"Meninos, eu vi", alerta Plauto Miró | Fábio Campana

“Meninos, eu vi”, alerta Plauto Miró

A temperatura voltou a subir no Centro Cívico. O deputado Plauto Miró Guimarães (DEM) subiu à tribuna da Assembleia, hoje, para lembrar a todos que tem munição e da grossa. Ele foi primeiro-secretário da Casa por oito anos e cumpre agora seu oitavo mandato. Volta a dizer que há deputados “gulosos” que constam de seus arquivos implacáveis. Se algum documento sumir do arquivo oficial, ele tem todas as provas de que precisa caso tenha de se defender de alguma acusação.

Ele entregou à Mesa a cópia de um longo discurso escrito em que relembra o verso do poeta Gonçalves Dias: “Meninos, eu vi!”. O discurso, que ficará transcrito nos anais é o que segue:

“Começo meu oitavo mandato na Assembleia Legislativa do Paraná carregando a mesma força de quando jovem ainda no primeiro, a coragem de enfrentar o segundo, a determinação do terceiro, a experiência do quarto, a tenacidade para chegar ao quinto, a coerência que me levou ao sexto e a gratidão ao povo de Ponta Grossa e dos Campos Gerais pelas sete eleições anteriores.

Não nasci ontem! Passei mais tempo da minha vida no parlamento do que em qualquer outro lugar. Também não sou um neófito! Já vi e vivi de tudo e dou graças a Deus por ter permitido cada minuto de convivência com muita gente boa preocupada com os destinos e o bem-estar de todos.

Enfrentei crises de cabeça erguida e participei de conquistas com humildade.

Falo de um tempo que nos concede experiências e não de virtudes. E posso garantir, com o testemunho dos paranaenses, que tenho compromisso com minha consciência. Não sou aventureiro e devolvo, com letras maiúsculas, qualquer insinuação de procrastinador, achacador ou senil. Os que o fazem, não me conhecem.

Posso lembrar aos que ainda nada viveram e aos que nada apreenderam, o que dizia de modo incisivo o jornalista Samuel Wainer em seus relatos: “eu estive lá”.

Nas últimas três décadas, seja na situação ou na oposição, participei da história do Paraná e, como poucos, também posso afirmar que estive lá.

É conhecida minha trajetória como deputado, nas comissões da Casa e como líder de bancada a minha busca pela coerência, sempre no mesmo partido, até chegar a ocupar a Primeira Secretaria da ALEP.

A história os jornais registram. Foi grande o trabalho que desenvolvemos para tornar a Assembleia Legislativa do Paraná transparente.

Quem comigo convive sabe do zelo, da responsabilidade em cada ato, no cuidado de cada assinatura e no enfrentamento para combater os que tentavam fazer deste parlamento algo como se fosse propriedade particular.

Meus amigos sabem o desprezo que nutro por aqueles que se afastam da missão diária de servir e optam por desrespeitar a palavra empenhada. Dizem uma coisa, e agem de modo contrário. Agindo com denodo procurei ser agente transformador, sem nunca me afastar do que conjuguei.

Democratizamos a forma de administrar, fazendo com que a Assembleia Legislativa desse oportunidades iguais a todos os deputados, respeitando a vontade popular e seguindo os princípios da boa gestão, sempre com responsabilidade e respeito ao erário. Os que se opunham a esses princípios foram afastados e não devem retornar.

Tornamos tudo transparente e público como a lei exige. O Portal da Transparência passou a ser uma ferramenta respeitada e os arquivos lá publicados, fonte de informação.

Mas de repente observei movimentos assustadores que indicavam uma temerária volta ao passado, na época em que as regras não eram cumpridas e a ética não era exercida.

Não aceito! Não jogo minha história no lixo e por isso cumpro o dever de advertir o Paraná. Pois acredito que um estado se faz com atitudes e não com jogadas de marketing. Quem alerta não quer o mal.

Torço para que o governo, cuja eleição apoiei, abrindo dissidência em meu partido, seja de esplendoroso sucesso. E para isso, a gestão que se inicia não pode começar com agentes novos repetindo erros antigos.

Para dar certo não pode permitir que “gulosos” se coloquem como os senhores da razão. O termo que cunhei recentemente em manifestação pública se refere aos que, muitas vezes, sem representatividade nas urnas, se sentem senhores dos espaços públicos e das posições políticas. Exalam a soberba pelo simples fato de estarem momentaneamente em uma posição de poder. Por vezes, uma conquista que se dá por questões circunstanciais e não por mérito.

A história e as conquistas das pessoas devem ser respeitadas. Da mesma forma, as comunidades representadas pelo agente público eleito pela vontade do voto por meio de um pleito legítimo. Esse é o grande mérito daqueles que estão Deputado Estadual.

Portanto, repito: a lei, a população e a ética não querem mais “gulosos”.

Tudo o que falei, assumo. Tenho cópias de documentos que assinei e dos pedidos administrativos que me fizeram. Os originais seguem em arquivo público, como deve ser. Fiz meu próprio arquivo para que seja possível comprovar os atos administrativos, caso, por algum motivo, em algum momento, se tente apagar a história.

Caso a história seja ameaçada, ou se tente alterar as versões dos fatos, terei como recompor a verdade. Com responsabilidade afirmo que estou vigilante, como sempre estive.

