Bolsonaro cancela repentinamente entrevista coletiva em Davos | Fábio Campana

Bolsonaro cancela repentinamente entrevista coletiva em Davos

Bolsonaro decidiu cancelar entrevista coletiva que concederia a jornalistas em Davos, no Fórum Econômico Mundial, 40 minutos antes do marcado.
A equipe do Fórum foi pega de surpresa. Bolsonaro se reuniu com o presidente da Suíça, Ueli Mauer, e com o ex-premiê britânico, Tony Blair, após almoçar com investidores e apresentar os prospectos para o Brasil. Repentinamente, porém, ele tomou o caminho de volta a seu hotel em vez de se dirigir ao centro de imprensa, onde faria um pronunciamento seguido de entrevista coletiva com os ministros Paulo Guedes e Sergio Moro.
O Itamaraty confirmou o cancelamento, mas afirmou que não saber a causa.
O Fórum ainda tentava entender o ocorrido. O local para a primeira conversa do presidente com a imprensa brasileira já estava preparado.
A assessoria de comunicação do presidente tentou organizar uma declaração antes do encontro bilateral com o premiê italiano, Giuseppe Conte, mas o brasileiro se recusou, alegando falta de tempo.
É incomum que um chefe de Estado ou governo não dê nenhuma entrevista coletiva em Davos, visto como uma vitrine mundial para investidores. Com informações da Folhapress.

(Foto: Alan Santos/PR)


2 comentários

  1. Aprigio Fonseca
    quarta-feira, 23 de janeiro de 2019 – 13:23 hs

    Isso tem nome”caganeira” o sujeito é mais sujo que pau de galinheiro e será que não sabia que seu filho o”number one”(eles adoram os EUA)estava comprando imóvel um atrás do outro.

  2. Veredicto
    quarta-feira, 23 de janeiro de 2019 – 15:20 hs

    Esta agressiva busca pelospçequenos erros praticados, ou supostamente praticados pelo senador Flavio Bolsonaro tempos passados, esclarecidos ou não, vai continuar enquanto existir um petista vivo e enquanto a Rede Globo aguentar os custos destas investidas. Para qualquer leigo, está na cara que atingir diretamente o presidente não conseguirão, mas por vias indiretas poderão minar suas energias já que todos o conhecem como um pai zeloso.O que chama a atenção é o tamanho da coisa: nada, absolutamente nada, se confrontada com os roubos que a esquerda praticou no país nas barbas da rede Globo e nada foi divulgado até que apareceu um Sergio Moro, na República de Curitiba e botou dezenas deles na cadeia, inclusive o ex-presidente, petista fazendo cair a máscara dos vermelhos que trocavam votos por migalhas no nordeste. Como em Brasília não dá para buscar dinheiro fácil (militares não se vendem), caiu do céu uma brecha na vida dos bolsonaros com o caso Queiróz. Um prato cheio para a Globo e Folha de São Paulo. Sobre quem mandou matar o presidente a Globo e a Folha não falam mais, mas que a esposa do presidente quebrou o protocolo e falou com os deficientes auditivos pela lingual dos sinais, isso falam e muito. Quando uma balanga como a Jo Todinho( é assim que se escreve?) chama a esposa do presidente de cuidador de idoso pelo fato de ter menos idade que o marido, isto a Globo e a Folha dão destaque. Enquanto a maior rede de televisão e um dos maiores jornais do país buscam ofuscar o presidente mesmo que isso prejudique os brasileiros o país segue em frente. Enquanto os assassinatos acontecem na cara dos marinhos, juízes do esquema (vejam Florianópolis) defendem o direito de um desocupado sem identidade andar com um fuzil nas ruas da cidade e ainda querem punir o oficial que o prendeu, por apresentá-lo sem camisa na delegacia. Será este o país que os marinhos querem para seus filhos e netos?É bom esta gente pensar bem. Agora, sem golpe nenhum, com a força do voto, os militares estão no poder central. Não tentem fazer guerrilhas que de guerrilhas eles entendem. Vamos combinar gente: a rede Globo e a Folha meteram o pé na merda e não sabe como sair. Esta é a verdade.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*