Aumenta o número de famílias endividadas | Fábio Campana

Aumenta o número de
famílias endividadas


A proporção de famílias endividadas na capital paulista aumentou para 56,5% em maio deste ano, em relação a abril (55,2%). Segundo levantamento da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), na comparação com o mesmo período do ano passado,a alta foi de 5,4 pontos percentuais, o que significa 227 mil famílias endividadas a mais do que em maio de 2018.

De acordo com a FecomercioSP, o alto índice de desemprego também levou ao aumento da taxa de inadimplência, que chegou a 20,5% em maio. Isso significa que 804,3 mil famílias não pagaram a dívida até a data do vencimento, com crescimento de 53 mil em um ano, próximo do maior patamar histórico, de 21,8%, registrado em abril de 2012.

Também em maio, houve queda de 1,8% na intenção de consumo das famílias e de 1,6% na propensão de comprar algum produto financiado nos próximos três meses, na comparação com o mês de abril. A Federação do Comércio ressalta que o percentual de renda comprometida com dívida tem permanecido em torno de 28,5% ao longo dos meses.

“É bom evitar o repasse de aumento de preços ao cliente, já não tão disposto a comprar”, diz, em nota, a FecomercioSP. “Por isso, é preciso se empenhar na negociação com os fornecedores, com atenção ao câmbio e à inflação, ainda que seja necessário reduzir a margem de lucro. Assim, será possível manter o fluxo de caixa e fazer o estoque girar.”

Segundo a entidade, os comerciantes precisam oferecer opções variadas de pagamento aos clientes, o que pode ser uma forma positiva de garantir vendas, além de descontos no pagamento à vista e de disponibilizar parcelamento da compra. A FecomercioSP lembra que os consumidores têm enfrentado restrições de créditos nas grandes instituições. (ABr)


2 comentários

  1. VISIONÁRIO
    quinta-feira, 20 de junho de 2019 – 6:57 hs

    O Brasil como ficou depois de décadas nas mãos de bandidos, colhe hoje o fruto amargo do desemprego. É realmente desesperador a situação economica da população brasileira. Aqueles que ainda conseguiram se pendurar nos empregos “ainda” sobrevivem e outros que não, simplesmente padecem. Mas tenho fé que vai melhorar…

  2. antonio carlos
    sexta-feira, 21 de junho de 2019 – 9:50 hs

    Mas vamos e venhamos, numa propaganda de um site de viagens uma família discute sobre tirar férias em julho. A filha diz que o pai precisa pagar a escola, a mãe que o carro precisa de conserto e o pai quer viajar mas não tem grana. Fazer o quê então? Vamos parcelar .

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*