Que fique claro! Não sou um acusador, apenas me posicionei para que diante de uma possível e descabida acusação, terei como me defender.

E nesta quadra da vida, ainda gosto de ler Gonçalves Dias, em I-Juca Pirama, e repetir para mim mesmo as palavras do velho índio guerreiro:

“Assim o Timbira, coberto de glória,

Guardava a memória

Do moço guerreiro, do velho Tupi.

E à noite nas tabas, se alguém duvidava

Do que ele contava,

Tornava prudente: “MENINOS, EU VI!”.

Plauto Miró Guimarães Filho

Curitiba, 18 de fevereiro de 2019″.


14 comentários

  1. segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019 – 17:08 hs

    Bah,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!

  2. Luiz Flavio
    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019 – 17:15 hs

    É um novo e reluzente Tony Garcia? De que tem medo?

  3. Jose lll
    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019 – 18:45 hs

    Com tantas caras novas na ALEP, por la deve esta rolando uma nova química. E com o parlamentar de 8 mandatos e só matemática, porque depois de longos anos na cada. Agora só ver problema. “E assim caminha a humanidade. “

  4. FERNANDO
    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019 – 18:48 hs

    Caro Fabio, esse pilantra está trucando sem cartas. Fabio, o que esses deputados Estaduais, estão precisando é de trabalho do que fazer. Hoje é sabido de todos que nos próximos 30 anos, todo o dinheiro, que entrar no cofre do Estado do Parana, via impostos está comprometido com o pagamento da dívida Estadual, funcionários públicos aposentados e da ativa. Com isso, essa caterva de desocupados não tem trabalho, sugiro que fechem a Assembleia Legislativa e vão procurar trabalho na iniciativa privada.

  5. Lambada
    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019 – 18:53 hs

    Comentários de bastidores,no pé de ouvidos, dão conta de que os dossiês documentais estão prontos para a operação Lava Jato !!! Bombas de altas potências explodirão enumerando e identificando os GULOSOS corruptos que se abasteceram de ilicitudes com apoios de cabeças chefes …!!! As delações de escândalos DANTESCOS RONDAM os corredores onde escorrem massas gosmentas fétidas que estão prontas para serem emitidas. Será VERDADE ??? Muitos acham que se trata de chantagens emocionais duvidosas !!! Será ???

  6. Fabiano
    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019 – 22:03 hs

    Meninos eu vi .

    Ficou chique no último a reforma que o antigo diretor geral fez na TI lugar onde foi destinado pra ele nessa mesa ..

    Kd a moralidade a transparecia ?
    Será que a sala precisava de reforma ?

  7. antonio
    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019 – 23:11 hs

    Foi excluído do banquete. A la Tony Garcia. Crápula igual a todos que ele diz que quer denunciar. Se fosse sério ja deveria ter feito.

  8. Larissa Adriana
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2019 – 8:20 hs

    Fala tudo Plautinho, como era feita a devolução do Cheque Fake ao governo?

  9. Joel
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2019 – 8:25 hs

    Oi Amigo Plauto Miró, tô chegando! Kkk

  10. Adelino Zanella
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2019 – 8:28 hs

    Pelo visto a roubalheira continua, e tudo escondidinho ai o cara diz a se você mexer eu conto teus podres. Continua tudo na mesma e nos pagando a conta desse cretinos

  11. Thor
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2019 – 10:09 hs

    Só gostaria de saber quem foi que escreveu este texto para o Plauto porque da cabeça dele não foi,pois quem o conhece sabe muito bem que seu grau cultural é limitadíssimo e logicamente que ele nunca leu Gonçalves Dias ou coisa parecida.O Plauto o máximo que já leu foi a Turma da Mônica.

  12. pronto falei
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2019 – 10:30 hs

    PLAUTO MIRÓ, É PLAUTO MIRÓ, O DEPUTADO QUE EM SEU 8º MANDATO, SIM HÁ MAIS DE 30 ANOS PENDURADO NA ALEP, TEME QUE SEU NOME ILIBADO VENHA A SURGIR EM DELAÇÕES, E QUE MEMBROS DA ASSEMBLÉIA VENHAM A INCLUÍ-LO EM CPI’s, O QUE TEMES PLAUTO ? PORQUE TANTO RANCOR E MEDO ? QUAL O MOTIVO DE ESTAR AMEAÇANDO SEUS PARES ? SERIA ALGO QUE O ENVOLVA COM A QUADRILHA DE BETINHO ? OU SERIA MÁGOA POR ESTAR FORA DA MESA DIRETORA E COM ISSO TER PERDIDO SEUS MAIS DE 200 CARGOS NA ALEP ? NOS CONTE O QUE LHE AFLIGE ! MAS, CUIDADO; SUA HORA ESTÁ POR VIR E, A JUSTIÇA SERÁ FEITA , LAVA-JATO RONDANDO SEU GABINETE.

  13. vitr
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2019 – 11:29 hs

    Os verdadeiros culpados são aqueles que reelegem um sujeito desse.

  14. eu mesmo
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2019 – 11:36 hs

    Os verdadeiros culpados são aqueles que reelegem um sujeito desse.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*