Centrão ameaça com rebelião | Fábio Campana

Centrão ameaça com rebelião

As críticas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à articulação política do governo para a votação da reforma da Previdência ganharam apoio de líderes do Centrão, que já estavam irritados com o Palácio do Planalto. Deputados disseram nesta sexta-feira, 22, que vão recusar a oferta de cargos nos Estados e preparam novas derrotas para o Executivo semana que vem. As informações são do Estadão.

Nessa linha, o primeiro enfrentamento deve acontecer na próxima terça-feira, durante sabatina do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Deputados do bloco encabeçado por PP, PR, PTB e PRB avisaram a representantes do governo na Casa que pretendem abandonar a sessão, abrindo espaço para a oposição sabatinar o ministro responsável pela proposta da reforma da Previdência.

Parlamentares também buscam apoio para derrubar a isenção de visto para americanos, anunciada nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro durante viagem a Washington.

O incômodo de deputados tem relação, principalmente, com a forma adotada pelo governo para negociar cargos. Conforme o Estado revelou, articuladores do Palácio do Planalto querem que os parlamentares deixem suas digitais nas nomeações, assinando uma planilha ao lado de seu afilhado político.

Outro motivo alegado para a “rebelião” é que na lista apresentada aos deputados há apenas cargos considerados sem relevância. Diretorias de estatais importantes, por exemplo, ficaram de fora. Além disso, as indicações estão condicionadas a nomes de servidores de carreira dentro de cada órgão.

A gota d’água para os parlamentares, porém, foi a declaração de Bolsonaro em uma live direto do Chile, em que atribuiu a prisão de Michel Temer à “sintonia fina” que o ex-presidente mantinha com o Congresso.

O deputado Domingos Neto (PSD) resumiu a insatisfação ao afirmar que o governo não pode ter uma atitude nas redes sociais e outra ao sentar para conversar. “As negociações estão paralisadas. Enquanto o governo não mudar a forma de articular, não há acordo”, afirmou.

Em um movimento orquestrado, coordenadores das bancadas regionais comunicaram a suspensão das negociações por cargos. As conversas vinham se arrastando nas últimas duas semanas. “Toda a bancada está pronta para ajudar o governo, mas o governo precisa se ajudar, porque está muito bagunçado. Hoje, no Congresso, é preocupante a situação que está a interlocução”, disse Neri Geller (PP-MT).

Reação. Articuladores políticos do governo tentam atuar como “bombeiros” na crise. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, buscou deputados do PSL para organizar o discurso. Já a líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), tentou apaziguar o clima ruim com Maia. “Nós estamos em um ponto de reatar a relação”, disse ela, após se encontrar com o presidente da Câmara. Joice e Onyx tentavam nesta sexta agendar um encontro entre Maia e Bolsonaro para este fim de semana.

Até mesmo o filho mais velho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-SP), entrou no circuito para apaziguar os ânimos. “O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, é fundamental na articulação para aprovar a Nova Previdência e projetos de combate ao crime”, disse no Twitter.


5 comentários

  1. Palpiteiro
    sábado, 23 de março de 2019 – 16:30 hs

    O Brasil caminha a passos largos para o brejo e juntar-se às outras. vacas. Um país de bucéfalos e idiotas.

  2. milton
    sábado, 23 de março de 2019 – 21:12 hs

    Os representantes das empreiteiras no congresso querem do governo CARGOS e VERBAS! E mais, a Extrema Imprensa continua a difundir a vigarice plantada de que a rebelião no Centrão se deve à falta de “articulação” do governo. Não caiam nesse conto! A rebelião se deve a que o acordão que se tramava nos bastidores para dar fim à Lava Jato foi pelos ares com a prisão de Temer. Chega de chantagem!

  3. GUSTAVO
    sábado, 23 de março de 2019 – 23:54 hs

    NOVAMENTE O PP ENCABEÇANDO A LISTA DOS PARTIDOS REBELDES…

    GALERA ELES PERDERAM A TETA QUE SEMPRE MAMARAM…

    ACABOU !!!

    OS CARGOS AGORA FORAM DISTRIBUÍDOS A PESSOAS HONESTAS…

    HOJE VI O MIMIMI DO MAIA NO JORNAL DA GLOBO NA HORA DO ALMOÇO…

    E QUEM ESTAVA ATRÁS DELE…O DEPUTADO FEDERAL DA VELHA POLÍTICA RUBENS BUENO…

    O MAIOR VENDEDOR DE CANDIDATURAS DO PPS PARANÁ…SEMPRE COM O DISCURSO DO VOTO LIMPO…PPS 23 VOTO LIMPO…

    O QUE OS VELHOS POLÍTICOS ESTÃO FURIOSOS É QUE A TETA SECOU…

    VOCÊS SÃO O ATRASO DO PAÍS…

    VAMOS ESPERAR O COMPORTAMENTO AGORA NA APROVAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA…

    NOSSA SORTE FOI A GRANDE RENOVAÇÃO DO CONGRESSO E DO SENADO…

    PRESIDENTE BOLSONARO NÃO AFROUXA NÃO…

    SALVE…SALVE…

    PÁTRIA AMADA BRASIL.

  4. johan
    domingo, 24 de março de 2019 – 16:41 hs

    Caro Fábio, esse artigo do Editorial do Estadão, em cada parágrafo tem uma informação que desqualifica os representantes do congresso. Ora desejam acabar com a isenção para os americanos virem ao país. Alguém viu um americano vir pedir emprego no pais. Os brasileiros entram nos EUA para fugir da crise de desemprego do país. Cada americano em férias deixam quantos empregos aqui. Outro paragrafo, os apoiadores que desejam cargos. Agora, não querem mais. Então até ontem pressionavam para obtê-los. Agora que devem se comprometer e se responsabilizar pelo afilhado, também não desejam assumir. Então fica claro para o presidente, que os deputados da velha política não desejam que o país saia do retrocesso colocado pelos mesmos. Está difícil entende-los. Atenciosamente.

  5. NA CORDA BAMBA
    segunda-feira, 25 de março de 2019 – 4:36 hs

    Infelizmente para todos nós ainda vai correr muita água debaixo da ponte. O Presidente foi milagrosamente eleito, porem temos ainda muitos malacos em Brasília. Tudo montado há décadas mamando na teta onde nunca fizeram nada e ganharam fortunas. Claro que vão tentar obstruir tudo que vier pela frente que lhes sejam desfavoráveis.
    Às vezes penso que uma mão de ferro dos militares nesta hora mudaria totalmente o rumo do país…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*