Projeto da bilhetagem eletrônica em pauta na Câmara de Curitiba | Fábio Campana

Projeto da bilhetagem eletrônica em pauta na Câmara de Curitiba

A mensagem do Executivo para tornar a bilhetagem eletrônica a principal forma de cobrança no transporte coletivo em Curitiba entra na pauta do plenário nesta terça-feira (11), para a votação em primeiro turno, na Câmara Municipal. Além da redação original, que autoriza a implementação exclusiva desse sistema, por meio do cartão-transporte, os vereadores discutirão dois substitutivos gerais. Um deles, proposto por Rogério Campos (PSC) e assinado por mais 36 vereadores, pretende garantir a substituição gradual dos cobradores.

Tanto o projeto do Executivo quanto o substitutivo de diversos vereadores querem alterar o artigo 2º da lei municipal 10.333/2001, norma que dispõe sobre a instalação dos equipamentos de bilhetagem eletrônica. O dispositivo a ser modificado, no entanto, diz que os cobradores devem ser mantidos nas estações-tubo, terminais de transporte e no interior dos coletivo, ressalvados os micro-ônibus e aqueles com embarque nas estações-tubo.

Enquanto a Prefeitura de Curitiba justifica que o uso exclusivo do cartão-transporte traria agilidade ao sistema e diminuiria os assaltos, ao restringir o dinheiro em circulação, a categoria apontava o risco de demissão imediata de milhares de trabalhadores. O substitutivo, justificou Campos, é resultado de um acordo entre a Urbs e o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc), mediado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

O substitutivo retira do texto a palavra “exclusiva”. “Está previsto [no acordo] que durante quatro anos haverá um programa de requalificação dos cobradores. Serão 500 profissionais por ano”, disse o presidente do Sindimoc, Anderson Teixeira, à Comissão de Serviço Público. Foi nessa reunião, no final de maio, que o colegiado liberou a votação da proposta de lei em plenário.

O outro substitutivo é de Tico Kuzma (Pros). Foi por isso, explicou o vereador, que ele não assinou a proposta de Campos. A ideia também é evitar a demissão em massa dos cobradores, por meio da implementação gradual da bilhetagem. Só haveria a extinção de vagas em caso de aposentadoria, pedido de demissão, adesão a Plano de Demissão Voluntária (PDV) ou remanejamento a outra função. Além do cartão-transporte para o acesso aos ônibus, estações-tubo e terminais, são previstas “outras tecnologias”, como a biometria. As informações são da da Câmara Municipal de Curitiba.


2 comentários

  1. Nica
    terça-feira, 11 de junho de 2019 – 7:58 hs

    Ferrando com o povo e a favor dos empresários milionários do transporte coletivo!

  2. Mimi
    terça-feira, 11 de junho de 2019 – 9:48 hs

    Tem mão do grupo G ganhar mais !

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*