤬🤬🤬🤬🤬🤬👮‍♂️👮‍♂️👮‍♂️👮‍♂️👮‍♂️🕵️‍♂️🕵️‍♂️🕵️‍♂️🕵️‍♂️🕵️‍♂️

    https://www.facebook.com/1014348552101768/videos/583558618839796/

  7. Luiz Carlos Flavio
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 8:23 hs

    Perderam uma ótima oportunidade de ficar de boca calada. Vão dar palpite e cuidar da sua entidade. O Rogério está certíssimo, onde foi parar esse volume bilionário de impostos arrecadados no Paraná? Considerem somente o caso da SANEPAR, um assalto a mão armada, com o aval do Governo. Será que somente estas tarifas (públicas) podem e devem sofrer aumento, mesmo em um momento de recessão? No caso da SANEPAR, este aumento generoso que foi transformado em lucro, não foi para reajustar os salários dos funcionários desta empresa, mas sim, foram direto para o bolso dos “investidores” que nem residem no Brasil.

  8. Edson Luiz
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 8:34 hs

    ACP e seus associados loucos para tomarem para si os recursos do Estado. Essa falsa legitimação que existe, onde o dinheiro público é drenado para cofres privados passa por movimentos como esse, onde a única intenção é apropriar se do erário.
    Muitos empresários, sinica e criminosamente, vestem a carapuça de herói quando na verdade não passam de parasitas.
    Força ao movimento grevista. Servidores também são seres humanos, estão sendo roubados há quatro anos e ninguém fala para onde foi parar esse dinheiro!

  9. Odilon Borges
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 8:44 hs

    Esse presidente da ACP é aquele mesmo que quer estimular o consumo no Paraná mas passa o réveillon no exterior? É aquele mesmo que se esforça pelo desenvolvimento comercial do Paraná mas despreza o litoral paranaense e na temporada de verão não sai de Camboriú? É aquele mesmo que é sócio administrador da Associacao Comercial Do Parana? É aquele mesmo que é dono de empresas que se beneficiam da renuncia fiscal promovida pelo governo do Estado do Paraná enquanto o servidor paranaense tem seus salários corroídos pela inflação? É aquele mesmo que presta serviços ao governo do Estado mas esperneia quando o pagamento atrasa?
    Desprezível….

  10. Policial
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 9:13 hs

    Quando os empresários da Associação Comercial reclamam de falta de segurança em seus estabelecimentos, esquecem que os recursos que faltam para repor as perdas salariais dos agentes de segurança estão sendo gastos com uma gestão pública perdulária, incompetente e com milhares de cabos eleitorais agraciados com cargos em comissão. Esquecem ou é miopia proposital, com receio de criticar a Velha Política do senhor Ratinho? Nós não esqueceremos!

  11. PEDROCA DO SUDOESTE
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 9:52 hs

    Seria interessante observar, qual ESTADO está dando aumento salarial ? De repente, fazer comparações salariais com a iniciativa privada, algo que muitos não fazem. Pelo que se observa,a maioria dos servidores públicos ganham mais que a iniciativa privada. E ,tem muita gente na iniciativa privada que não tem aumento há mais de ano. Cada ano que passa, fica mais díficil dos ESTADOS dar aumentos, independente de partido político. Dêem uma olhada como está o RS, MG,,RJ e mais alguns por aí.

  12. Kharin
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 10:14 hs

    Apenas informando: não é reajuste, é REPOSIÇÃO, e se o Estado está assim tão pobre porque não diminuem as mordomias dos três poderes e os altos salários dos cargos comissionados???? Garanto que sobraria um bom dinheiro para REPOR o salário dos servidores.

  13. Mohamad
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 10:15 hs

    Empresários querem manter suas isenções de impostos para aumentar os lucros, agora estão fazendo politicagem a favor do atual governo e principalmente do vice governador porque será? Esperamos nós população Paranaense que esses mesmos empresários, não sejam sonegadores, corruptos “vide” lava-jato, ou seja, demagogos. Os impostos já foram aumentados no governo do DENUNCIADO por CORRUPÇÃO Beto Richa, a reposição é Lei Estadual e direito previsto na Constituição Federal, assim como é direito do trabalhador da iniciativa privada. Será que esses mesmos empresários não cumprem as Leis Trabalhistas em relação a seus funcionários? Deixam de cumprir dissídio coletivo?

