Pena de Carli Filho é reduzida e ex-deputado não vai para a prisão | Fábio Campana

Pena de Carli Filho é reduzida e ex-deputado não vai para a prisão

da Banda B

A Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) reduziu a pena do ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho de 9 anos e 4 meses de prisão para 7 anos, 4 meses e 20 dias, pelas mortes de Carlos Murilo de Almeida e Gilmar Rafael Yared, numa colisão de trânsito em 2009. Com isso, Carli Filho não deve passar nem um dia sequer na prisão.

A decisão foi tomada na tarde desta quinta-feira (13), pelos desembargadores da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná, em julgamento da apelação do júri popular, realizado em fevereiro, e que condenou Carli Filho por duplo homicídio com dolo eventual, quando se assume o risco de matar. O ex-deputados estava embriagado e dirigia em alta velocidade. Ainda cabe recurso da decisão, ao Superior Tribunal de Justiça.

Os desembargadores não avaliaram se Carli Filho é culpado ou inocente, isso já foi feito pelo júri, que é soberano. Os magistrados apenas analisaram se o julgamento seguiu o rito legal e se o cálculo da pena, fixada em 9 anos e 4 meses de prisão, pelo juiz Daniel Ribeiro Surdi de Avelar estava adequada.

Na sessão dessa quinta-feira, três desembargadores votaram. O relator, Naor Macedo, manteve a condenação e estabeleceu pena de 9 anos e 4 meses de reclusão, em regime inicialmente fechado.

Já Clayton Camargo entendeu que a pena deveria ser reduzida para 7 anos de reclusão, em regime semiaberto.

E por fim Miguel Kfouri, também manteve a condenação e reduziu a pena para 7 anos, 4 meses e 20 dias de reclusão, também com regime semiaberto.

O julgamento foi suspenso e será retomado em 7 de fevereiro de 2019.

Impunidade
Na saída do julgamento, a mãe de um dos jovens mortos no acidente e deputada federal, Christiane Yared (PR), criticou a decisão em tom de desabafo.

“Nós recebemos [a notícia] com a certeza de que a gente vive em país que todos nós conhecemos, da impunidade, da liberdade de sair e matar alguém e responder depois de uma maneira que seja agradável”, afirmou ao G1/PR.

Segundo ela, a impressão é a de que tudo se tornou “um grande circo”. “Me disseram que a decisão do júri é soberana. Não é, não é mesmo. Dá uma tornozeleira para ele, tadinho. Os que morreram, morreram. A Justiça é para os vivos afinal de contas”, desabafou.


15 comentários

  1. Rogério
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 8:11 hs

    Que justiça é essa, o cara totalmente bêbado tira a vida de duas pessoas e pega uma pena branda e ainda é reduzida, realmente estamos numa republiqueta de bananas, onde a impunidade surfa em aguas claras.

  2. Mimi
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 8:47 hs

    Que dia vou ver ele entrando na prisão ?

  3. Tico tico no fubá
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 9:02 hs

    Justiça podre, um dia ainda vou cruzar com esse assassino no meu caminho

  4. urtica urens
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 10:16 hs

    podridão vestida de toga …..

  5. Dieter Heinz Korn
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 10:21 hs

    Rolou um compadrio ferrado aí entre os Carli e esses desembargadores! Só pode ser isso!!
    Pagamento de favores????!!!!

  6. Daniel Moraes
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 11:41 hs

    A dep. Yared reclamou da impunidade. Mas no Brasil queria o que?
    Infelizmente, se deu bem a família que há mais tempo chafurda na lama e que tem livre acesso aos corredores dos poderes.

  7. antonio carlos
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 12:20 hs

    Com esta decisão o TJ deu a todos os detentores de CNH, pelo menos no Paraná uma licença para matar. O cara mata duas pessoas, bêbado e com a CNH suspensa, ou seja, não podia estar dirigindo, é condenado por juri popular e nem cana vai puxar? É um incentivo à matança no trânsito. Estes desembargadores não tem vergonha na cara mas conta bancária tem.

  8. OBSERVADOR INTRIGANTE
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 13:18 hs

    É dificil fazer justiça na Brasil. Nojo da justiça. Recorra advogado de acusação. Recorra Ministério Público.
    A porcaria no Brasil está cada vez mais fedida.
    Deveria ser prisão perpétua e nem para a cadeia vai.
    Barbaridade!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  9. sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 14:32 hs

    OQUE VALE É A GRANA QUE ROLOU NOS A CERTOS TCHÊ, O RESTO SERÁ SÓ UM DETALHE,KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!

  10. sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 14:39 hs

    O IMPORTANTE FOI A GRANA QUE ROLOU NOS ACERTOS TCHÊ,KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!

  11. Luiz Antonio
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 20:14 hs

    Clayton Camargo e Miguel Kfouri: será que é necessário dizer mais alguma coisa, “cumpanheros”?

  12. E agora?
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 21:25 hs

    Derruba todos os presídios, libera todos os presos e acaba com o judiciário.

  13. aldebaran
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 22:29 hs

    segundo as profecias do pai dele a coisa funciona mais ou menos assim ¨quem tem gaita toca e dança…quem nao tem ….dança.

  14. Maique Taisson
    domingo, 16 de dezembro de 2018 – 20:37 hs

    Free!! Free!! MANVAILER FREE!!!
    A tênue linha entre o homicídio e o suicídio (não entrando no mérito das agressões incontestáveis anteriores) nos mostra que um rapaz preso preventivamente até agora deve ser reavaliada.
    O Carli matou 2 pessoas comprovadamente, e inquestionavelmente, por meio de um instrumento automotor, inclusive decaptando uma das vítimas.
    E o MANVAILER permanece preso por ser uma ameaça à quem Justiça???? O feminismo prendeu o rapaz sem ouvir sua versão. E os laudos tendenciosos só coincidem com aquilo que as imagens mostraram. Mas se estiverem errados, vão voltar atrás?? Se o cara tiver falando a verdade?? Coitadismo foryou

  15. Omar Hassan
    domingo, 16 de dezembro de 2018 – 20:42 hs

    Sempre que alguém atropelar alguém depois de beber, e for conduzido à delegacia, o delegado já pode soltar. Do que adianta prender se a pena será em domiciliar. Não tem mais sentido.
    No Paraná o CTB é letra morta. Até que algum parente desses desembargadores sejam atropelados.
    Algum paranaense estranhou ou se espantou de onde veio tal voto?!
    Não é o primeiro e nem será o último. Todos blindados.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*