MPF prepara mais dois acordos com concessionárias de pedágio | Fábio Campana

MPF prepara mais dois acordos com concessionárias de pedágio


O Ministério Público Federal (MPF) se prepara para chancelar, nos próximos meses, mais dois acordos de leniência com concessionárias de pedágio. A negociação com a Ecocataratas, que administra a BR-277 entre Guarapuava e Foz do Iguaçu, é a mais adiantada e está sendo acompanhada de perto também pelo governo do estado.

O acordo deve seguir os moldes do que foi feito com a Rodonorte. A empresa admite culpa, colabora com as investigações, indicando nomes de quem participou das negociatas, e recebe uma penalização em forma de multa, que é revertida em desconto na tarifa. Além disso se compromete a realiza obras que constavam no contrato inicial. A estratégia da Lava-Jato de oferecer mais vantagens para quem puxar a fila de colaborações levou, uma a uma, as grandes empreiteiras a firmarem acordos de leniência. A história deve se repetir agora com as concessionárias. Ruim para os políticos envolvidos no esquema.


2 comentários

  1. SERGIO SILVESTRE
    quarta-feira, 29 de maio de 2019 – 19:30 hs

    Acordos???????????vão tomar naquele lugar,toda sorte de bandidagem me rouba por 20 anos,eles continuam cobrando e nós pagando e voces vão fazendo acordos como fizeram nesse tempo onde 30% do bruto era propina.Esse Pais não tem lei ,tem malandros na justiça né.

  2. Virvi Antonio Froza
    segunda-feira, 2 de setembro de 2019 – 10:43 hs

    Bom dia, uma questão que me deixa abismado e ver um portal de noticias, não questionar um acordo que notadamente será a população que irá arcar com pagamento da mesma.
    Vejamos:
    Multa 30 milhões, único valor que a empresa irá desembolsar neste acordo;
    150 milhões em obras de melhorias, as mesmas já estavam contempladas no contrato e não foram executadas, ou seja, a empresa teria que sofrer uma multa por não executar as mesmas.
    Descabido relacionar este valor em acordo e as mesmas estar relacionada ao valor de desconto nas tarifas, pois quem irá pagar será a população.
    220 milhões em desconto nas tarifas, outra medida sem cabimento, ou seja, a população pagou um preço superior ao que seria o correto, agora no faz de conta a população vai ser novamente penalizada.
    Vejamos as empresas a mais de 10 anos majorando o preço para a população para usar um direito, de ir e vir, resolve assumir que pagava propina para fazer aditivos e conseguir cobrar/onerar a população e como sempre não se vê uma efetividade em grupos que lesão a população.
    Sem dúvida um excelente acordo para a empresa e não a população, o correto seria fazer o levantamento de quanto a empresa arrecadou a mais neste período, e sobre este valor aplicar a multa, procedimento adotado em outras esferas, como (Receita Federal), com certeza se eu fosse o responsável destas empresas queria o mais rápido este acordo, pois o encargo para as mesmas é de apenas 30 milhões, valor irrisório em relação ao que foi arrecadado pelas mesmas neste período, enquanto que os 370 milhões restante, será a população que ira pagar, sem dúvida um excelente acordo para empresa, a população a merce da sorte.
    Abraços, espero ter contribuído para entendimento.

    Virvi Froza
    OAB/PR 95.884

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*