'Consequências serão graves', afirma UFPR sobre corte de verbas | Fábio Campana

‘Consequências serão graves’, afirma UFPR sobre corte de verbas

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) afirmou, nesta quinta-feira (2), que, caso o corte de verbas anunciado pelo governo não seja revertido, as consequências serão graves para o segundo semestre do ano.

Com a medida do Ministério da Educação (MEC) anunciada na última terça (30), que vai bloquear 30% do orçamento de todas as instituições federais do país, a UFPR deixará de receber R$ 48 milhões. Segundo a universidade, a falta desse valor vai atingir diretamente despesas como consumo de água, energia, contratos de prestação de serviços e restaurantes universitários. As informações são da Banda B.

Leia, a seguir, a nota

A UFPR reforça, como tem feito reiteradamente, que o investimento nas universidades federais é importante para a soberania nacional, para a formação de excelência das futuras gerações, para o aumento da qualidade de vida da população e para o próprio desenvolvimento pleno da economia nacional, nas indústrias ou no agronegócio, por exemplo.

Sendo a mais antiga universidade em funcionamento no país, a UFPR atende a uma comunidade com mais de 33 mil alunos, em 164 cursos de graduação e 89 programas de pós-graduação com 89 mestrados e 61 doutorados, além de 45 cursos de especialização e profunda inserção na nossa comunidade em 392 projetos e programas de extensão.

Contamos com o diálogo com as instâncias competentes do governo federal para continuar atendendo à comunidade paranaense, como temos feito há mais de 106 anos, sem o perigo de interrupção das nossas atividades, o que acarretará prejuízos imensuráveis para os nossos estudantes e para a sociedade.


9 comentários

  1. Rr
    quinta-feira, 2 de maio de 2019 – 22:39 hs

    Graves para o bolso de alguém.

  2. Chiquinho
    sexta-feira, 3 de maio de 2019 – 7:41 hs

    Aquela questão de que pobre tem que fazer cursos Profissionalizantes e os ricos cursos Universitários aos poucos vão se concretizando.

  3. Paulo
    sexta-feira, 3 de maio de 2019 – 9:04 hs

    Excelente notícia. Agora esses centros de formação de esquerdosos terão que administrar o dinheiro público de forma eficaz, demonstrando um mínimo de bom senso na aplicação dos recursos.
    Ponto para o Ministro da Educação.
    Aliás, Ratinho Jr, quando fará a mesma coisa com essas universidades estaduais que promovem um desperdício desenfreado com o dinheiro dos Paranaenses?

  4. Luiz
    sexta-feira, 3 de maio de 2019 – 11:22 hs

    Quando mexe na mamata todo mundo berra. Este é o pais q a gente vive.

  5. Roberto Santos
    sexta-feira, 3 de maio de 2019 – 11:28 hs

    Toda Universidade merecepe apoio, desde que, apresente resultados. Na área tecnológica a UFPR está em que posição a nível nacional? em 24º lugar entre todas as Fauldades de Engenharia e Arquitetura do País. Algo esta errado. 72% dos Professores não falam”inglês técnico” fluentemente. No mundo da “internet” estão/são analfabetos.Mas não reconhecem isto.

  6. sexta-feira, 3 de maio de 2019 – 11:50 hs

    vai faltar dinheiro prá comprar a maconha consumida nos arredores do prédio .

  7. Sórindo
    sexta-feira, 3 de maio de 2019 – 11:56 hs

    …Até agora só estavam preocupados em abrigar vermelhinhos e afins, promover encontros de esquerdalhas e agitos nacionalistas com viés comunistas..agora são a salvação nacional.
    …Acho que é pedir muito para se tocarem…A TETA VAI SECAR.

  8. Parreiras Rodrigues
    sexta-feira, 3 de maio de 2019 – 11:57 hs

    …e comprovando-se a situação financeira do doutorando – medida determinando a sua prestação de serviços à sociedade por dois anos. Médicos ocupando a vaga de colegas cubanos nas cidades mais longínquas onde vive a população mais desassistida. Estacionamento de universidades públicas, lotadas de carrões. De famílias bem situadas, estudaram em colégios particulares, fizeram excelentes cursinhos e ocuparam as vagas, estas sim, destinadas ao estudante menos aquinhoado. Quer moleza, vá arrancar minhoca no asfalto com enxadão de borracha!

  9. Folhadepagamentoé85%
    sábado, 4 de maio de 2019 – 10:01 hs

    85 % do orçamento aqui da UFPR são para pagar salários e então se deve uma explicação de quanto ganham os servidores.
    A UFPR deve adotar o critério de ingresso apenas para quem for baixa renda, senão para os melhores cursos continuarão entrando somente quem é bancado pelos pais e faz cursinhos.
    Tem que haver um levantamento sobre o domínio de Sindicatos dentro das Universidades Públicas no sentido de doutrinação dos alunos para causas de desmonte da lei e da ordem.
    Quem fizer faculdade pública, tem que ter um período posterior para trabalhar e desenvolver sua formação acadêmica em favor da sociedade.
    Este seria meu sonho de consumo para as Universidades Públicas.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*