  14. Antonio
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 10:19 hs

    Acho que vcs deveria cuidar de suas empresas, e fim de papo.

  15. quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 10:28 hs

    Retrógrados e incompetentes. Não sabem eles da situação do funcionalismo. Esses que falam, são aqueles que sempre viveram do bem bom, e que certamente hoje mantém seus ricos dinheiros em investimentos rentáveis, sem precisar produzir. Por acaso o reajuste ou reposição, não voltará aos cofres públicos em forma de impostos? Não precisa aumentar carga tributária, basta apenas fazer corte de privilégios, corte em gratificações imorais, mordomias, e toda sorte de “direitos” dos apaniguados. Porque será que o JUDICIÁRIO e outros PODERES, não reclamam? Simples, estão com seus salários em dia…que maravilha né. Enquanto o quadro do Executivo, financia aos PODERES privilegiados com o sacrifício da reposição de lei que até hoje não se viu.E lá se vão 4 anos…E vem esses cuecas de sedas, endinheirados pitakar sem noção, pelo amor de deus.(duvido que publiquem)

  16. PAULO AUGUSTO DE SOUZA
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 10:29 hs

    Para Empresários é fácil falar que não é hora de pedir reajuste, mas o que pedimos não reareajuste e sim a REPOSIÇÃO SALARIAL, que é a inflação dos últimos 4 anos e mais o cumprimento da Lei da data base, é um direito, já que o governo liberou reajuste ao MP, TE, ALÉM e o Judiciario, se tem dinheiro para aumentar o salário de uns tem que ter pros outros também!

  17. Anderson Rosa
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 10:32 hs

    Algumas coisas a pensar. Não é um aumento de salários como muitos tem insistido em noticiar. É reposição de perdas salariais que se acumulam há anos. A perda de poder de compra do funcionalismo e da população em geral tbm reflete no comércio, com números cada vez mais magros.
    Numa outra ótica é preciso pensar que é necessário buscar outras formas de arrecadação diferentes de aumentar impostos. Uma melhor administração do bem público, diminuir bençãos a empresas que não geram empregos diretos e indiretos, diminuição de cargos comissionados, diminuir carga tributária, podem ajudar mais do que simplesmente torcer mais o torniquete.
    Também é preciso lembrar que quando o comércio tem seus custos afetados, transfere os percentuais ao consumidor elevando o valor do produto. Então soa incoerente o discurso da Associação Comercial, uma vez que a prática de transferir para a sociedade os seus custos, é realizada por todo o comércio. Os lojistas não hesitam em aumentar preços de produtos transferindo esses valores para a sociedade.
    O que talvez a associação comercial devesse auxiliar nessa batalha, não é estimular a desvalorização dos servidores, mas sim cobrar das mãos que seguram a caneta, essas mudanças que podem inclusive ajudar o comércio e ajudar a gerar mais empregos.
    Uma visão efetiva de melhoria de longo prazo passa por conversa e união de esforços, e não no detrimento de uma classe ou simplesmente subir taxas para resolver crises. Este é o pensamento antigo é que trouxe o Brasil para este buraco. E só sairemos dele unindo esforços ao invés de apontar culpados. Devemos buscar soluções que atendam ambos os lados. Isso é possível numa sociedade comprometida em melhorar e crescer como um todo.

  18. Junior
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 11:30 hs

    É de se ficar pasmo com a ignorância (ou má-fé!!) dos dirigentes da tal associação de patrões do comércio paranaense que, utilizando a palavra reajuste, faz transparecer que os servidores estão brigando por aumento salarial.
    Não, senhores!!
    O que se pleiteia, é tão somente a correção do valor nominal das remunerações/proventos, mediante a aplicação da correção da inflação, conforme disposição da Constituição da República em seu art. 37 que, por sinal, já não fez sendo feita há vários anos.
    Não há que se falar em reajuste (que é um aumento real) quando o que se está a buscar é a reposição (atualização do valor nominal) imediata da inflação do último ano de um pouco menos de 5%, pouco se considerarmos que o percentual total que não foi pago (deixou de cumprir a Constituição) é de 17%.
    Mas, seria demais esperar que uma associação de patrões tivesse algum interesse em defender quem (servidores) estaria em equiparação com empregados.

