Avião cai em plantação de milho em Cascavel | Fábio Campana

Avião cai em plantação
de milho em Cascavel

da Catve

Um avião com quatro pessoas caiu em meio ao milharal na Rua Cipreste, na região do bairro Cidade Verde, em Cascavel, região Oeste do Paraná, na tarde deste sábado (8).

Segundo informações repassadas à Catve, o piloto perdeu a sustentação em ar quando tentava o pouso e arremeteu, mas aeronave rodou e caiu virada. O caminhão ABTR do Corpo de Bombeiros foi mobilizado. Duas ambulâncias do Siate também seguiram ao local para atendimentos.

Feridos
Jonatan da Silva Brandiolin, 25 anos, sofreu corte e escoriação em pescoço, sendo levado à UPA Tancredo. Jocieli Saki, 21, teve escoriação em pescoço e contusão em tórax e dorso. A jovem foi encaminhada ao hospital particular.

Luis Sérgio Estesqui, 31, sofreu escoriação no pescoço, antebraço esquerdo e contusão e corte na mão e Loslei Robson Lauer, 37, teve escoriação em pescoço. Os dois recusaram encaminhamento ao hospital.

O piloto do avião modelo Vans RV 10 seguia de Valinhos – São Paulo e faria o pouso no Clube de Ultraleve, que fica próximo ao local da queda. As causas do acidente serão apuradas.


5 comentários

  1. domingo, 9 de junho de 2019 – 13:13 hs

    Essas aeronaves RV-10 não têm certificação oficial de segurança, sendo fabricadas nos Estados Unidos e montadas no Brasil geralmente por indústrias que se disfarçam de construtores amadores para não recolher impostos e passar pelo processo de vistoria oficial para certificar sua segurança, sendo por isso isentas de cumprir normas de segurança.
    São campeãs de acidentes nos Estados Unidos, onde há investigações sérias.
    Aqui no Brasil até recentemente não eram sequer contabilizados os acidentes desses aviões devidamente, por serem registrados na ANAC como se fossem exemplares isolados, construídos por amadores.
    Recentemente TODAS essas indústrias camufladas de construtores amadores foram suspensas do processo de adequação na ANAC, justamente por não cumprirem sequer as tarefas do programa chamado de iBR2020, quanto menos os requisitos de segurança.

  2. Ein Sof
    domingo, 9 de junho de 2019 – 19:29 hs

    Augusto Fonseca da Costa , o teu comentário é uma ótima lição para certas pessoas que comentam aqui no blog e que acham que o indivíduo tem todos os direitos, e que o Estado nunca deve cercear nada, nem fiscalizar, nem regulamentar.
    Estas pessoas esquecem que nós já vivemos assim no passado: para ter uma ideia, leiam Hobbes, em “O Leviatã” e como ele descreve a vida antes de governo, justiça, etc.: a vida era curta, dura e brutal.
    E estas pessoas defendem o fim de toda regulamentação, fiscalização, etc., como atentatória ao indivíduo.
    Elas acham que o passado distante da humanidade é o nosso futuro.

    Parece que quando eles falam em indivíduo, eles pensam apenas em si próprios. Outras pessoas não são indivíduos que também têm direito.
    Eles querem voltar a um estado de coisas em que não havia governo, lei, nem rei, nem justiça, nada. A lei era a força e a vida econômica era regida pelo saque.
    Só para terminar, meu caro Augusto Fonseca da Costa : parabéns!

  3. Ein Sof
    domingo, 9 de junho de 2019 – 20:26 hs

    Caro Augusto Fonseca da Costa, visitei o seu site.
    Em primeiro lugar, quero deixar minhas condolências pelo ocorrido com o seu filho.
    Em segundo lugar, quero parabenizá-lo pela iniciativa de lutar contra as tais ‘aeronaves experimentais’ sem fiscalização e sem regulamentação nenhuma.
    Por último, agradeço efusivamente pelo livro disponibilizado no site.
    Forte abraço!

  4. Ein Sof
    domingo, 9 de junho de 2019 – 20:54 hs

    Augusto Fonseca da Costa, estou lendo seu livro.
    O alerta inicial já deu-me uma baita sacudida.
    Estou lendo agora a secção intitulada ‘A DEGRADAÇÃO DA SEGURANÇA DE VOO PELAS NORMAS
    DA ANAC’.
    O conteúdo é arrepiante! E quando ocorre um acidente, chamam de ‘fatalidade do destino uma situação que teve em seu design, várias mãos humanas, não fazendo o que deveriam fazer.

    O senhor é um homem corajoso. Não o conheço, mas sinta sua mão apertada pela minha.
    Lendo o que o senhor escreveu, passa-se a imaginar… o que acontece em outras agências reguladoras brasileiras?
    Pois muitas delas parecem ser dominadas por quem deveriam regular.

  5. sexta-feira, 4 de outubro de 2019 – 13:44 hs

    Olhem só as news da AOPA.

    http://www.aopabrasil.org.br/noticias/anac-protela-decisoes-e-prejudica-milhares

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*