Maia é reeleito presidente e comandará Câmara até 2021 | Fábio Campana

Maia é reeleito presidente e comandará Câmara até 2021

do G1

O deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi reeleito nesta sexta-feira (1º) presidente da Câmara por mais dois anos. Esta é a terceira eleição consecutiva que ele vence para comandar a Casa e ficará no posto até 31 de janeiro de 2021.

Na votação, Maia recebeu 334 votos, 77 votos a mais do que o necessário para se eleger no primeiro turno. Em 2017, quando foi eleito presidente da Casa pela segunda vez, o deputado do DEM recebeu 293 votos.

O segundo colocado na disputa deste ano foi o deputado Fábio Ramalho (MDB-MG), que recebeu 66 votos. Marcelo Freixo (PSOL-RJ) recebeu 50 votos e foi o terceiro colocado no pleito. JHC (PSB-AL) recebeu 30 votos; Marcel Van Hattem (NOVO-RS) recebeu 23; Ricardo Barros (PP-PR), 4; e General Peternelli (PSL-SP) recebeu 2 votos.

A eleição de Maia foi a maior votação em um primeiro turno para a presidência da Câmara desde a eleição de Marco Maia (PT-RS), que recebeu 375 votos no pleito de 2011. Em 2009, o ex-presidente Michel Temer (MDB-SP) foi eleito com 304 votos. Em 2013, Henrique Alves (MDB-RN) conseguiu se eleger em primeiro turno com 271 votos. Eduardo Cunha (MDB-RJ), que também se elegeu no primeiro turno em 2015, recebeu 267 votos.

Cotado como favorito na disputa, ele conseguiu costurar o arco mais amplo de apoio com 15 partidos, incluindo o PSL do presidente da República, Jair Bolsonaro. Obteve apoio inclusive de legendas de esquerda, como PC do B e PDT.

Maia é deputado federal pelo Rio de Janeiro desde 1998 e foi eleito em outubro do ano passado para a sua sexta legislatura.

A primeira vez em que se elegeu presidente da Câmara foi para um “mandato-tampão” de pouco mais de seis meses após a renúncia do então presidente Eduardo Cunha (MDB-RJ), atualmente preso pela Operação Lava Jato.

Depois, conseguiu driblar uma regra prevista na Constituição e no Regimento Interno da Câmara que veda a reeleição dentro do mesmo mandato e se reelegeu presidente da Casa. Ele argumentou que seu caso não se encaixava nessa regra pois não havia cumprido um mandato completo de dois anos como presidente.


Um comentário

  1. sábado, 2 de fevereiro de 2019 – 11:40 hs

    EM UMA REPÚBLICA PROSTITUTA, O LADO PROSTITUTO SEMPRE DEU ÁS CARTAS TCHÊ!!,KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*