Por que só Ratinho Jr não foi à reunião de governadores do sul e sudeste convocada por Bolsonaro? | Fábio Campana

Por que só Ratinho Jr não foi à reunião de governadores do sul e sudeste convocada por Bolsonaro?

Só o governador Ratinho Jr não foi ao encontro de governadores de sul e do sudeste convocado pelo presidente Jair Bolsonaro. Nem mandou representante. A ausência não passou desapercebida e a dúvida é natural. Ratinho mão foi porque não quis por que não foi convidado. É mais provável a primeira hipótese.Resta saber como isso é recebido por Bolsonaro, que comemorou a moção de apoio à reforma da previdência assinada por todos os outros governadores.

O esforço do governo Jair Bolsonaro para aprovar a reforma da Previdência ganhou reforço na tarde deste sábado, 15, dos governadores dos Estados das regiões Sul e Sudeste, que declararam apoio ao projeto após se reunirem em Belo Horizonte. “A principal mensagem é um apoio incondicional à reforma da Previdência”, afirmou João Doria (PSDB) ao Estado após o encontro.

Segundo ele, há compreensão entre os governadores que estiveram presentes da importância estratégica da reforma e de seu potencial para mudar o País. Ele esclareceu, contudo, que Renato Casagrande (PSB), do Espírito Santo, pontuou na reunião ter ressalvas em relação à proposta do governo Bolsonaro.

Além de Doria e Casagrande, participaram do encontro: Wilson Witzel, do Rio de Janeiro; Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul, Romeo Zema, de Minas Gerais e Carlos Moisés, de Santa Catarina. Ratinho Junior, do Paraná, não compareceu.

Segundo Casagrande, o posicionamento dos governadores ajuda a criar ambiente político para a aprovação da reforma, já que os parlamentares são sensíveis a essas manifestações. O governador do Espírito Santo disse que, como os demais, considera importante modificar as regras das aposentadorias no País, mas que não endossa integralmente o projeto apresentado pelo governo.

“Tenho discordâncias e quero que a proposta seja aperfeiçoada. Sou contra a capitalização do jeito que está, a desconstitucionalização, mexer no BPC (benefício de prestação continuada, pago a idosos pobres e a pessoas com deficiência) e compreendo que é preciso melhorar a proposta para aposentadoria rural”, afirmou Casagrande ao Estado após o encontro.

Já o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), declarou que os governadores reunidos na capital mineira “apoiam incondicionalmente o presidente Bolsonaro nessa missão de reformar a Previdência”. A reunião com os governadores durou uma hora e, segundo postagens dos representantes de cada Estado nas redes sociais, foi discutido, além da reforma da Previdência, temas como a lei anticorrupção, segurança nas fronteiras interestaduais e desburocratização. O único governador que não compareceu foi o do Paraná, Ratinho Júnior (PSD), por conta de uma incompatibilidade de agenda.

Além do apoio à reforma, os governadores anunciaram a criação do Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud) no qual serão debatidas a formulação de políticas públicas e firmados acordos de cooperação entre os Estados em dez áreas: segurança pública, combate ao contrabando, saúde, sistema prisional, desburocratização, turismo, desenvolvimento econômico, educação, inovação e tecnologia, logística e transporte.

“Uma iniciativa extremamente importante para que a gente possa compartilhar ideias e recursos e criar um fundo de investimento próprio para a infraestrutura”, afirmou o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), em vídeo postado depois do encontro. “Tenho certeza que o Brasil vai avançar muito e atrair investimentos estrangeiros, para gerar emprego, renda e tornar nosso país mais competitivo”, completou.

A situação fiscal dos Estados não foi pauta da reunião. Segundo Doria, o tema já havia sido debatido exaustivamente entre os governadores por meio de um grupo de WhatsApp do qual todos participam. As demandas serão apresentadas ao ministro da Economia, Paulo Guedes, em encontro na terça-feira, 19.

Os governadores de Sul e Sudeste voltarão a se reunir, juntamente com seus principais secretários, em São Paulo para um dia de seminários, em 27 de abril.
Consórcio

“Os governadores se reuniram para formar o Cosud, uma iniciativa extremamente importante que a gente possa compartilhar ideias e recursos e criar um fundo de investimento próprio para a infraestrutura”, afirmou o governador do Rio, Wilson Witzel(PSC), em vídeo postado depois do encontro. “Tenho certeza que o Brasil vai avançar muito e atrair investimentos estrangeiros, para gerar emprego, renda e tornar nosso país mais competitivo”, completou.

