Estados calamitosos | Fábio Campana

Estados calamitosos

Desastre foi uma opção, e não há meio de atenuá-lo sem agressiva contenção de dispêndios

Editorial, Folha de S. Paulo

Mato Grosso é o sexto estado brasileiro a decretar estado de “calamidade financeira”, figura que expressa bem a catástrofe nas contas públicas, mas que não passa de gambiarra vagamente baseada na Lei de Responsabilidade Fiscal.

Mais que jurídica, trata-se de medida política de governos quebrados que pretendem oficializar uma situação de moratória, com apoio legal da Assembleia Legislativa.

Não surpreende que o governo desastroso do Rio de Janeiro tenha sido o primeiro a decretar calamidade, em junho de 2016. No mesmo ano, foi seguido pelo Rio Grande do Sul e por Minas Gerais. Neste janeiro, foi a vez de Roraima, Rio Grande do Norte e Mato Grosso.

O elenco desse espetáculo de horrores tampouco causa surpresa. Com exceção de Roraima, esses governos são 5 dos 6 que mais gastam com pessoal. Em Minas, a despesa com servidores equivale a 79% da receita corrente líquida (os dados consolidados mais recentes são de 2017). No Rio, quase 71%. Em Mato Grosso, cerca de 65%.

Este último estado também é um dos cinco em que a despesa com pessoal mais subiu nesta década e um dos que mais postergam o pagamento de credores.

Em suma, como nos demais estados calamitosos, o governo de Mato Grosso deixou a despesa de pessoal crescer de modo irresponsável.

Não era necessário que fosse assim, como atestam vários estados, pobres ou ricos, no Sudeste ou no Nordeste. O desastre foi uma opção, e não há meio de atenuá-lo sem agressiva contenção de dispêndios com salários e aposentadorias.

A renegociação da dívida com o governo federal seria apenas um paliativo a criar a ilusão de que é possível evitar o ajuste.

Além do mais, nem existem instrumentos legais para socorrer a maioria dos estados. Caso sejam inventados, não haverá dinheiro, a não ser que o próprio governo federal desmoralize o seu programa fiscal, afundando o país inteiro nessa aventura leviana.

Resta definir somente o pacote de ajuste. É inevitável fazer uma reforma da previdência, aumentar contribuições de servidores, promover privatizações, cortar despesas de custeio e investimento e talvez até avançar na direção de flexibilizar a estabilidade dos funcionários públicos.

As alternativas são o calote indiscriminado, paralisação ou degradação extrema de serviços públicos essenciais, como hospitais e policiamento —enfim, alguma variante da ruína fluminense. A decisão agora é entre as dores de um tratamento rigoroso e o colapso desordenado.


Um comentário

  1. FUI !!!
    segunda-feira, 21 de janeiro de 2019 – 7:15 hs

    Os estados falidos são nada mais do que o retrato de um país em
    que seus governantes meteram a mão na cumbuca. O pior é que
    todos os governantes foram eleitos pelo povão. Uma grande parcela
    destes absurdos são dos próprios eleitores. Querem dar comida para
    “formigas cortadeiras” uma hora acabarão as folhas verdes…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*