Policiamento nas escolas gorou | Fábio Campana

Policiamento nas escolas gorou


O programa que previa policiamento nas escolas, anunciado com música e foguetório, gorou. O governo do Paraná resolveu nesta sexta-feira (29) suspender temporariamente o edital aberto para selecionar policiais militares da reserva interessados em participar da primeira etapa do programa Escola Segura. A decisão ocorre um dia antes do prazo final de inscrições e tem ligação com a baixa adesão.

A Polícia Militar não revela o número de inscritos, mas confirma que haverá revisão do valor oferecido pelo trabalho. Pelo edital 001/2019, os policiais militares da reserva aprovados receberiam R$ 113 por dia de trabalho. O governo estuda reivindicações da categoria para tornar a iniciativa mais atrativa. Além de uma garantia de remuneração líquida mínima, em torno de R$ 3 mil, os policiais pedem que sargentos da reserva possam participar do programa. As novas condições do edital, incluindo a nova remuneração, devem ser divulgadas ainda na próxima semana.

O edital reservava 74 vagas para escolas de Londrina e 46 vagas para Foz do Iguaçu. Uma segunda etapa do programa alcançaria escolas da região metropolitana de Curitiba. O Paraná tem, atualmente, 2.143 escolas estaduais.

O governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), lançou o programa durante uma cerimônia, no último dia 15, apenas dois dias depois do episódio da escola de Suzano, em São Paulo, quando dez pessoas foram assassinadas.

Podiam se inscrever na seleção soldados da Polícia Militar que estão na reserva há no mínimo dois anos, e que tenham porte de arma vigente. O processo seletivo incluía testes físicos e de aptidão mental. Para atuar nas escolas, eles passariam por um treinamento.


7 comentários

  1. domingo, 31 de março de 2019 – 12:52 hs

    Eu torço Que este Plano de Certo..Pois me Sentiria Mais Tranquilo Sabendo Que tem um Poliçial Militar Dentro da ESCOLA,,Cuidando de Nosso Filho e ou Nétos;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;

  2. Rr
    domingo, 31 de março de 2019 – 13:07 hs

    O problema e uma meia dúzia de nóias que se diz estudante,infiltrados,são consumidores e até fornecedores de drogas,se puder baixar o porrete beleza,3 mil até vai,senão nem por 5 mil.

  3. domingo, 31 de março de 2019 – 16:54 hs

    Bah,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!

  4. Denise
    segunda-feira, 1 de abril de 2019 – 10:08 hs

    Engraçado…pro pessoal da reserva, uns míseros R$ 113,00 por dia de trabalho. Ah, e é pra cuidar das nossas crianças, nossos jovens nas escolas. Aí vc entra no site transparência do Estado e começa pesquisar empresa por empresa, os salários te deixam de boca aberta…não sei pq um comissionado tem que ganhar mais que um funcionário…isso é uma vergonha…por isso que muitos funcionários concursados são os que trabalham contra o prefeito, o governador, o presidente…conheço muitos concursados que trabalham pra caramba, com toda responsabilidade e ética, o que é esperado de nós, aí do seu lado tem uma pessoa que é comissionada que ganha duas, três vezes mais e não faz nem a metade do trabalho que deveria fazer, sobrando pra um funcionário.
    É desanimador…as empresas públicas são um verdadeiro cabide de emprego. Vergonhoso!

  5. Elizabete
    terça-feira, 2 de abril de 2019 – 15:45 hs

    O senhor governador se esta tão interessado no bem estar dos alunos deveria dar melhores condições de trabalho para os pedagogos..Já que são esses profissionais que praticamente “levam a escola nas costas” . Devolva nossa hora aula. Estamos todos revoltados com essa situação.

  6. Osmar borgert
    sábado, 6 de abril de 2019 – 9:43 hs

    Tem que acabar nas escolas é a justiça fazer de depósito de. ZÉ DROGUINHA. ISSO ESTÁ ACABANDO COM OS.BONS.ALUNOS.

  7. Roberto Requiao
    sábado, 6 de abril de 2019 – 19:44 hs

    Pense num governo que não tem a menor noção do que vai fazer.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*