Também ao falar sobre o Cosud, o governador de São Paulo afirmou que o consórcio terá programa de atuação em dez setores: segurança pública, combate ao contrabando, saúde, sistema prisional, desburocratização, turismo, desenvolvimento econômico, educação, inovação e tecnologia, logística e transporte.


14 comentários

  1. sábado, 16 de março de 2019 – 23:02 hs

    Nao houve nenhuma explicaçao dos presentes;
    O ausente naoemitiu nenhuma nota!
    Nao houve convite?

  2. Fiora Netio
    domingo, 17 de março de 2019 – 8:20 hs

    O governo Ratinho Jr vai de mal a pior – já na largada, tem secretários denunciados por corrupção, apresentou um plano de redução de despesas que é um engodo do Cabral… aliás so serviu para arranjar um cabide para o autor do destrabalho… nomeações esdrúxulas para cargos técnicos – tem comunicador cuidando de área fundiária… tem crise na polícia, que não atende ninguém… o mandatário maior só viaja e delega para subalternos as decisões…
    Ou seja, já já vai virar leproso…

  3. OBSERVADOR ATENTO
    domingo, 17 de março de 2019 – 9:53 hs

    Ratinho tem um objetivo: ser candidato a presidência, na próxima eleição. A reforma da previdência, necessária e urgente, é impopular e manifestar-se a favor pode atrapalhar seus objetivos. Esperamos que que sua ausência não seja um ato demagogo e populista.

  4. domingo, 17 de março de 2019 – 10:18 hs

    Bah,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!

  5. CLOVIS PENA - Patinho feio
    domingo, 17 de março de 2019 – 10:22 hs

    A pauta de Minas era representativa dos maiores anseios da população paranaense.
    O motivo da ausência da representação do estado precisaria ser superior aos dos relevantes assuntos que lá foram tratados.
    Um patinho feio e ausente. Uma pena.

  6. juca
    domingo, 17 de março de 2019 – 11:34 hs

    É mas tem justificativa sim.
    Estava tentando arrumar a comunicação da Pm para evitar ocorrências iguais aquela sinistra lá em Fazenda Rio Grande.

  7. Veredicto
    domingo, 17 de março de 2019 – 12:46 hs

    Já que esteve ausente deve aceitar a decisão da reunião e ficar na dele sem dar nenhuma opinião. Como dizem os gaúchos, o cavalo não passa encilhado na sua frente duas vezes. Perdeu a primeira oportunidade, na segunda alguém já tinha montado, agora é ficar na claque e bater palmas.

  8. domingo, 17 de março de 2019 – 19:35 hs

    FICA CLARO QUE É CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA, ALÉM DO QUE NÃO VOTOU NEM AJUDOU BOLSONARO NA CORRIDA PRESIDENCIAL AO PLANALTO. E TB PORQUE É MEDROSO, COVARDE

  9. Murillo
    domingo, 17 de março de 2019 – 22:09 hs

    Porque é um bocó!

  10. Petrus
    domingo, 17 de março de 2019 – 22:34 hs

    Tem uns gaiatos aí que estão dizendo que Ratinho Jr não pôde ir na reunião porque tinha um compromisso mais importante, qual seja o de visitar um primo lá na Disney, um tal Mickey Mouse! Achei a piada de super mau gosto!!!

  11. JOÃO ROBERTO
    segunda-feira, 18 de março de 2019 – 9:12 hs

    porque talvez ele não tomou posse ainda

  12. Pedro Ivo
    segunda-feira, 18 de março de 2019 – 9:26 hs

    Ratinho não foi por que é um cagao! Tem medo de apoiar uma reforma importante como está e se não abrir os olhos seu governo vai ser pior que o do Requião e do Richa com os parasitas que está nomeando …

  13. MARCOS PARANÁ
    segunda-feira, 18 de março de 2019 – 14:17 hs

    interessante como os apóstolos de Barros, Gleisistas e Richas estão de prontidão, e claro os que recebem da oposição uma ajuda de custo gorda para os patrocínios; Ocorre que Ratinho Júnior tem porta aberta com Bolsonaro, ir em Minas Gerais, para discutir a realidade de outros Estados no que diz respeito a reforma da Previdência sem a presença do presidente, é chover no molhado, cada Estado tem sua característica e sua realidade ante a seus institutos previdenciários, cada um no seu quadrado, é por essas e outras que esse País não vai para frente!

  14. Caio Benoit
    segunda-feira, 18 de março de 2019 – 18:04 hs

    Por que o Lula que estes dias precisou de uma aeronave, deve estar precisando de apoio para boicotar a Reformada da Previdência e falir o País mais uma vez … aí como bom p. mandado ele não foi …

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*