Tribunal de Contas cancela aumento na conta de água da Sanepar | Fábio Campana

Tribunal de Contas cancela aumento na conta de água da Sanepar

A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) informou a suspensão do reajuste de 12,13% na conta de água e esgoto, após uma medida cautelar do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR). O comunicado foi feito nesta segunda-feira (13) pela companhia.

Conforme o documento da Sanepar, a medida cautelar foi concedida após uma Comunicação de Irregularidade feita pela Segunda Inspetoria de Controle Externo (2ª ICE) do TCE-PR no dia 6 de maio.

No relatório, a 2ª ICE afirmou que o reajuste é uma “aberração travestida de uma teia de números, que visam distribuir lucros aos acionistas”.

Ainda no documento, a Inspetoria diz que, desde o reajuste feito em 2017, a Sanepar acumula aumento tarifário de 27,92% enquanto, no mesmo período, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação, foi de 12,06%. As informações são do G1-PR.

Reajuste
O reajuste de 12,13% foi autorizado pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná (Agepar) no dia 15 de abril.

A homologação do reajuste ocorreu em uma reunião extraordinária do Conselho Diretor da agência reguladora. O aumento deveria começar a valer a partir desta sexta-feira (17).

Em um comunicado feito aos acionistas, a Sanepar disse que tomará as providências necessárias para restabelecer “seu direito ao alusivo reajuste” autorizado pela Agepar.


9 comentários

  1. Rivelino do Nascimento Santos
    terça-feira, 14 de maio de 2019 – 10:12 hs

    até que enfim uma boa notícia; essa Sanepar e seus acionistas sanguessugas nunca se cansam de nos sugar.

  2. Aguirre
    terça-feira, 14 de maio de 2019 – 10:36 hs

    Parece que a função do TCE-PR é fazer proselitismo político ao considerar um reajuste tarifário como uma “aberração travestida de uma teia de números, que visam distribuir lucros aos acionistas”. Bela frase! Esquece de dizer que quem financia os ativos da Sanepar (suas instalações), através de capital próprio, são os acionistas. Por que não sugere a devolução de capital aos mesmos? Os custos da Sanepar seriam custeados por impostos e todos seriamos felizes sem estes acionistas.

    Por outro lado, o TCE identifica um aumento tarifário de 27,92% contra uma inflação acumulada de 12,06% no mesmo período, como se tarifa (qualquer tarifa) fosse para compensar somente a inflação. Tarifa é para cobrir custos administrativos, de operação, financeiros e de investimentos futuros. Alguns destes custos são atrelados ao dólar. Os investimentos futuros serão financiados em grande parte por lucros acumulados, cuja origem é o capital dos acionistas.
    O TCE, ao intervir em um contrato de reajuste tarifário, reafirma a máxima: “no Brasil nem o passado é previsível”, e ainda perguntamos por que não se investe no país.

  3. Paulão
    terça-feira, 14 de maio de 2019 – 11:34 hs

    Muito lúcida e apropriada a Medida Cautelar do TCE/Pr suspendendo o absurdo reajuste tarifário que a Sanepar obteve junto a Agepar.
    Particularmente falando , tenho grandes suspeitas das agencias reguladoras existentes no Brasil, as quais via de regra trabalham contra os brasileiros para favorecer interesses de grandes grupos econômicos, e no caso da Agepar em especifico vide o que aconteceu com os valores de pedágios, pois membros de seu conselho tinham vínculos com as concessionárias, e imagino que o mesmo esteja ocorrendo no caso da Sanepar.Por isso já passou da hora de fechar/acabar com a Agepar e suas congêneres, pois não servem para nada.

  4. johan
    terça-feira, 14 de maio de 2019 – 15:14 hs

    Caro Fábio, até que enfim uma boa notícia para a sociedade. Após os elevados aumentos solicitados e aprovados pela AGEPAR, onde praticamente quadruplicaram os valores das taxas no ano de 2017. Alguém está percebendo a dificuldade da sociedade em quitar a fatura da Sanepar, pois não tem mais onde cortar. A tarifa mínima é para 5.000,0lts/mês, 166,0 litros para uma família/dia. Caso possua 4 membros, é equivalente a 41,0lts de água por dia/per capita. O consumo previsto nos países árabes, alcança 80,0lt/dia/pessoa. Deve-se lembrar que a taxa de esgoto, quando tem coleta na residência, é referente a 80,0% da taxa da água. Atenciosamente.

  5. Paulo Lima
    terça-feira, 14 de maio de 2019 – 21:43 hs

    Os Ratos vão distribuir brioches kkkkkkkkkkk

  6. terça-feira, 14 de maio de 2019 – 23:09 hs

    O QUE FALTA É ACABAR COM O MONOPÓLIO , E A FORMA É PRIVATIZAR. ASSIM ACABA TAMBÉM O CABIDÃO DE EMPREGOS, E O PROTECIONISMO AS EMPREITEIRAS QUE ACONTECEM HÁ MUITO TEMPO. HÁ SEMPRE UMA FORMA ESPÚRIA, NEGOCIATAS NA DIVISÃO DO BOLO DAS OBRAS, E SEMPRE RECHEADAS DE BENESSES , COM O DINHEIRO QUE O POVO PAGA PELA TARIFA CARA QUE PAGAMOS.

  7. Tia Amélia
    quarta-feira, 15 de maio de 2019 – 7:26 hs

    Água é um problema social e não para o governo e diretoria se vangloriar dos LUCROS na gestão com administração inchada de comissionados e conselheiros!

  8. Larry de Camargo Vianna Nascim
    quarta-feira, 15 de maio de 2019 – 9:06 hs

    Tem que segurar todos os aumentos. A população não aguenta mais! Sou aposentado Estadual e estou sem aumento há 4 anos.

  9. JOSE
    quarta-feira, 15 de maio de 2019 – 10:49 hs

    é uma falta de vergonha, defender este absurdo (aumento) da tarifa de água, em 12%, só defende quem é acionista ou é o grande escalão esperando aumento salarial, esqueceram o golpe do aumento ficticio no ano passado, onde se pagava o minimo em 10m3, 34,00, dai abaixaram o consumo minimo para 5m3, 32,00, já houve aumento absurdo em quase 90% do valor da tarifa. GAECO E MINISTERIO PÚBLICO fiquem de olho nessa AGEPAR, não é a mesma dos aumentos do pedágio, não? PRIVATIZAÇÃO DA SANEPAR JÁ.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*