Na política não há cadáveres | Fábio Campana

Na política não há cadáveres

O Antagonista,
Um menino guatemalteco de 8 anos, recolhido num centro de retenção americano, morreu no dia de Natal, depois de ter sido internado com uma doença ainda não informada. Outra criança da Guatemala, igualmente recolhida, já havia morrido também. Mais munição para os democratas atacarem Donald Trump.
Na política, não há cadáveres. Há pretextos certos ou errados.


4 comentários

  1. Wendel Stutz
    quinta-feira, 27 de dezembro de 2018 – 0:38 hs

    Fazem crianças claramente mal nutridas caminharem coisa de 2 mil km, e o que a matou foi o refúgio oferecido pelo Trump? Sinto pela criança, mas quem promove esse tipo de ação, do deslocamentos desde a Guatemala é quem deveria responder por essa morte.

  2. antonio carlos
    quinta-feira, 27 de dezembro de 2018 – 9:36 hs

    KKK agora o Trump tem culpa pelas mortes de gente que fugiu de casa por causa da pobreza e da violência. Do que mais o Trump será culpado, pelos quebra-quebras dos gilets jaunes em Paris? Ou porque o Etna entrou em erupção.

  3. quinta-feira, 27 de dezembro de 2018 – 9:43 hs

    ENTÃO PERGUNTE AOS DERROTADOS TCHÊ,KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!

  4. quinta-feira, 27 de dezembro de 2018 – 10:26 hs

    Para o PT, ele fogem do Paraíso da Guatemala, Nicarágua, Venezuela… Se Lula estivesse Livre e sido Eleito nás fugiriamos do Brasil.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*