Oriovisto defende agilidade na reforma da Previdência | Fábio Campana

Oriovisto defende agilidade na reforma da Previdência

O senador paranaense pelo Podemos, Oriovisto Guimarães, prevê que a reforma da Previdência Social (PEC 6/2019) seja aprovada em breve pela Câmara dos Deputados e que até agosto ao Senado Federal para ser discutida. Defensor da reforma, o senador disse,em entrevista ao Diário dos Campos, que somente a mudança na Previdência Social irá melhorar a situação econômica do país. “O Brasil quebra sem a reforma”, afirmou.

De acordo com ele, vários são os fatores que levam à necessidade de se implementar a reforma apresentada ao Congresso pelo Executivo, mas o senador destaca alguns deles. “O primeiro é uma questão matemática. Obrigatoriamente precisa-se fazer a reforma porque, como está, não dá para deixar; vai virar um caos social. Atualmente, metade do orçamento da nação vai para a Previdência”, argumenta. Oriovisto explica que enquanto a reforma não for aprovada,”o Brasil não voltará a crescer”. “Diante disso, temos 13 milhões de desempregados. Não existe maior injustiça que deixar as pessoas sem emprego”, comenta.

Outro fator apontado pelo parlamentar é que a reforma deverá cortar privilégios que, segundo ele, “beneficiam as corporações e o funcionalismo”. De acordo com o senador, hoje existe uma diferença considerável entre funcionários públicos e de empresas privadas quando se aposentam, alguns estariam “ganhando R$ 5 mil enquanto outros se aposentam com R$ 50 mil”. “A reforma visa igualar o teto da Previdência”, diz.

Ainda entre o rol de motivos que fazem Oriovisto defender a reforma está o envelhecimento da população. “As pessoas que trabalham, recolhem percentual paraquem está aposentado hoje. Só que a pirâmide populacional está mudando, logo, não vamos mais ter pirâmide, ou seja, vamos ter um prisma, com a mesma largura em cima e embaixo, pois as famílias estão tendo menos filhos e a população tem mais tempo de vida”.

Oriovisto também rebateu argumentos sobre supostos danos que a reforma da Previdência poderia causar aos trabalhadores, entre eles o da capitalização. “Não é verdade que os idosos do Chile [país que implantou modelo semelhante ao que está sendo proposto no Brasil] vivem na miséria. Além disso, o regime de capitalização vai funcionar daqui para frente, não será tirado o direito de quem já tem e nem que as coisas vão acontecer do dia para a noite”, garante.

Sobre os regimes previdenciários dos Estados, Oriovisto conta que há um impasse no Congresso em relação à competência dessa discussão. “Alguns governadores querem que a reforma seja feita pelo Congresso para evitar desgaste. Mas, de qualquer forma, todos os Estados vão ter que fazer. No Paraná a situação ainda está razoável”.

Fonte: Jornal Diário dos Campos.


3 comentários

  1. Domenico
    segunda-feira, 10 de junho de 2019 – 11:43 hs

    “Como pessoa física, o maior devedor é Oriovisto Guimarães, do Podemos, que estreará no Senado após ter votação surpreendente e ficar na primeira colocação no Paraná. Empresário com patrimônio declarado de mais de R$ 239 milhões, o novo senador deve R$ 5,5 milhões.

    Pelos dados da Justiça Eleitoral, o candidato injetou R$ 3,25 milhões na própria campanha e doou R$ 1,75 milhão ao presidenciável Alvaro Dias, do seu partido. Somados, os valores são próximos ao que deve à União. ”
    Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/politica/republica/novos-senadores-devem-r-65-milhoes-a-uniao-2gekm9r4lrbkaxfry5mlcfnqu/
    Copyright © 2019, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.

  2. Ein Sof
    segunda-feira, 10 de junho de 2019 – 19:11 hs

    É mesmo, caro senador?
    E qual o percentual gasto com juros da dívida pública e com a dívida pública?
    E como surgiu a dívida pública?

    Já que estamos em época de reformas, que tal uma pequena auditoria na dívida pública?

  3. povobrasileiro
    terça-feira, 11 de junho de 2019 – 8:04 hs

    Este grande devedor somente está lá por causa de uma onda política e certamente com interesses pessoais. Antes de falar de Reforma da Previdência, pague o que deve ao fisco.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*