Servidores em greve | Fábio Campana

Servidores em greve

do RIC Mais

A Greve Geral do Paraná programada para esta terça-feira (25) deve contar com apoio de manifestantes das áreas de segurança, educação, agricultura e meio-ambiente. Com a paralisação de professores e funcionários de instituições de ensino da rede pública a expectativa é que aproximadamente 2.100 colégios e universidades amanheçam com os portões trancados.

Greve Geral – Educação
Uma Greve Geral atingirá todas as escolas públicas do Paraná nesta terça-feira (25). Os professores(as) e funcionários(as) públicos vão paralisar as atividades para cobrar o governador Ratinho Junior (PSD) sobre pagamento da reposição salarial, congelada há mais de três anos, já tem o apoio de praticamente todas as categorias do funcionalismo estadual.

A Greve Geral do Paraná dos servidores estaduais também vai protestar contra o Projeto de Lei Complementar 4/2019, que cria uma série de condições que, na prática, inviabilizam o pagamento de reposição salarial, promoções, progressões e atinge até auxílio transporte e outras verbas indenizatórias dos(as) servidores(as) civis e militares.

“É mais um ataque absurdo contra o serviço público. Se já sofremos com o congelamento dos salários, imagina o que seria ficar com progressões, promoções e quinquênios congelados. É muito grave”, afirma o presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Leão.

Greve Geral – Segurança
Os policiais civis realizaram, já nesta segunda-feira (24), uma carreata com viaturas antigas que necessitam de renovação na frota. Os funcionários foram até a sede do governo, no Centro Cívico, e protestaram também por um reajuste salarial, calculado em cerca de 4,7% que está congelado há quatro anos.

Para não prejudicar o atendimento a população, os órgãos de segurança irão operar de maneira especial nesta terça-feira (25), durante a Greve Geral no Paraná. A Polícia Civil irá atender em meio período, para que os policiais possam participar da ação. Já os policias militares, que são impedidos de fazerem greve, prometem ações dentro dos quartéis. Além deles, os agentes penitenciários também farão reivindicações.

Greve Geral – Ratinho Junior responde
Questionado sobre a Greve Geral no Paraná, o governador Ratinho Junior (PSD), diz que o Estado precisa de equilíbrio financeiro. “Estamos fazendo esforços, cortando mordomias para construir um projeto que permita, daqui a alguns meses ou no ano que vem, dar reajuste aos funcionários. Minha função como governador é cuidar do equilíbrio e garantir saúde financeira ao Estado”, finalizou.

Por meio de nota, o governo do Paraná respondeu aos manifestantes que as negociações com as categorias continuam abertas e buscará o equilíbrio para não colocar em risco as contas públicas.


4 comentários

  1. Genildo
    terça-feira, 25 de junho de 2019 – 9:44 hs

    Sua função como governador é CUMPRIR A LEI, inclusive a da reposição das perdas salarias do funcionalismo. O argumento de que já atingiu o limite prudencial é mentira pois os quadros do funcionalismo estão defasados, os vencimentos achatados a quase 4 anos. O mero reajuste das contas de luz e água já geram ICMS suficientes para o pagamento das perdas salariais do funcionários.
    Ao administrador público não cabe escolher qual lei cumprir, a ele cabe apenas e tão somente cumprir a lei.

  2. QUESTIONADOR
    terça-feira, 25 de junho de 2019 – 12:38 hs

    -Enquanto milhares de brasileiros estão desempregados, os que estão empregados na iniciativa privada, suam para pagar suas contas e impostos para sobreviverem. Enquanto muitos pequenos e médios empresários deste país, tem dificuldade de se manterem, quando não fecham as portas. Eis que surgem os funcionários públicos estaduais exigindo aumento em um estado quase falido….faça-me o favor!!!
    -Enquanto existir a estabilidade do emprego público, a maior população terá que conviver com esta situação dos servidores públicos…quem não gostaria de ganhar um aumento no salário? Mas pensar em aumento nesta situação pela qual o País atravessa?
    -Sinceramente, acho esta paralisação e/ou Greve Geral fora de propósito. Quem vai pagar o aumento da classe de servidores estaduais, somos nós mesmos, os trabalhadores da iniciativa privada. Ou alguém acha que existe almoço grátis?
    -Menos estado e mais economia e progresso!!

  3. antonio carlos
    terça-feira, 25 de junho de 2019 – 17:42 hs

    O Ratinho ganhou de presente da tigrada funcionária o argumento que lhe faltava para acabar definitivamente com a “licença-prêmio por assiduidade”, quem faz greve falta ao serviço e, quem falta ao serviço leva falta e toma desconto no salário, não é mesmo governador?

  4. Bombeiro Militar
    quarta-feira, 26 de junho de 2019 – 9:19 hs

    O governador mente ao dizer que está cortando mordomias. Como ele explica os milhares de cabos eleitorais nomeados com cargo em comissão na Casa Civil, Saúde e Meio Ambiente? E os R$ 4 milhões anuais para pagar aposentadorias nababescas a ex-governadores e viúvas?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*