Área de desabamentos no Rio é controlada por milícia | Fábio Campana

Área de desabamentos no
Rio é controlada por milícia

Queiroz, investigado por lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio, assumiu ser o responsável pela indicação dos parentes de Adriano para o gabinete de Flávio. Adriano está foragido desde a Operação “Os Intocáveis”, deflagrada em janeiro deste ano. Ele é acusado de comandar a milícia das comunidades de Rio das Pedras e Muzema, na zona oeste da cidade.

A Prefeitura do Rio de Janeiro afirma que o grupo paramilitar dificulta a atuação de fiscais do município na região. Segundo a gestão Marcelo Crivella (PRB), os dois imóveis que desabaram são irregulares.

Segundo o Corpo de Bombeiros, ao menos duas pessoas morreram -um homem e uma criança, com identidades ainda desconhecidas-, três estão feridas e outras 17 estão desaparecidas sob os escombros. Por volta das 11h , dois homens chegaram ao hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, a bordo de uma ambulância enlameada: Raimundo Nonato, 41, com escoriações na cabeça, e Luciano Paulo, 38, com escoriações múltiplas.

Milícias como a da Muzema costumam ser as responsáveis ou protegem a construção de prédios sem licença dos órgãos públicos. Os novos moradores e comerciantes que ocupam esses edifícios passam a ser nova fonte de renda das quadrilhas.

“A região é uma APA (Área de Proteção Ambiental) e os prédios ali construídos não respeitam a legislação em vigor. Por se tratar de área dominada por milícia, os técnicos da fiscalização municipal necessitam de apoio da Polícia Militar para realizar operações no local. Foi o que aconteceu em novembro de 2018, quando várias construções irregulares foram interditadas e embargadas pela prefeitura”, afirmou a gestão municipal em nota.

De acordo com a legislação em vigor, a região só poderia ter casas para uma família, e não prédio com diversas unidades.

“Na Muzema, as construções não obedecem aos parâmetros de edificações estabelecidos, como afastamento frontal, gabarito, ocupação, número de unidades e de vagas”, diz a prefeitura em nota.

Denúncia do Ministério Público afirma que Adriano, junto com Maurício da Costa, tinha liderança na exploração dos negócios imobiliários da quadrilha em Rio das Pedras, Muzema, e áreas adjacentes.

Em telefonema gravado com autorização da Justiça, Manoel Batista, espécie de administrador da milícia, aponta a ascendência de Adriano no setor.

“Eu tenho oito apartamentos naquele prédio. O resto é tudo do Adriano e do Maurício, entendeu”, afirmou Manoel a um interlocutor.

Em outro diálogo, Adriano é chamado de “patrãozão”.

Outro líder na exploração da construção civil na região é o major Ronald Paulo Alves Pereira, preso na mesma operação. Policiais encontraram em sua casa tabelas contábeis -com referências a Adriano-, plantas de imóveis e documentação de loteamento de terrenos.

A prefeitura afirmou, em nota, que desde 2005 faz autuações a fim de impedir o crescimento irregular da comunidade. Foram 17 autos de infração desde aquele ano até o momento na região.

OUTRO LADO

Queiroz é policial militar aposentado e amigo há mais de 30 anos do presidente Jair Bolsonaro, que o indicou para a vaga no gabinete do filho.

Em janeiro, a defesa de Queiroz afirmou em nota que “repudia veementemente qualquer tentativa de vincular seu nome à milícia” e que “a divulgação de dados sigilosos obtidos de forma ilegal constitui verdadeira violação aos direitos básicos do cidadão”.

Segundo o advogado Paulo Klein, Queiroz conheceu Nóbrega quando trabalharam juntos no 18° Batalhão da Polícia Militar e não sabia do suposto envolvimento com milícias.

Ainda segundo seu advogado, Queiroz solicitou a nomeação da mulher e da mãe do colega para o gabinete de Flávio Bolsonaro porque a família passava por dificuldades financeiras.

Para a defesa, Nóbrega estava “injustamente preso” em razão de um auto de resistência posteriormente tipificado como homicídio.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Adriano da Nóbrega.


3 comentários

  1. Gaudério do Piquiriguaçu
    sexta-feira, 12 de abril de 2019 – 18:43 hs

    Nao existe mais presença do Estado no Rio de Janeiro. E faz tempo. A cidade é um feudo da narcoguerrilha e das milícias. Elas são o poder de fato. Ponta avançada do crescente processo de mexicanização do Brasil.

  2. PitBull
    sábado, 13 de abril de 2019 – 21:55 hs

    Cadê o novo governador que ia fuzilar os bandidos ?

  3. QUESTIONADOR
    segunda-feira, 15 de abril de 2019 – 10:57 hs

    -Aí que te pergunto Percival?
    -Onde estão os órgãos de fiscalização, como o CREA por exemplo?
    -Não notificaram os “milicianos” por exercício ilegal da profissão, sem a ART da obra e outros documentos faltantes?
    -Onde está o CREA? O CREA não defende o exercício da engenharia???

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*