  19. silva
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 12:26 hs

    alguém falou …

    “Se todos os funcionários públicos do Paraná resolverem boicotar o comércio por causa da carta da ACP, que é contra o reajuste salarial dos servidores do Estado, os comerciantes vão marchar em protesto pra cima da sede da entidade.”

    * Vale acrescentar que no governo Richa eles fizeram a mesma burrada ! Claro, estão confortáveis com a renúncia fiscal e confiantes com a grana fácil do governo Ratinho Jr (empréstimos a perder de vista) !

  20. servidor
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 12:30 hs

    ahhhhhhhhh, sim …

    Não é a primeira vez, que fazem isso ! Lá atrás, governo Beto Richa, fizeram o mesmo ! Será que somente querem anistia fiscal e renúncia fiscal, a seu favor ?

    Se pudessem também manteriam seus empregados, também a míngua e sem reposição inflacionária, mas ainda não podem, pois a lei ainda protege os trabalhadores do setor privado !

    E ainda, se são tão patriotas e preocupados com o povão, por que a todos meses remarcam os vários preços da economia, sob seus controles.

    Será que não sabem que a inflação tá baixa (2,95% / 2018) e existem mais de 28,5 milhões de brasileiros desempregados, subempregados e subutlizados ?

    ACP: trata-se apenas reposição de parte inflação passada, o que o funcionalismo do Poder Executivo do PR reivindica (17,2% é a dívida: jan.2016 a mais.2019) !

  21. LEANDRO
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 13:52 hs

    Também sou contra o perdão de dívidas, renúncias fiscais e REFIS, e aí nobres? Bora pagar o que devem?

  22. EU
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 14:20 hs

    É a tchurma do vice-governador Pianna, que é empresário, dando pitaco aonde não foi chamada.
    Dando tiro no pé pois sem poder de compra e sequer para pagar água, luz, gás, ipva, iptu e outros impostos, o funcionário público que está há quatro anos sem ter reposição salarial, deixa de consumir.
    Ou seja, os associados da tal ACP também perdem.
    A ACP parece estar mamando na teta do desgoverno do Paraná e a reboque do ratazana júnior, ou então a burrice se instalou de vez no meio dos empresários!

  23. Freddy Kruger
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 16:31 hs

    É o tipo da postura em que o tiro pode sair pela culatra. Nos últimos quatro anos, tivemos diversos reajustes de energia elétrica, água e esgoto, combustíveis, IPTU, IPVA, ICMS, aluguéis, alimentação, juros, transporte, educação, saúde, etc…, etc… . Os próprios comerciantes, que ora se manifestam, reajustaram os preços das mercadorias que vendem, porque seus custos também aumentaram. Legislativo, Judiciário, salário mínimo e os próprios empresários tiveram reajustes. Por que ? somente os funcionários públicos não podem ter o direito, a no mínimo o reajuste de seus salários, que é a compensação pelos aumentos dos preços, inflação, etc… Não estamos falando aqui em aumento de salários, mas reajustes das perdas. Se os funcionários públicos tem de suportar todos os outros aumentos, sem poder espernear, eles, terão muito menos poder de ir às compras, ou deixar de consumir bens fabricados e comercializados por estes mesmos empresários que aqui reclamam e só enxergam seus próprios umbigos. Estes mesmos empresários que por desculpas esfarrapadas, aumentaram a sonegação de impostos, prejudicando ainda mais o sistema. A meu ver, trata-se de uma jogada política do governo para tentar impedir “o justo reajuste dos salários”, utilizando do Sr. Piana, seu capacho e de empresários oportunistas, que estão, como já foi dito, dando um tiro no próprio pé. Extremamente atitude lamentável, e porque não dizer até, sem nenhuma sensibilidade e falta de inteligência. ! Só querem colher as benesses políticas de seus negócios.

  24. Francisco
    quinta-feira, 11 de julho de 2019 – 17:18 hs

    Provavelmente grandes parte destes “Empresários” devem ser os maiores devedores e sonegadores de impostos. É bom lembrar estes cidadães que não estamos reivindicando nenhum aumento salarial e sim “perdas salariais” isto é; reajuste da infração, que trata-se da Lei da Data Base.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*