"Jeitinho" assassino | Fábio Campana

“Jeitinho” assassino


O ano de 2019 começou com muita expectativa no âmbito político, mas as principais manchetes, em apenas 40 dias, destacaram as consequências do tal “jeitinho brasileiro” de resolver problemas com soluções paliativas e improvisos. Foi isso que provocou a morte de centenas de pessoas na lama em Brumadinho, nas chuvas no Rio de Janeiro e no fogo do CT do Flamengo. Não por acaso, a procuradora-geral, Raquel Dodge, afirmou que essas tragédias eram “evitáveis”.

Dez jovens foram mortos no alojamento improvisado há uma década, de material altamente inflamável, no “Ninho do Urubu”, do Flamengo. A Vale soube do risco dias antes, mas o rompimento da barragem em Brumadinho já superou 157 mortos e ainda há 182 desaparecidos. As chuvas no Rio e em São Paulo provocam destruição e mortes há meio século. A “solução” todos os anos é paliativa e emergencial.
Comentários


Um comentário

  1. bagrinhoensaboado
    domingo, 10 de fevereiro de 2019 – 21:25 hs

    Este é o retrato do nosso país que vem sendo vilipendiado desde sempre. O nosso povo não é de merda alguma, se fossemos (também me incluo) já tieríamos acabado com esta corja política que enoja a nós todos.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*