Policiais atiraram contra jornalista antes da perseguição | Fábio Campana

Policiais atiraram contra jornalista antes da perseguição

Imagens de câmeras de segurança de comércios na Avenida Vicente Machado, em Curitiba, obtidas pela rádio Banda B, mostram que a Polícia Militar (PM) atirou no jornalista antes da perseguição, que terminou na Praça da Espanha. Andrei Gustavo Orsini Francisquini foi morto a tiros nessa situação, em que policiais afirmam terem sido confrontados pelo jornalista. Na versão da polícia, uma pistola foi encontrada dentro do carro dele, um Corsa.

Para a Banda B, o advogado Paulo Cristo, representante de defesa da família do jornalista e publicitário, já tinha afirmado que gravações de câmeras de segurança da Avenida Vicente Machado comprovavam que dois policiais militares tinham disparado cinco vezes contra o carro do jovem, sem que ele revidasse à ação.

Pelas imagens, obtidas pela Banda B, dois policiais se aproximam, enquanto Andrei está dentro do carro. Andrei dá partida e os policiais atiram em direção ao carro diversas vezes e depois seguem em perseguição. Segundo o advogado da família, as imagens comprovam a tese da defesa, de que não houve confronto.
Versão PM

Segundo o boletim de ocorrência registrado pelos policiais, a “equipe viu um homem manuseando arma de fogo dentro de um veículo corsa branco e tentou abordá-lo, mas o motorista não acatou a ordem de abordagem, e arrancou com o veículo de maneira brusca”. Houve então uma perseguição que culminou na morte do jornalista.

Ainda, conforme o relato dos policiais militares, Andrei estaria em posse de uma pistola, que foi recolhida por eles, assim como o veículo do rapaz.


4 comentários

  1. Indignado!
    sexta-feira, 17 de maio de 2019 – 15:48 hs

    Cadeia para quem cometeu crime…. Isso se chama homicídio doloso, não há o que se falar em crime militar. Outra imputação clara é a fraude processual, os responsáveis, inclusive os comandantes que souberam do fato durante o ocorrido e foram coniventes com a mentira devem ser punidos igualmente. Inclusive devem ser recolhidos e expulsos da corporação. Pintaram e bordaram, alteraram a verdade dos fatos e o local do crime, não acionaram a instituição policial constitucionalmente responsável pela apuração dos fatos, a constar, a Polícia Civil, retiraram o corpo do local sem a presença da delegacia responsável, tudo para encobertar a aberração que cometeram.

  2. Paulo
    sábado, 18 de maio de 2019 – 8:33 hs

    Só uma dúvida: por que ele não atendeu a ordem de parada da Polícia?

  3. Carlos
    sábado, 18 de maio de 2019 – 16:24 hs

    Q horror!!!!!

  4. Luis
    domingo, 19 de maio de 2019 – 22:55 hs

    Quando o moro aprovar aquele negócio de tiro de susto ou de medo, isso vai acontecer todo dia, para os que gostam e para os que não gostam é bom Jair se …

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*